Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os projectos que ficaram de fora para o novo jardim da Gulbenkian

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

1/18
DRA proposta do atelier SAMI
2/18
DRA proposta de Tatiana Bilbao
3/18
DRA proposta para o Centro de Arte Moderna de Tatiana Bilbao
4/18
DrA proposta de Carla Juaçaba para o exterior
5/18
DRA proposta de Carla Juaçaba
6/18
DRA proposta do atelier Christ & Gantenbein
7/18
DRA proposta do atelier Christ & Gantenbein
8/18
DRA proposta de Inês Lobo
9/18
DRA proposta de Inês Lobo
10/18
DRA proposta de John Pawnson
11/18
DRA proposta de John Pawnson
12/18
DRA proposta de Pedro Domingos
13/18
DRA proposta de Pedro Domingos
14/18
DRA proposta do atelier Menos é Mais
15/18
DRA proposta do atelier Menos é Mais
16/18
DRA proposta de Aires Mateus
17/18
DRA proposta de Aires Mateus
18/18
DRA proposta vencedora de Kengo Kuma

Os projectos que ficaram de fora para o novo jardim da Gulbenkian

Exposição no Edifício Sede mostra as propostas alternativas para o jardim da Gulbenkian, através de desenhos, imagens e vídeos.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

As 12 propostas arquitectónicas que estiveram a concurso para o projecto de alargamento do Jardim Gulbenkian estão em exposição, na galeria do piso inferior do Edifício Sede, até ao final de Março. A mostra, Novo Jardim Gulbenkian, organizada em 12 pontos, mostra as ideias apresentadas pelos ateliers que participaram no concurso. Abre ao público esta sexta-feira.

Além da proposta vencedora, do arquitecto japonês Kengo Kuma, estarão patentes os projectos de Aires Mateus, Barbas Lopes, Carla Juaçaba, Christ & Gantenbein, Inês Lobo, John Pawson, Junya Ishigami, Menos é Mais, Pedro domingos, SAMI e Tatiana Bilbao. Será ainda explicada toda a história do jardim e quais as razões que motivaram o lançamento do concurso de ideias para o seu alargamento.

Kengo Kuma irá projectar a ampliação do jardim da fundação e a nova entrada de acesso ao antigo Centro de Arte Moderna. O arquitecto nipónico é responsável, juntamente com o gabinete português OODA, pelo projecto de requalificação do Matadouro Municipal do Porto e pelo Estádio Nacional de Tóquio, que receberá a cerimónia inaugural dos Jogos Olímpicos deste ano.

O jardim da Gulbenkian será ampliado entre a Praça de Espanha e o Largo de São Sebastião da Pedreira. Além dos jardins, o projecto apresentado pelo arquitecto prevê ainda a construção de duas palas de cerâmica e madeira e a criação de um novo acesso ao edifício da Colecção Moderna, que terá um aumento de 700 metros quadrados na sua área expositiva. Serão também criadas entradas para o jardim a sul e a poente, bem como ligações pedestre aos edifícios da sede e do museu. O projecto orçado em dez milhões de euros deverá estar concluído em 2021.

As obras que vão mudar a cidade

Exeo Office Campus: Edifício Lumnia
Risco

Lisboa do futuro: os 50 projectos que vão mudar a cidade

Coisas para fazer

Como será Lisboa dentro de uma década? Partimos desta pergunta para reunir os projectos que vão marcar a paisagem da cidade e até a forma como os alfacinhas a vivem. Das intervenções no espaço público e na mobilidade aos investimentos privados que estão a reinventar edifícios históricos e a tornar a cidade mais alta, são 50 as obras que vão levantar muito pó até que tudo fique pronto – e seja tempo de avançar para outras. 

Palácio Nacional da Ajuda
oão Carlos dos Santos/DGPC

Lisboa estava há mais de 200 anos à espera de acabar esta obra

Coisas para fazer

O eixo Alcântara-Belém não comporta projectos de pequena dimensão. Ou pelo menos assim parece: depois da recente construção do Museu dos Coches e do MAAT, dois equipamentos culturais que mereceram pompa, circunstância e fotografias sem fim no Instagram, estão em execução quatro obras mastodônticas que vão mudar definitivamente a frente ribeirinha do lado ocidental da cidade. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade