Naked

Restaurantes, Orgânico Princípe Real
3 /5 estrelas
4 /5 estrelas
(1comentário)
naked
1/7
naked
2/7
naked
3/7
naked
4/7
naked
5/7
Ceviche de cogumelos
naked
6/7
naked
7/7

Olhando para a fachada, o nome “Naked” está impecavelmente grafado, como uma dessas lojas antigas com o seu charme elegante de bairro. Podíamos estar em Notting Hill.

Lá dentro, o ambiente é branco e luminoso, quente e seco, aquecimento de Europa rica. Abrimos a carta, bonitos desenhos de frutas tropicais e sugestões em língua luso-britânica: “bowl de açaí”, “smoothie bowl do dia” ou então um dos menus, “power”, “naked” ou “green””. Tudo com muitas vitaminas e poucos hidratos
 – seguindo-se a tendência de comida saudável gourmet.

Quanto a preços, as sopas andam nos 4€, os principais vão dos 8,50€ (omelete de claras), até aos 14,50 (escondidinho de camarão). Podíamos estar em Notting Hill.

Ao nosso lado esquerdo está uma rapariga britânica com um sotaque londrino cerrado, à nossa direita um casal de alemães de câmara reflex e Moleskine, e há mais estrangeiros na segunda sala, à mistura com lisboetas, boa parte mulheres com pinta de galeristas (que é como parecem as balconistas do Príncipe Real), outra parte miúdas de mala Guess e iPhone X demorando-se nos enquadramentos dos “bowls” para o blog sem glúten, sem lactose, sem nada.

A propósito de blog, fazer notar o seguinte: este é um restaurante vestido para as redes sociais. Tudo foi pensado para ficar bem no Instagram. A loiça, os individuais, o poster do Jardim das Delícias Terrenas, de Hieronymus Bosch, a belíssima cutelaria da Herdmar, e a comida. Não há um prato que não seja instagénico, sempre um ornamento, um desenho, um contraste, uma flor. Se for preciso agredir as papilas para sair bonito, agride-se. A sopa de beterraba, por exemplo, vinha com perpétuas roxas. Diz o empregado. “Lindas e ainda por cima comestíveis”. São? “São”. Não é só para chá? “Não”. A flor felpuda entra na boca, é preciso mastigar atleticamente, as pétalas rijas como cornos coladas às gengivas, aos dentes, à língua, só mais sopa (bem boa, por sinal) consegue lavar a boca daquela parvoíce.

Falando do serviço, foi desequilibrado. Um empregado daqueles que não sabem nem querem saber, outro que sabe tudo. Noutro dia, a equipa de sala tinha mudado, um dos empregados era competente e espirituoso.

Sobre a substância. Em duas visitas, saltaram-se sempre os pequenos-almoços e as tostas, servidos entre as 10.00 e as 12.00 e as 16.00 e as 19.00. E também não se foi à parte do Médio Oriente, onde pontifica a típica shakshouka, uma tomatada com ovo escalfado, bem como o hummus com palitos de vegetais.

Notas de prova. No primeiro almoço, oscilou-se entre o
 bom (sumo do dia de maçã, gengibre e cenoura, com as fibras da fruta, muito equilibrado; lasanha de vegetais: a massa no ponto, curgete e cenoura crocantes; sopa de beterraba: excelente, tirando a perpétua...) e o razoável (creme de feijão com óleo de trufa: bom mas salgado; escondidinho de puré de mandioca e leite de coco, com uma tomatada de bacalhau: assim-assim; e a tarte de amendoim: bem feita mas monótona).

No segundo almoço, dois pratos com avaliação de bom 
e uma sobremesa razoável. Comecemos pelo fim: ao tiramisù faltou mascarpone
 e café. A taça (o bowl) de arroz integral, feijão, manga, tomate
 e cebola foi uma surpresa, 
tudo ligava bem e tinha sabor e textura. Mas a refeição valeu a pena por causa da extraordinária vichyssoise de batata doce: cremosa, com um coulis de beterraba a dar-lhe acidez e vida, e ainda o incrível pó de dukkah, no topo.

O que é o dukkah? O dukkah
é uma mistura feita de frutos secos, como amêndoa e pistáchio, a que se juntam especiarias, como z’aatar. Podíamos estar a comê-lo no Médio Oriente, mas também podíamos estar no restaurante da estrela planetária da cozinha saudável, Yotam Ottolenghi. Onde? Ora, adivinhem lá.


*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Alfredo Lacerda

Publicado:

Nome do local Naked
Contato
Endereço Rua da Escola Politécnica, 85/89
Príncipe Real
Lisboa
1200-279
Horário Todos os dias 10.00-18.00
Preço 15-25€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location
LiveReviews|1
1 person listening
tastemaker

O ambiente é fantástico, o conceito "flexitarian" original e super inteligente tendo ofertas de pratos saudáveis para todos os gostos sempre com uma apresentação muito cuidada e uma variedade de sabores diferentes que vingam pela originalidade. A decoração é convidativa e acaba por ser um bom espaço para marcar um encontro com uma amiga, um brunch (a qualquer hora do dia - só aqui ganham o meu voto absoluto!), ou então sozinha para fazer um tasting do prato do dia que acaba sempre por ser uma opção alternativa para quem já frequenta o espaço como um "local". A sopa Vichyssoise de batata doce é maravilhosa e alimenta mesmo! O Shakshouka reúne todos os sabores autênticos do oriente e a tarte Naked é um must.