Os Apontamentos de Trigorin

Teatro
Os Apontamentos de Trigorin
©Bruno Simão Os Apontamentos de Trigorin

A Time Out diz

À primeira vista esta peça é sobre novos e velhos, a ousadia dos primeiros e o conservadorismo dos outros, ou aquilo a que antigamente se chamava conflito de gerações. Mas essa é só a superfície. O que interessa realmente 
é o que está por detrás, isto é, as emoções, as ilusões, as frustrações, o vazio e as circunstâncias daquelas existências. Enfim, para simplificar ainda mais: o desejo, quando não comanda a vida.

Quando Anton Tchékov (1860-
1904) escreveu A Gaivota, chamou-lhe comédia, mas ninguém, desde o dia 
em que entregou o texto ao seu editor, no final de 1895, encontrou ali grande 
humor. Antes drama, quando não
 tragédia. Tragédia que foi a maneira
 como Tennessee Williams (1911-1983)
 a interpretou quando decidiu adaptar
 a peça trazendo-a para “mais perto”
 do público de então; um então que seria adiado por sucessivas reescritas
até finalmente estrear, em 1981, já o 
dramaturgo era uma pálida imagem do 
autor de Um Eléctrico Chamado Desejo,
 ou A Noite da Iguana. E é também 
como tragédia que João Mota lê o texto
 de Williams adaptado de Tchékov e,
 em Os Apontamentos de Trigorin, conta
 – com Bárbara Branco, Carlos Paulo, Carlos Vieira de Almeida, Custódia Gallego, Guilherme Filipe, Hugo Franco, Igor Sampaio, Luís Garcia, Madalena Brandão, Miguel Sermão e Teresa Côrte-Real no elenco – a história do jovem Constantine, aspirante a dramaturgo revolucionário; da sua mãe castradora, talvez por razões de ego inflamado, próprias da grande e famosa actriz Arakadina que é; de seu amásio e oportunista escritor, Trigorin, e da sonhadora Nina, que o primeiro ama e o segundo utiliza, para, quando a penitente regressa, Constantin rejeitar, como aliás rejeitará a vida.

A versão de João Mota para a Comuna, seguindo no essencial a de Williams (que, a bem dizer, não é de todo a mais interessante leitura de A Gaivota), procura explorar não apenas o amor, o ódio e inveja à vist de todos, mas ir além, penetrando nos mistérios da vida interior das personagens no seu caminho para a ruína existencial. Todavia, a sua abordagem surge pálida, mortiça, os sentimentos aflorados sem a profundidade e a urgência do desespero evidente das personagens; a modos que perdidas num labirinto de desejo e contradição a que a representação não corresponde, para mais pouco ajudada pelo desenho de luz de Paulo Graça ou pelo triste cenário criado por Renato Godinho.

Detalhes

Também poderá gostar
    Best selling Time Out Offers