Global icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Tudo o que precisa de saber sobre o novo JNcQUOI
Notícias / Vida urbana

Tudo o que precisa de saber sobre o novo JNcQUOI

JNCQUOI
Fotografia: Arlindo Camacho

O JNcQUOI é inaugurado esta quinta-feira à noite na Avenida da Liberdade e é uma das aberturas mais aguardadas do ano. Mas o que é, afinal? São três andares onde há de tudo: um restaurante, um bar, uma mercearia e uma loja de moda de luxo. Pelo meio também há macarons da famosa casa francesa Ladurée. 

O investimento de quatro milhões de euros é do grupo Amorim Luxury, detentor das lojas Fashion Clinic e por este novo espaço. “Queremos oferecer uma experiência que toque em todas as partes da vida dos nossos clientes”, explica Maria Pimentel, responsável de marketing do grupo. Por isso, no mesmo edifício tem de tudo: um lugar para fazer compras, para relaxar com um copo de vinho, para petiscar ou para comer uma refeição encorpada.

Fizemos um guia com tudo o que pode encontrar nos novos números 182 a 184 da Avenida (no edifício do cineteatro Tivoli). Não se perca.

O restaurante

 

Arroz de lavagante com garoupa
Fotografia: Arlindo Camacho

 

 

Se quiser ir directo ao restaurante, é entrar pelo número 184 e subir as escadas. Quando entrar não se assuste com o velociraptor que está no meio da sala. Foi construído de propósito para a sala pelo arquitecto catalão Lázaro Rosa-Violán, que concebeu todo o edifício. O tecto alto e as janelas largas iluminam bem as mesas – é da maneira que vê bem os pratos do chef António Bóia (ex-Rio’s, de Oeiras), que reinterpreta pratos clássicos portugueses e internacionais. Comece pelo camarão morno (22€), siga para a especialidade do chef, o arroz de lavagante e garoupa (32€) e termine com a sericaia com ameixa de Elvas do chef Joaquim Sousa (ex-The Oitavos).

O Delibar

 

O bar-balcão do Delibar tem capacidade para 42 pessoas
Fotografia: Arlindo Camacho

 

 


No piso intermédio há um balcão com capacidade para 42 pessoas que tem uma carta própria, assinada também pelo chef António Bóia (há alguns pratos em comum com o restaurante do piso de cima, como as plumas de porco ou o tagliolini de trufa). As ostras do Algarve estão em destaque no balcão, em vitrines com gelo (seis custam 11€), mas pode também pedir burrata de búfala (17€) ou ceviche de garoupa (15€), saladas, tábuas de queijos e enchidos. “Se o cliente quiser ficar aqui e comer um prato que só existe em cima, há alguém que vai lá buscar. E vice-versa”, garante a responsável de marketing do grupo. Aqui também há uma grande variedade de cocktails e uma carta de vinhos que nunca mais acaba (há uma zona de vinhos climatizada, onde estão os vinhos especiais ou de colheitas raras, preparada também para receber provas num futuro próximo). À noite este espaço entra num registo mais descontraído. Está aberto das 10.00 às 00.00. Às sextas e sábados o horário estende-se até às 02.00. 

A mercearia

Fotografia: Arlindo Camacho

 

 


À volta do Delibar está a mercearia: há prateleiras carregadinhas de produtos gourmet portugueses e estrangeiros. Enchidos, compotas, confits, vinhos, azeites, alguns serviços de mesa (procure os Tom Dixon) estão entre o que pode encontrar. “A selecção dos produtos foi feita com base naquilo que nós achamos que são os produtos que melhor representam a sua categoria, independentemente de serem portugueses, franceses ou italianos”, diz Maria Pimentel.

A Ladurée

Fotografia: Arlindo Camacho

 

 

 


Na entrada do número 182, quando descer as escadas, tem logo uma surpresa boa: dá de caras com um balcão com os famosos macarons da Ladurée. Há de alcaçuz, framboesa, pistáchio, flor de laranjeira, caramelo salgado, limão... um sem fim de cores e sabores. E em breve vão estar lado-a-lado com outras delícias incríveis da casa, como o também cobiçado mil-folhas de framboesa. O chef da Ladurée veio de Paris para Lisboa esta quinta-feira, para tratar de compor a oferta. E se aqui não há espaço para sentar – é pegar, trincar ou levar – nada tema, porque em breve vai poder ter a experiência completa. Vai haver um salão de chá, com terraço e esplanada, onde poderá sentar-se e desfrutar de todas estas pequenas bombas de açúcar. A loja própria da casa parisiense será num espaço adjacente à Fashion Clinic de moda feminina, no Tivoli Fórum, que está neste momento em remodelação. Abre em Junho.

Assouline
No piso do Delibar e da mercearia, há ainda um cantinho-livraria, com os bonitos livros da editora Assouline expostos. Arte, moda, viagens, arquitectura ou design são os temas em destaque.

A loja

Fotografia: Arlindo Camacho

 

 

 


A Fashion Clinic de homem saltou do número 192 para o piso -1 do JNcQUOI. A maior novidade em termos de marcas é o expositor da casa francesa Balmain, que agora partilham cabides com a Gucci, Saint Laurent, Givenchy, Valentino ou Dolce & Gabbana. Além dos expositores das marcas, há um corner especial de peças mais clássicas, dedicado ao tailoring. Na outra ponta do piso -1, uma sala redonda, com expositores quadrados em ferro, só de calçado. Outra novidade: mais tempo para compras. Por estar integrada neste novo edifício, em vez de fechar as 19.30 como as lojas vizinhas, mantém-se aberta até as 22.00.

A pista de dança

Fotografia: Arlindo Camacho

 

 

 


Verdade seja dita, não é uma discoteca com pista de dança. É uma casa de banho. Confuso? Nós explicamos. No centro desta sala espelhada, que dá acesso às casas de banho, está uma mesa de som onde às sextas e sábados vai haver um DJ.

 

Leia mais sobre o novo restaurante JNcQUOI e o balcão da Ladurée na próxima edição da Time Out, nas bancas no dia 26.

Publicidade
Publicidade

Comentários

1 comments
Nuno Martins Machado Tastemaker

Visitei hoje o JNcQUOI. Definitivamente um dos espaços mais bonitos de Lisboa para se jantar ou beber um copo. Nota-se bem que estamos numa atmosfera de Lázaro Rosa-Violán, onde vários pormenores fazem lembrar o El Nacional Barcelona, mas a menor escala. A ver vamos se a comida do restaurante surpreende da mesma forma!