A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Piazza Sicilia

  • Restaurantes
  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real
  • 4/5 estrelas
  • Recomendado
Piazza Sicilia
Mariana Valle LimaPiazza Sicilia
Publicidade

A Time Out diz

4/5 estrelas

O chef aparece na sala a meio do almoço. Na pequena osteria, almoçam apenas oito pessoas e isso permite-lhe algum desafogo. “Quem lhe falou de nós?”, pergunta, curioso. Na minha cabeça, surge uma piada provocatória, que guardo para mim: “José Sócrates”.

Antes de abrir na Rua da Glória, o siciliano Michele Bono servia banqueiros e governantes num hotel de cinco estrelas das Amoreiras. Um deles, o mais célebre de todos, era o antigo primeiro-ministro do PS.

José Sócrates não é um comensal qualquer. Gosta de restaurantes bons e caros, sobretudo italianos. Segundo noticiou o Jornal Económico, entre 2008 e 2014, pagou 26.800€ em almoços e jantares, em 166 ocasiões. Isto perfaz a extraordinária quantia de 161€, por refeição, em média. E qual foi o restaurante onde mais gastou, nesse período? Precisamente no Il Gattopardo, do Hotel Dom Pedro, onde Bono foi chef principal.

​​Mas não foi José Sócrates quem me sugeriu o Piazza Sicilia. Seria bizarro e divertido, mas a probabilidade de isso acontecer é mais baixa do que Marques Mendes.

De resto, os tempos são outros. O ex-primeiro-ministro não tem sido visto na Baixa de Lisboa. E Michele Bono parece não ter mais a ambição de servir os donos do país. “Aqui, faço o que quero. O restaurante é meu. Trabalho mais, mas faço o que quero”, diz-me, a cara cavada e grave, como um actor dramático.

Falamos mais do que é meu costume. A disponibilidade de Bono poderá ter a ver com isto: não é todos os dias que alguém, sozinho, pede o menu de almoço, mais uma pasta, mais duas sobremesas. O menu de almoço (18€) inclui: uma entrada, salada de alcachofra e parmesão (saborosa, a alcachofra oxidada); um principal, corvina com espargos (simples e frugal, mas tudo bem feito); uma sobremesa, uma água e um café.

Dito assim, parece muito. Mas estamos a falar de doses pequenas, sem hidratos de carbono - dieta que será suficiente para Bono, um homem seco como um pescador, mas que poderá ser curta para o português médio.

Em boa hora, aliás, decido acrescentar pratos ao menu. Estão belíssimos os gnocchi com pesto genovês, tudo feito na casa. E mais ainda o primeiro doce, o cannoli, em forma de canudo recheado, típico da Sicília. “O segredo está na massa”, comenta Bono, enquanto dou a primeira trinca, em deleite, e tento adivinhar a gordura da bolacha (banha de porco?). No interior, em vez da tradicional ricota, usa-se requeijão.

Conversa vai, conversa vem, e Bono alerta-me para a presença de tiramisù na carta. “Ah, é das minhas sobremesas favoritas”, confesso. “Então, tem de o provar. É o melhor da cidade.” Fico sempre comovido quando um chef elogia a sua própria comida.

Não sei se era o melhor tiramisù da cidade, simplesmente porque o prefiro rústico, à fatia, e este veio redondo, como uma panacota, sem espaço suficiente para dose extra de mascarpone. Mas estava tudo certo e gostoso: o licoroso, o cacau, o café, a bolacha ensopada.

Nota ainda positiva para o espaço. Respira-se como numa osteria recôndita e bem-posta, toalha de pano e louça bonita, as paredes brancas e com azulejaria, a decoração limpa e luminosa. Quanto ao serviço, muito despachado, por vezes excessivamente. Carta de vinhos sem grande originalidade, mas com alguns vinhos italianos.

Falha mais grave. O couvert veio com pães industriais e uma focaccia seca, porventura do dia anterior, que nem o azeite caseiro transmontano salvou.

Em síntese. Fiquei com vontade de voltar a este Piazza Sicilia, até porque a carta tem outros motivos de interesse. Eis um restaurante italiano com oferta para além das banalidades do costume, por quem sabe da poda. Esperemos que os preços não subam acima da vocação inicial do sítio. E que o ambiente continue descontraído e educado.

Sem José Sócrates, portanto.

*Os críticos da Time Out visitam os restaurantes de forma anónima e pagam pelas refeições.

 
Alfredo Lacerda
Escrito por
Alfredo Lacerda

Detalhes

Endereço
Rua da Glória, 39A
Lisboa
1250-115
Preço
25€-35€
Horário
Ter-Dom 12.30-15.00 / 19.00-22.30
Publicidade
Também poderá gostar