O melhor que jogámos em Setembro

De 'Life is Strange: Before the Storm' a 'Mario + Rabbids: Kingdom Battle', eis os melhores videojogos que testámos

Jogos, jogos, jogos. De todos os que passaram pela redacção e máquinas da Time Out, em Setembro, estes foram os melhores. Desde aventuras narrativas como Life is Strange: Before the Storm (PC, PS4 e Xbox One) a jogos de luta como Pókken Tournament DX (Nintendo Switch), passando pela estratégia de Mario + Rabbids: Kingdom Battle (Nintendo Switch).

O melhor que jogámos em Setembro

Life Is Strange: Before the Storm

Life Is Strange: Before The Storm é a prequela de Life is Strange (2015), um dos melhores jogos dos últimos anos, que pegou no modelo das aventuras gráficas episódicas da Telltale Games e o melhorou a todos os níveis.

A história começa dois ou três anos antes do início do título de 2015 e desenvolve/acompanha a relação de Chloe, a personagem secundária de Life Is Strange, agora promovida a protagonista, com Rachel, cujo desaparecimento pairava sobre o jogo anterior. A escrita continua impecável e não é normal ver adolescentes tão bem retratados em qualquer meio narrativo, contudo perdeu-se algo em relação ao original.

Ao contrário de Max, a anterior protagonista, Chloe não consegue controlar o tempo, e consequentemente o ritmo da acção, o que torna a experiência menos singular. Para colmatar esta falha, foi introduzida uma mecânica de discussão e debate, mas não é tão interessante, nem mexe com a estrutura do jogo da mesma forma. 

Ler mais
Por Luís Filipe Rodrigues

Mario + Rabbids: Kingdom Battle

Num meio que privilegia cada vez mais a componente narrativa, a Nintendo é uma excepção. O mais importante são as mecânicas e sistemas de jogo, e é em parte por isso que os seus lançamentos alcançam diferentes públicos e gerações. É o caso de Mario + Rabbids: Kingdom Battle, que apesar de ter sido produzido pela Ubisoft, evoca o espírito dos clássicos da Nintendo.

À semelhança de alguns dos melhores títulos da Nintendo, pega numa fórmula de sucesso e melhora-a, cortando a palha e deixando apenas o essencial. A fórmula seguida, neste caso, é a estratégia por turnos da série XCOM, a sua principal referência, que aqui é descomplicada, sem ser banalizada. Um jogo denso, que nunca pára de introduzir novas mecânicas e sistemas que é preciso dominar. Além disso, aporta algo de novo ao género, promovendo e recompensando um tipo de jogo rápido e eficiente.

 

Ler mais
Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Pókken Tournament DX

Primeiro estranha-se. Pókken Tournament é um jogo de porrada com pokémons. Leram bem. Mais concretamente, e como o nome sugere, é um híbrido de Tekken e Pokémon, produzido por Katsuhiro Harada e Masaaki Hoshino, dois dos principais responsáveis pelos jogos de luta da Namco Bandai, com a bênção da Pokémon Company. Aterrou nas arcadas japonesas em 2015 e foi lançado para a Wii U em 2016. Agora chega à Nintendo Switch numa versão DX, com monstros adicionais e ligeiras e previsíveis melhorias técnicas.

Depois entranha-se. Porque de facto é um bom jogo de porrada. Mecanicamente é mais simples do que a maior parte dos lançamentos do género: não é necessária grande perícia para executar movimentos poderosos, nem de passar horas a treinar. Mas tem uma componente estratégica acentuada, pois além das habituais barras que é preciso preencher e gerir nos jogos de luta contemporâneos, há dois modos de combate diferentes, onde ora são privilegiados ataques de longa distância ou uma agressão mais directa. 

Ler mais
Por Luís Filipe Rodrigues

Comentários

0 comments