A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Campo Pequeno

  • Coisas para fazer
  • São Sebastião
Campo pequeno
©Bengt Nyman
Publicidade

A Time Out diz

É um dos espaços mais polémicos de Lisboa. Mas adeptos de touradas ou não, todos podem concordar que o edifício do Campo Pequeno é um dos mais sui generis da cidade. A primeira praça construída neste local era de madeira, mas em 1892 abrem as portas da nova arena projectada pelo arquitecto José Dias da Silva que optou por uma estrutura de estilo neo-árabe revestida por tijolo ao natural. Entre 2000 e 2006 sofreu obras de remodelação e hoje é um espaço multiusos. As touradas continuam, mas para quem não quer entrar nessa lide também há concertos e outros eventos culturais.

Detalhes

Endereço
Campo Pequeno
Lisboa
1000-082
Transporte
Metro Campo Pequeno

Novidades

Cats

  • Musicais

Estreado em 1981 no New London Theatre, onde esteve em cena 21 anos consecutivos, o musical Cats é uma das obras mais famosas de Andrew Lloyd Webber, compositor e produtor britânico, também autor de musicais como Jesus Cristo Superstar, Evita ou O Fantasma da Ópera (este adaptado do romance homónimo de Gaston Leroux). E regressa no próximo ano com espectáculos no Campo Pequeno, Lisboa, entre 14 e 19 de Fevereiro, e no portuense Super Bock Arena - Pavilhão Rosa Mota, entre 22 e 26 do mesmo mês. Uma adaptação d’O Livro dos Gatos Práticos do Velho Gamba (1939), de T.S. Eliot e conta a história de um grupo de gatos (muito afinados) que é confrontado com o regresso de Grizabella, uma gata que abandonou a família para conhecer o mundo, mas que decidiu voltar a casa à boleia da saudade. 

Pixies

Black Francis, David Lovering, Joey Santiago e Kim Deal precisaram de apenas cinco anos (de 87 a 91) e outros tantos discos para deixar uma marca indelével no indie rock americano. Pouco depois, separaram-se. A história parecia ter terminado assim, mas regressaram em 2004. Nesse ano, vimo-los no festival Super Bock Super Rock, no Parque Tejo. Foi glorioso. Desde então nunca mais nos deixaram, apesar de Kim Deal já se ter ido embora. E as visitas a Portugal têm sido regulares, mas cada vez menos especiais – banais, mesmo. A próxima serve para apresentar o medíocre álbum deste ano, Doggerel. Valham-nos os velhos êxitos.

Yes

  • Rock e indie

O cartaz é explícito: “playing the Relayer album in its entirety, plus a selections of classic cuts”. Ora, “in it’s entirety”, o disco de 1974 estica-se por uma hora e dez minutos (só a canção de abertura, “The Gates of Delirium", ocupa 22 minutos) e estamos, portanto, na perspectiva de uma noite de rock progressivo daquelas valentes, previsivelmente pontuada depois por uma mão cheia de “classic cuts” semeados ao longo de 54 anos, pelas várias vidas dos Yes, incluindo coisas mais em formato canção, como “Owner of the Lonely Hearts” (enfim, toda a gente tem uma história mais ou menos pirosa nos anos 80). Da formação que gravou Relayer, apenas se mantêm o guitarrista Steve Howe (que chegará ao Coliseu com uns respeitáveis 75 anos) e o baterista Alan White (que uns poucos dias depois fará 73). O concerto foi inicialmente marcado para 24 de Abril de 2020, remarcado para 11 de Abril deste ano e ainda chutado para Maio de 2022. Agora, diz-se, é a 7 de Maio de 2023.

Chico Buarque

  • Brasileira

O histórico e justamente celebrado cantor, compositor e escritor (de canções, mas não só) brasileiro vem a Portugal perguntar: “Que tal um samba?”. A resposta do público, que esgotou os bilhetes mal foram postos à venda, foi um unânime “vamos a isso”. Mônica Salmaso é a sua convidada especial.

Publicidade
Também poderá gostar