The Paleo Kitchen

Restaurantes São Sebastião
0 Gostar
Guardar
the paleo kitchen
1/6
the paleo kitchen
2/6
the paleo kitchen
3/6
the paleo kitchen
4/6
the paleo kitchen
5/6
6/6

Na teoria o paleo remete para a comida no tempo dos homens das cavernas, assente apenas naquilo que eles podiam caçar e colher. No Paleo Kitchen, em Picoas, seguem a teoria, mas ajustam-na aos tempos modernos: não há glúten, não há lactose, não há açúcares refinados, não há conservantes, os alimentos são biológicos e o peixe vem de pesca sustentável. O conceito está na moda – trata-se, na mesma, de uma alimentação mais saudável – e prova disso é o restaurante
a rebentar pelas costuras ao almoço, e não apenas composto por carinhas larocas com veia de influencers, mas com gente de todas as idades.

Na teoria está tudo certo,
 na prática este paleo deixaria qualquer homem das cavernas enfurecido. Permitam-me que o avalie em dois momentos.

Almoço - 1 Estrelas: A refeição começou mal: 13.30 da tarde e já não havia 1⁄3 dos pratos
da ementa. A escolha estava confinada aos wraps, às saladas, a uns zoodles de bolonhesa (noodles de vegetais) e, dos “pratos de autor”, que são uma bandeira deste restaurante, apenas a dois dos cinco da ementa. Fiz o pedido, esperei 25 minutos por um qualquer legume, fruto seco ou colher de sopa que me matasse a fome e em resposta apenas um “desculpe, mas os zoodles acabaram, vai ter de escolher outra coisa”. Novo pedido, um reforço do pedido da sopa e de dois sumos (“estão a ser preparados”). Cerca de 50 minutos depois veio a sopa, um creme de caju e curcuma bom, com algum sabor a coco. Uma hora depois (uma hora!), chegam os substitutos dos zoodles e chegou um novo problema “o salmão selvagem acabou, vai ter de pedir outra coisa”. A hipótese de escolha era, neste momento, para lá de reduzida. E sumos, nem vê-los. Cinco minutos chegava o atrapalhadíssimo empregado com os sumos e o (segundo) novo pedido. E o relógio marcava as 14.35.

A salada de vegetais, uma mistura de couves raladas, cogumelos Paris, espinafres, cominhos, hortelã, sementes de abóbora e vinagrete (6,90€) era um conjunto pouco interessante e sensaborão, regado a um molho ácido que a tornou apenas metade comestível; o wrap de frango, com a proteína cozinhada a baixa temperatura, bacon, couves, espinafres, tomate cherry, pesto e amêndoas (5,90€), enrolado numa base de ovo e ervas, estava gelado, o frango sensaborão, apenas a sobressair o sabor das couves; o wrap de salmão selvagem fumado (6,50€) vinha com excesso de sal, a proteína mal arranjada e difícil de cortar, da prometida mousse de abacate um leve sabor, do chili, coentros
e cajus, idem.

De sobremesa um brownie de chocolate e gengibre sem grande história e uma tarte de limão merengada com bom recheio de limão, uma merengada leve, mas uma base com excesso de forno e sabor a queimado que não permitiu apreciar o conjunto - as duas sobremesas foram oferecidas, note-se. O melhor de tudo? Os sumos de frutas, verduras, ervas aromáticas e superalimentos , que vieram tarde, mas estavam exímios.

Jantar - 3 Estrelas: Ao jantar a ementa encontrava-se menos desfalcada. Havia tudo, menos um dos pratos de autor. Ufa. Já o restaurante, frio de ambiente, estava mais vazio. De entradas provaram-se umas fatias de “pão” caseiro, feito de sementes e frutos secos, estilo tostas, com hummus de beterraba (3,90€), que estavam boas, e uma sopa thai de frango (5,90€), com frango desfiado, espinafres, cogumelos, um caldo aromatizado, picante qb, e noodles de curgete. Engraçada, não memorável. Comi, finalmente, os zoodles de bolonhesa (8,90€), uma dose XL com fios de abóbora e curgete, uma mistura bem feita, mas algo adocicada por causa da abóbora, o que torna o prato enjoativo. Bom o hambúrguer de novilho, com rosti de batata doce, cebola caramelizada, cogumelo portobello e tomate assado, com um óptimo ovo estrelado no topo. A acompanhar uma salada verde, de novo com tempero muito ácido (13,90€). Melhor de tudo? O sumo de frutos vermelhos, hortelã e maçã.

Contas feitas, apesar de uma experiência mais simpática ao jantar, falta ao The Paleo Kitchen equilíbrio de sabores e sobretudo, organização.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Marta Brown

Publicado:

Nome do local The Paleo Kitchen
Contato
Endereço Rua Latino Coelho, 31
Lisboa
1050-010
Horário Seg-Qui 09.00.23.00, Sex-Sáb 09.00-00.00
Transporte Metro Picoas BUS 727, 738, 744, 783, 736
Preço 15-20€
É o proprietário deste estabelecimento?

You may be interested in:

LiveReviews|0
1 person listening