Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O Riscas

O Riscas

Restaurantes, Português Grande Lisboa
Escolha dos críticos
4 /5 estrelas
O Riscas
1/2
©Manuel MansoO Riscas
O Riscas
2/2
©Manuel MansoO Riscas

A Time Out diz

4 /5 estrelas

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme se os espaços continuam abertos.

Alfredo Lacerda, excelso crítico desta casa com quem todas as semanas aprendo alguma coisa, 
tem o distinto hábito de se sentar sempre à mesa na companhia de um amigo. É sábio. Permite provar mais coisas, partilhar experiências, ponderar sentenças, lembrar que
os gostos se discutem e moderar as nossas próprias manias. Para mais, evita aquela solidão mastigada das refeições desacompanhadas. Vai daí, desta vez levei o amigo do Lacerda comigo. Fomos ao Riscas, pequena tasca familiar junto ao Museu Nacional de Arte Antiga. Gostei. O amigo do Lacerda também.

A ementa tem duas páginas.
 À esquerda, em letra impressa, a carta fixa; à direita, escrita à mão,
 a carta variável com dias fixos.
 Se descontarmos a sequência de omeletes, temos um empate a seis entre pratos de sempre e pratos do dia. Era uma terça-feira e eu avancei pela direita atacando uns bifinhos de cebolada (6,5€), o amigo do Lacerda colocou-se na faixa da esquerda e
 foi num bitoque (8,5€). Dos bifinhos direi coisas boas. Cebolada húmida, bem apurada, ligeiramente ácida, a denunciar redução de vinagre. Do bitoque, disse o amigo do Lacerda: “dos melhores que comi em muito tempo.” O amigo do Lacerda, para que conste, é um reputado especialista em bitoques. Salientou a boa carne, alta
 e previamente batida, bem selada e crua ao centro, temperada com alhos esmagados e louro. A acompanhar os dois pratos, umas belíssimas batatas fritas – ultimamente ando com sorte nelas –que, vim a perceber, servem de guarnição a três quartos da ementa.

À segunda vez, fui lá com outro amigo que, sendo também amigo do Lacerda e do amigo dele, não é dado a tascas. Mas é dado a meter conversa com quem não conhece, coisa que
por regra me deixa encabulado, mas que no caso me serviu bem. Era uma segunda-feira e as iscas que toda a gente gabava tinham sumido, mas este amigo rapidamente fez outro amigo na mesa do lado que nos ofereceu um quinhão da sua dose (6,5€). As iscas chegaram como mais me agradam, finíssimas, quase transparentes, bem fritas após horas numa vinha d’alhos cuidada. Experimentaram-se depois umas pataniscas com arroz de feijão (7,5€). As pataniscas altas e fofas convenceram este adepto das finas e estaladiças, também elas com mão certa de temperos simples, bem fritas e enxutas. Pena que o arroz de feijão, um nadinha aguado e sem grande apuro, não lhes fizesse justiça.

À terceira, cheguei com um amigo que, não sendo amigos dos restantes, é um dos grandes especialistas mundiais no prato mais alardeado
da casa: panados. Era uma quinta e tinham-me aconselhado a reservar mesa por ser dia deles. O meu amigo, que aos 12 anos já terá devorado uma vara inteira cozinhada em polme de pão, foi peremptório: são como os da avó. É o maior elogio que ele tinha para dar, com o qual concordei por inteiro e passo a traduzir: fininhos, temperados com tempo, envolvidos num polme direitinho, passados previamente pelo frio para manterem a consistência e depois rapidamente fritos (6,5€).

Por tudo isto, a quarta vez está
para breve. E sou capaz de lá ir com o Lacerda.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por José Margarido

Publicado:

Detalhes

Endereço Largo Dr. José Figueiredo, 6
Lisboa
1200-692
Preço Até 10€
Contato
Horário Seg-Sáb 12.00-16.00
É o proprietário deste estabelecimento?
Também poderá gostar
    Últimas notícias