A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Go a Lisboa

  • Restaurantes
  • Estrela/Lapa/Santos
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado
  1. Go a Lisboa
    Fotografia: Francisco Romão Pereira
  2. Go a Lisboa
    Francisco Romão PereiraEntrecôte maturado, rabanete e batatinha nova com azeite de alho e alecrim
  3. Go A Lisboa
    Francisco Romão Pereira / Time OutCamarão salteado, molho de laranja, tomilho e erva-príncipe
  4. Go a Lisboa
    Francisco Romão PereiraChamuças de carne
  5. Go A Lisboa
    Francisco Romão Pereira
  6. Go A Lisboa
    Francisco Romão Pereira
  7. Go A Lisboa
    Francisco Romão Pereira
  8. Go A Lisboa
    Francisco Romão Pereira
Publicidade

A Time Out diz

4/5 estrelas

A Casa de Goa arrendou o espaço de restauração e agora a comida viajou. Alfredo Lacerda levou com um buffet, mas saiu a rejubilar.

Sábado, reserva para as 13h00. O restaurante está em obras, somos encaminhados para o espaço do bar. É uma esplanada protegida com janelas laterais e tecto, com vista para o rio e para a Ponte 25 de Abril. Mas é uma esplanada. Primeira surpresa. 

Segunda surpresa. A carta está no QR code em cima da mesa baixa, dessas de lounge. E tem rasteira. Parte dela está desactivada, toda a parte que se refere a pratos à carta, mais sérios. “Só estamos a trabalhar com buffet”, diz a empregada de mesa, como se alguém pudesse adivinhar tal coisa, quando em nenhum sítio — redes sociais, site, app de reservas — isso vinha expresso.

Coloca-se a dúvida de protestar e partir, mas só protestamos, que somos muitos e temos fome. O buffet tem os clássicos com um cheirinho a Oriente. Amuado, lá peço uma sopa de abóbora e uma shakshuka, hambúrguer para os miúdos, mais croissant com ovos e abacate e uns Benedict com salmão. 

Estamos já resignados a apanhar sol na tola, esparramados nos sofás e nas almofadas à la riad de Marraqueche, quando chega o hambúrguer. Antecipo-me à rapaziada (privilégio de crítico) e mordo o bicho, um bicho alto, com vários andares, clássico: carne boa, bacon, cebola caramelizada, tomate, maionese de alho. Ui, bom. Ui, bom bom. Só mais uma dentada. Ui, muito bom.

Por Goa, Damão e Diu! É um excelente hambúrguer em qualquer parte da Índia e até de Portugal.

Eis então a sopa de abóbora Hokkaido e, caramba, também excelente. Um creme sedoso, puré de feijão lá metido, um toque de tahini e sementes de abóbora absolutamente crocantes, tostadas antes de postas a boiar na tigela. Nesta altura, já não havia dúvidas que alguém na cozinha do Go A Lisboa (engenhosa denominação) sabia o que fazia — algo que se comprovaria com selo e carimbo logo a seguir, nos Benedict. 

Ora bem, então se calhar desamuamos. E pedimos mais. Venha de lá essa sandes de barriga de porco e chicória em bolo do caco. A entremeada quase um courato, já emagrecida pela fritura, estaladiça. O bolo do caco fresquíssimo, tudo espevitado pelo pepino, pelos picles de cebola e pela maionese cítrica.

Com mil goeses! Se não foi a melhor sandes que comi este ano! 

Haveria de voltar para o jantar. O chefe de sala explicar-me-ia que o menu da noite já tinha pratos goeses, afinal a essência da antiga Casa de Goa, associação privada de utilidade pública, onde o Go A Lisboa se instalou. Essa seria uma condição do contrato de concessão do espaço. 

Mas não pensei repetir o entusiasmo, todavia. Na verdade, em 25 itens da carta, apenas seis eram goeses — e estamos a contar o arroz basmati e os papadums. Ainda assim, voltei. E ative-me apenas aos pratos vindos além da Taprobana. O primeiro deles foi a clássica chamuça, um exemplar acompanhado de iogurte com menta, sem nada que justificasse os três euros cobrados. 

Seguiu-se o caril de camarão. Um caril de camarão é uma coisa aparentemente simples. Temos um pó de especiarias, temos coco, temos camarão. E já está. A dificuldade é isso ficar naquele ponto de equilíbrio entre doçura e sapidez, com uma consistência nem demasiado cremosa nem demasiado liquefeita, o granulado ligeiro do coco, e com tudo isto o camarão permanecer rijo e levemente elástico e a saber a camarão.

Pelo Gama e pelo Albuquerque e pelos heróis que lhes resistiram! Se não foi o melhor caril de gamas que comi! 

Sucede, pois, que eu não percebo bem o Go A Lisboa. Não é já um restaurante goês, como foi durante muitos anos, isso é evidente. Está lá a quota, para que a Casa de Goa se justifique, mas não o é. Dizem-me que na cozinha chefia uma pessoa com nome dos fiordes, chamada Inga. Pesquiso, e vejo que é Inga Martin, com aparições na TVI e rubricas de dicas de bloguer. Não é o perfil de uma expert em caril goês. Mas talvez isso não interesse. Do que provei, temos restaurante, e dos bons, e com uma das melhores vistas. 

No Inverno, faz fresco, mas há aquecedores por todo o lado. Entretanto, o restaurante em baixo abriu a tempo do Inverno. Vai ser bonito. E vai ser bom. Voltaremos. Quem sabe para lá deixar cinco estrelas.

Alfredo Lacerda
Escrito por
Alfredo Lacerda

Detalhes

Endereço
Calçada do Livramento, 17
Lisboa
1350-188
Horário
Dom-Ter 10.00-01.00, Qua-Qui 10.00-02.00, Sex-Sáb 10.00-03.00
Publicidade
Também poderá gostar