Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Za'atar

Za'atar

Restaurantes, Libanês
4 /5 estrelas
1 /5 estrelas
(1comentário)
Za'atar
1/2
©Grupo José Avillez
Za'atar
2/2
©Grupo José AvillezA mesa libanesa do Za'atar, de Joe Barza e José Avillez

A Time Out diz

4 /5 estrelas

Quem lê estas críticas sabe que já aqui citei o pó de za’atar, que dá nome a este restaurante. Do que eu nunca falei foi do sumagre – e devia. O sumagre domina o za’atar, mistura de especiarias onde também entram sésamo torrado e tomilho, mas fica sempre na sombra. Uma injustiça.

Aconteceu prová-lo agora,
 a solo. As bolachinhas finas da salada fattouch (com alface romana, agrião, pepino e pimento) estavam salpicadas deste pó avermelhado e foram uma revelação. Explodiram primeiro na língua e depois nas glândulas salivares cá atrás, com a sua acidez exótica e terrosa, como se o limão tivesse casado com a amora.

Isto foi no arranque da refeição, um jantar a dois onde se optou pelo menu de degustação (70€, para duas pessoas). O título – À Descoberta do Líbano com Joe Barza – pode ser enigmático para quem desconhece o contexto do restaurante. Quem é Joe Barza? Então isto não é do Avillez?

Segundo o noticiário, Joe Barza foi o consultor que José Avillez chamou para mais este projecto do seu imparável grupo, uma figura com imagem de marca (sempre de chapéu de aba) e uma história cinematográfica. Antes de ser cozinheiro, Barza
foi guarda-costas do presidente libanês Bashir Gemayel, assassinado em 1982 num atentado à bomba, em plena guerra civil no Líbano. O incidente fê-lo mudar de vida e ele é hoje apresentado no seu país como um chef-celebridade, anfitrião na TV e consultor profissional. E tem direito a menu.

Uma empregada adiantou ainda que Joe Barza vai ao Za’atar de três em três meses, “ver como andam as coisas”; e que José Avillez passa por lá “para aí de
15 em 15 dias”. Não é uma chefia apertada, mas aparentemente isso não tem tido implicações na qualidade. A refeição no Za’atar foi a melhor entre a meia dúzia de restaurantes do Médio Oriente onde já comi, em Lisboa.

O jantar abriu com vários mezze, nome dado às entradinhas. O hummus sem invenções, pasta de grão e tahini espevitada por bom azeite, limão. Veio logo também a salada fattouch; à parte, azeitona galega; excelentes picles de pimentos picantes, beterraba e pepino; e pasta de queijo para barrar no pão árabe. Pena o pão, espalmado, servido num cesto, ser fraquinho: borrachoso, seco, pareceu-me reaquecido e industrial. Uma pena, o pior da noite.

Não ofuscou, todavia, o resto. Extraordinário o tajin arnabit: couve-flor “assada” cortadinha em pedaços, marinada em curcuma e limão, servida com nozes. Mesmo parecendo que a couve-flor estava mais cozida do que assada o prato é excelente, exemplo de como os frutos secos ligam tão bem com legumes.

Outro grande momento foi o falafel. O falafel é um pastel frito, feito de pasta de grão (e às vezes de fava, não sendo este o caso) com salsa e especiarias – ícone maior da comida de rua do Médio Oriente. Já experimentei vários, em Portugal e no estrangeiro,
e estes foram dos melhores, estaladiços e secos de óleo, bem assessorados por um creme de tahini e limão.

Fantástica também a basterma – grafada em alguma literatura como pastirma: carne de vaca cortada em fatias finas, como no carpaccio, curada em especiarias. Alternou-se a carne com óptimas batatas harra, primeiro cozidas
 e depois cortadas em cubos
e salteadas em alho, paprika
e coentros, estes últimos anunciados mas escondidos ou mesmo inexistentes.

O prato menos consensual da noite foi, para mim, um dos mais interessantes. Servido numa espécie de púcaro de latão, o frikeh bil lahmeh eram cuscos de trigo verde, com perna de borrego desfiado, e no topo uma surpresa: moleja, a glândula do timo do borrego, de consistência tenra, bem caramelizada em azeite, na frigideira. Curioso
 que nem a descrição do prato, nem a explicação da empregada tenham feito referência à moleja. Acaso? Receio de afastar os mais impressionáveis?

O kebab de porco surgiu
 no fim, quando já não havia estômago, mas eram cubos entremeados de carne e gordura (cachaço?), tenros e saborosos. Soube bem que a sopa de lentilhas tenha surgido só nesta fase, a funcionar como um limpa palato confortante, das melhores sopas que comi este ano, o caldo cremoso sem ser lácteo, por cima lascas de frutos secos tostados.

No fim, a sobremesa, o osmalieth. O prato renova a tendência de fazer gelados
 de queijo. Conseguimos logo identificar o feta na base, muito equilibrado de sal e doce. Por cima, levou fios de kadaif (como os da baklava) e pistáchio triturado. A ligar tudo, serviu-se um fio de calda cítrica e aromática.

Este Za’atar é das melhores coisas – entre as muitas – que José Avillez nos deu ultimamente.
 Não apenas pela comida, como também pelo serviço, um nível acima do que tem sido hábito na restauração lisboeta, incluindo a de José Avillez. A empregada que nos serviu era, aparentemente, 
a responsável de sala e esteve sempre bem: célere, conhecedora, educada. Quanto a quem estava na cozinha, outra empregada menos preparada, entendeu que não devia dar grandes explicações sobre o assunto, insistindo em citar Barza e Avillez como as referências que interessavam.

Mesmo depois de insistir, limitou-se a responder um curto “Fábio”, justificando que o apelido “não ia dizer nada, porque não
 é uma figura conhecida”, como
 se apenas as figuras conhecidas tivessem direito a apelido e reconhecimento.

Em síntese. Contra as minhas expectativas, este modelo de restaurante de Avillez, com consultor estrangeiro e a sua supervisão, parece estar a resultar. Depois de ter aberto um bom peruano (Cantina Peruana, logo ao lado, partilham aliás a cozinha) e um óptimo mexicano (Barra Cascabel), o chef português (com a ajuda do “Fábio”) dá-nos agora um grande libanês. Este Za’atar não é um restaurante com personalidade, com alma, mas é um sítio cosmopolita como os da cosmopolita Beirute, com uma cozinha séria, de produto, exuberante, leve e fresca. Um sítio onde a música contemporânea (sem ser demasiado alta) coexiste com apontamentos de latão dourado, chão de mosaico hidráulico e paredes de betão. Um sítio onde impera o Islão sem hijab, mas com o mistério encantador dos aromas e dos sabores do Médio Oriente – o sumagre à cabeça.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Alfredo Lacerda

Publicado:

Detalhes

Endereço Rua de São Paulo, 24
(Cais do Sodré)
Lisboa
1200-428
Preço Até 40€ (Menu de degustação 70€ para duas pessoas com vinho)
Contato
Horário Seg-Dom 12.30-15.00/19.00-00.00.
É o proprietário deste estabelecimento?

A vossa opinião (1)

1 /5 estrelas

Average User Rating

1 / 5

Rating Breakdown

  • 5 star:0
  • 4 star:0
  • 3 star:0
  • 2 star:0
  • 1 star:1
LiveReviews|1
1 person listening

Um lugar que prima pelo medíocre.  Por onde começar?  Sou um grande admirador da cozinha libanesa, resultado de ter crescido no Brasil, onde se come comida deste gênero em larga escala e onde o gênero é muito mais desenvolvido do que por aqui.  O Zaatar é resultado de uma proposta confusa muito mal executada pelo ilustre desconhecido Joe Barza, e pelo midiático Avillez.


A comida é cara e mal servida.  As porções são pequenas ao ponto de chatear o cliente em função do (alto) preço pedido por elas.  Essa é a primeira bola fora - o Zaatar vende "a generosidade libanesa" e apresenta ao cliente porções raquíticas, dignas do ridículo.  Uma kafta que nem como entrada serve por 8 EUR?  Oi?

O menu é limitado e mal concebido.  Uma proposta de um restaurante libanês baseada unicamente nos "mezze" não alimenta a "generosidade libanesa", de novo, exposta por todos os lugares da casa.  Kafta mal temperada, kebabs de porco francamente ruins, taboulleh extremamente azeda e salgada (parece impossível, mas conseguiram estragar algo fácil de fazer).  A lista continua.

O serviço de atendimento é abismal.  Staff totalmente despreparado.  A "chefe" ou gerente é especialmente mal preparada, e não tem o menor controle sobre o ambiente. Tudo demora muito.  Meu filho pediu um sumo de laranja sem gelo - e após ter vindo com gelo e ser pedido para ser trocado - voltou sem gelo porém sem mais suco para compensar.  Parecia um suco "tomado".

Infelizmente Lisboa aínda precisa de um libanês à altura da cidade, pois o Zaatar claramente não preencherá essa vaga.  Me parece que devem reavaliar muitas coisas.  Não fazem a menor idéia de como encantar ao cliente.

Em tempo, não se entende qual o objetivo de anexar um restaurante peruano ao Zaatar.  Além de ser obviamente para cortar custos, a confusão da proposta só é páreo para o tamanho do ego do Sr. Avillez, que pelo o visto se vê acima do bem e do mal para abrir essa farsa que é o tal Zaatar. 

Não percam o vosso tempo.  Experiência péssima, horrível, e para nunca mais voltar.  Aprendam a trabalhar!Gosto0Comentar0EditarApagarPartilhar