Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Tantura: o novo restaurante vindo de Israel, com amor
Notícias / Comida

Tantura: o novo restaurante vindo de Israel, com amor

Tantura
©Arlindo Camacho

Tantura é uma pequena aldeia em Israel e o novo restaurante israelita no Bairro Alto. Elad e Itamar não se ficam pelo hummus, vão à shakshuka e à halva e fazem o seu próprio pão pita, que servem até de madrugada

Os pais de Itamar vêm da Tunísia e do Iraque, os de Elad são da Polónia e da Roménia. Os dois são israelitas e conheceram-se em Telavive, que, como este casal, é um “tacho de coisas”, diz Elad à Time Out, lembrando que o Estado é relativamente recente e que não tem uma cozinha fixada e antiga, mas junta influências do Norte de África, do Médio Oriente, do Sul da Europa. "É uma reinterpretação de todas estas culturas, uma cozinha mediterrânica baseada em ingredientes frescos, com muitas especiarias”, resume.

No Tantura, que recupera o nome da pequena vila a norte de Telavive para onde se mudaram há quatro anos, o hummus (6,25€) e a shakshuka, ovos cozinhados num molho de tomate cozinhado lentamente com cebola e pimentos (7,80€), são os pratos fortes que podem chegar à mesa de muitas maneiras – ou até juntos, na hamshuka (7,85€).

tantura, bairro alto, comida israelita

 

Hamshuka servida com o pão pita caseiro
© Arlindo Camacho

 

 

Apesar dos nomes (na maioria intraduzíveis), entrar nesta comida israelita não é difícil: caseira e de tacho, faz quase lembrar os guisados e refogados dos nossos pais e avós, com as várias camadas de sabores a especiarias que vão aparecendo na boca com o tempo. “Aqui usam as especiarias mas gostam de sentir o sabor claro: se tem canela sabe muito a canela, se tem gengibre, sabe a gengibre. Nós usamos muitas camadas e os sabores vão aparecendo in the back of your head”, explica Elad em inglês, que o português ainda está a arrancar.

Chegaram a Portugal há cerca de um ano, em lua de mel, depois de se terem casado com duas cerimónias simbólicas, uma na Índia, outra em Israel (onde o casamento gay não é legal). Foi amor à primeira vista e quiseram logo abrir o restaurante perto do Largo Camões. Depois passaram pelo Porto e apaixonaram-se novamente. Ainda houve a hipótese de a Invicta ganhar o Tantura, mas roubaram-lhes o dinheiro que tinham, o que os trouxe de volta a Lisboa, para começar do zero. Agora estão à espera do passaporte português de Itamar para se casarem também aqui.

 

Borrecas, folhados com carne ou vegetais
©Arlindo Camacho

 

 

 

Depois de Itamar trabalhar em marketing e de Elad ser decorador de interiores e cozinhar para os restaurantes de outros — “nunca podemos cozinhar o que queremos com as nossas regras”, conta — quiseram ter no Bairro Alto um sítio onde se comesse como em casa. E isso está também na decoração acolhedora, com quadros com fartura nas paredes e um prato de cada nação: uma transição suave para uma cozinha que pode ser hardcore. “Temos sempre um molhinho para os israelitas, com mais tempero e picante”, diz Elad sobre a redução de tempero para o público português. Não houve necessidade disso nas tradicionais borrecas, folhados de espinafres com feta ou de carne picada com cogumelos (5,20€) ou no ingri, uma versão iraquiana da moussaka grega, com travo agridoce, que servem ocasionalmente como prato do dia.

Ainda há muita coisa que Elad e Itamar querem experimentar, como ter uma quantidade maior de pães caseiros — neste momento fazem um de cerveja e o seu próprio pita, que vendem com recheios como falafel (5,50€) ou beringela frita e ovo (6€) até tarde, a pensar nos resistentes do bairro.

Nos doces, são enciclopédias e querem explorá-los mais para a frente — é só deixar chegar o antigo livro de receitas, agora preso na alfândega. Por agora há halva, o caramelo com tahini tradicional do Médio Oriente (4,25€), malabi, um pudim de leite com água de rosas e coco (4€), ou basbusa, um bolo de sémola de trigo, água de rosas e coco (3,50€). 

 

 

 

Halva, caramelos com tahini caseiros típicos do médio oriente
@ Arlindo Camacho

 

Depois disto tudo é inevitável perguntar pelo Martim Moniz, que, Elad e Itamar confirmam, é ouro para encontrar especiarias e legumes do Oriente em Lisboa. Mas há sempre coisas que têm de comprar noutros países da Europa ou pedir a amigos que tragam de Israel. Elad mostra um jarro cheio de bolinhas de golfe escuras quase azuladas e, quando o abre, sente-se um cheiro intenso. São limões persas secos que põem na água quando cozem galinha, por exemplo.

Depois há as misturas que precisam de segredo e mão. No Magreb qualquer banca de mercado tem o seu ras el hanout, um género de "cabeça de cartaz das especiarias da casa", uma mistura singular daquela loja, com o segredo na mão do dono. “Podem dizer mais ou menos o que tem, mas vão sempre esconder alguma coisa ou as quantidades”, explica Elad. No Tantura também há uma e usam-na para temperar carne picada. Conta com pimentos, rosas, sementes de coentros, cardamomo, sal. E mais?, perguntámos obviamente, ainda que sem muita esperança. “Muito amor”, ri-se Elad.

Rua do Trombeta, 1 (Bairro Alto). 21 809 6035. Seg-Qui 12.00-15.00/ 18.30-00.00; Sex 12.00-15.00/ 18.30-02.00; Sáb 15.00-02.00.

 

+ Outros restaurantes do mundo em Lisboa

Publicidade
Publicidade

Latest news