Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Mattë

Mattë

Restaurantes Chiado/Cais do Sodré
Matte
1/6
©César Passinhas
Matte
2/6
Fotografia: César PassinhasO interior da primeira sala do Mattë
Mattë
3/6
©César PassinhasMattë
Matte
4/6
Fotografia: César PassinhasO polvo no josper
Matte
5/6
Fotografia: César PassinhasO temaki desconstruído do chef
Matte
6/6
Fotografia: César PassinhasA tarte de chocolate com gel de maracujá e gelado caseiro

A Time Out diz

Andava há muito para fazer esta prova: mostrar aos meus filhos adolescentes que o salmão que eles comem enrolado em arroz com queijo creme nos buffets chineses da cidade não é sushi. Fiz-lhes muitas vezes a conversa. Sushi é algo delicado, complexo, elegante. É preciso saber do melhor peixe, da época dele, do corte perfeito, da temperatura. É preciso saber do arroz. A tudo isso eles respondiam com a arma do costume: “Pai, és um snob preconceituoso. Devias provar os rolinhos com maionese do Yokohama.”

Eis então o momento da verdade. Antes de fazer o pedido, fui ao balcão olhar os peixes. Tudo com excelente aspecto. Lombos brilhantes e gordos. Na ponta, um enorme pedaço de chu-toro de atum rabilho, ligeiramente marmoreado. “Este é que os vai convencer.”

O processo foi gradual. Primeiro, veio o hamachi de lírio. Os miúdos rejubilaram logo com as lâminas marinadas em molho ponzu, yuzu e óleo de trufa – clássico guloso que o chef Habner Gomes trouxe do Hikidashi, restaurante de Campo de Ourique onde esteve antes de aqui residir.

Depois, subiu-se de nível para um sashimi clássico: atum, dourada, pregado e salmão. Peixes fresquíssimos, cortados na perfeição. “O pregado é muito bom”, disse a mais velha. “Este salmão não tem nada a ver”, deliciou-se o mais novo.

Por fim, a pièce de résistance, a mais notável proteína crua que um humano pode levar à boca. A maior bomba de umami inventada pelos japoneses. Se os garotos ficassem indiferentes aos niguiri de chu-toro teria de os deserdar.

Mantive-me em silêncio, sem preleções. Deixei o empregado de mesa falar e ele falou muito bem – como aliás aconteceu com todos os empregados, nas duas refeições que aqui fiz. As peças de chu-toro cobriam o arroz, no topo só um toque de raiz de wasabi fresca.

Comi o meu pedaço de uma vez. E fiquei a olhá-los, a boca salivando de prazer. “Isto foi o melhor sushi que alguma vez comi”, atirou o rapaz, olhos esbugalhados de excitação. “Mesmo!”, confirmou a irmã.

Arroz notável, temperatura do peixe perfeita, gordura límpida a casar com a acidez fresca e picante do wasabi.

Por tudo isto, o Mattë já tinha um lugar no meu coração. Mas continuou a marcar pontos, apesar das minhas desconfianças iniciais. Antes de lá pôr os pés, desconfiava do conceito – balcão de sushi e balcão de carnes maturadas; desconfiava das influencers que lá posavam para as redes sociais; e desconfiava do estilo posh a piscar o olho a milionários e wannabes.

Restaurantes com vasos a ladear a porta da entrada, entrando pela calçada, costumam ser maus. Se a isso juntarmos uma montra tomada por uma marca de champanhe francês, com garrafas do tamanho da taça da Liga dos Campeões, e um interior forrado a dourado mate, temos um Mercedes tuning com cozinha e motorista.

Nada que apague as virtudes da casa e de quem lá cozinha e serve, gente nova, capaz, motivada e simpática.

Numa segunda visita ao jantar, pude confirmar que a cozinha dos quentes é igualmente boa, com Maurício Varela aos comandos. Croquete de rabo de boi com maionese de pimentos fumados; caril laksa de camarão de Singapura; codorniz recheada com foie e cogumelos; e uma presa de porco de raça alentejana de tempero asiático a dar dez a zero à fraldinha de Angus.

Nas sobremesas, destaque para os mochi da Niji, uma parceria recente. Há vários recheios, todos com a capa de arroz finíssima.

Em síntese. Não pôr de lado um restaurante só porque é forrado a dourado mate. Este tem isso mas conseguiu uma proeza histórica. Foi aqui que os meus filhos aprenderam o encanto do sushi. Foi aqui que se tornaram snobs do chu-toro.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Detalhes

Endereço Calçada do Marquês de Abrantes, 18
(Santos)
Lisboa
1200-719
Preço 35-50€
Contato
Horário Seg-Sex 12.30-15.00/19.30-22.30
Também poderá gostar
    Best selling Time Out Offers