A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
  1. Chefs on Fire
    Luis Niza
  2. Chefs on Fire
    ©Luis Niza

Ninguém entra no Chefs on Fire sem fazer teste (mesmo se for vacinado)

Chefs e músicos vão reunir-se, este sábado e domingo, à volta de uma fogueira de 90 metros na Feira de Artesanato do Estoril. Evento decorrerá numa "bolha" anti-covid.

Escrito por
Cláudia Lima Carvalho
Publicidade

Dois anos depois, o Chefs on Fire, o festival gastronómico dedicado à cozinha de fogo,  acontece finalmente este fim-de-semana. À terceira edição, a festa à volta da fogueira faz-se durante dois dias numa bolha anti-covid, onde só entra quem tem um teste negativo, mesmo que esteja vacinado. São 14 chefs e não vai faltar boa música portuguesa a acompanhar a comida com Dino D’Santiago e Clã a encabeçarem o cartaz.

“Eu costumo dizer que o Chefs on Fire já era covid friendly ainda antes da covid”, brinca Gonçalo Castel-Branco, responsável pela organização, destacando as condições do festival que acontece sempre ao ar livre na Feira Internacional de Artesanato do Estoril (FIARTIL). Desde o início que o objectivo é garantir uma experiência segura e tranquila, sem grandes ajuntamentos e confusões. “Não podia encaixar melhor nos dias de hoje”, diz Gonçalo.

Apesar de ter passado este ano a contar com dois dias, o Chefs on Fire não quer ser um festival de música, mas também não é apenas um festival gastronómico. É um momento de celebração – este ano mais do que nunca – com boa comida, feita por alguns dos chefs mais conceituados do país, e boa música. 

“Não passámos a ter dois dias para compensar a ausência do ano passado, isto já era uma ideia que tínhamos. É o crescimento natural e a verdade é que só podíamos crescer de duas maneiras, em tamanho ou em dias. E preferimos os dias”, explica o responsável. 

Para quem já foi ao Chefs on Fire, não notará grandes diferenças, garante Gonçalo. As mesas continuam a ser comunitárias, com as devidas distâncias marcadas e a desinfecção a acontecer sempre que alguém se levanta. “As regras são as mesmas de uma esplanada, está tudo a ser cumprido com todo o cuidado. Queremos ter um evento 100% seguro.” E é por isso que o certificado de vacinação não chega, é preciso sempre um teste negativo nas últimas 48 horas – e quem não o tiver poderá fazê-lo na zona de testagem no recinto. “Queremos cumprir as regras, dando conforto. É um evento bolha onde toda a gente é testada”, afirma. 

E não foi só na operacionalização que a covid esteve sempre presente, foi preocupação também na hora da escolha dos nomes que iriam partipar. Num ano e meio tão duro para os sectores da restauração e da cultura, Gonçalo Castel-Branco escolheu apenas nomes nacionais. “Olhar para o talento nacional é uma forma também de apoiar os dois sectores.” E não tem dúvidas de que “em Portugal talvez fosse mais fácil estar quieto porque fazer eventos hoje em dia é uma actividade louca”. “Mas queremos mostrar que é possível fazer coisas, os chefs e os músicos, que nunca baixaram os braços neste tempo todo, mereciam esse respeito.”

Os bilhetes para o Chefs on Fire ainda estão à venda, mas Gonçalo alerta que estão a desaparecer a um ritmo maior que nos anos anteriores. O bilhete diário tem o preço de 95€ e o passe de dois dias custa 170€. Cada bilhete, que é trocado à entrada por uma pulseira digital, promovendo um evento onde não se mexe em dinheiro, inclui dez doses de comida, cinco bebidas e cinco concertos. As crianças até aos seis anos não pagam (dos 6 aos 12, o bilhete tem o custo de 25€ e inclui cinco doses de comida, três bebidas e cinco concertos).

Gonçalo Castel-Branco é também responsável pelo The Presidential, um comboio que cruza o Douro e no qual são servidas refeições de chefs conceituados, e que no confinamento lançou o The Residential, um projecto em que cozinheiros escolhem criteriosamente produtos nacionais para um cabaz de luxo, e o entregam em casa, e ensinam a cozinhá-los em directo, através de uma videochamada.

O menu do fim-de-semana

Sábado
©DR

Sábado

No primeiro dia, a música está a cargo de Miramar (14.00), seguido de The Legendary Tigerman (16.00), Noiserv (18.00), Benjamin (20.00) e Dino D’Santiago (22.00) a fechar a noite. De volta do fire pit estarão Diogo Noronha (Foodriders), Gil Fernandes (Fortaleza do Guincho), Hugo Candeias (Ofício), Marlene Vieira (Zunzum), Miguel Laffan (Hotel Torre de Palma), Rodrigo Castelo (Taberna Ó Balcão) e Telmo Moutinho (Padaria da Esquina).

Eis o que cada chef vai cozinhar:

Diogo Noronha
Tacos Arabe de Pollo, salsa verde de aguacate, salsa taquera, hinojo, rábano y cilantro 
Berinjela na brasa, creme de caju fermentado, cebolinho e cracker de cacau e sementes de cânhamo 

Gil Fernandes
Mão de vaca do mar (barrigas de peixe) 
Beringela, ameixa, trigo sarraceno 

Hugo Candeias 
Barriga de porco estilo mexicano (cochinita pibil)
Sandes de cogumelos na brasa 

Marlene Vieira 
Polvo na brasa, chouriço, batata-doce e vegetais 
Tiborna com legumes assados, requeijão de ovelha e ervas 

Miguel Laffan 
Taco de sardinha, limão e curcuma 
Taco de queijo fresco, limão e curcuma

Rodrigo Castelo
Minhota grelhada 
Bimis e alho francês 

Telmo Moutinho
Pêssego grelhado, limão e açafrão 
Brócolos e maracujá tostado

Domingo
Manuel Manso

Domingo

Domingo

No último dia, cabe aos Clã (22.00) encerrar a festa. Antes há concertos de Rita Redshoes (14.00), Samuel Úria (16.00), Manel Cruz (18.00) e Cais do Sodré Funk Connection (20.00), enquanto os chefs Alexandre Silva (Loco, Fogo), António Galapito (Prado), Carlos Afonso (O Frade), Diogo Lopes (Cura), Luís Gaspar (Sala de Corte), Michele Marques (Gadanha) e Vítor Adão (Plano) brincam com o fogo.

Eis o que cada chef vai cozinhar:

Alexandre Silva
Cabrito estonado, couve e coentros
Taco de beterraba, algas e malagueta

António Galapito
Leitões
Pleurotos, massa de pimentão e trigo sarraceno 

Carlos Afonso
Hot dog de Atum, chicharron e maionese de alho negro 
Gaspacho de legumes grelhados 

Vítor Adão 
Truta de Boticas, batata kenebec e hortelã da ribeira 
Brócolos fumados, batata-doce de Aljezur creme de lima, molho de gengibre e Togarashi 

Luís Gaspar
Minhota Maturada, puré de aipo assado e jus de cogumelos 
Couve-flor na brasa, romesco de tomate e avelã com óleo de salsa

Michele Marques 
Pernas de Borrego de churrasco Gaúcho 
Sopa fria de vegetais e granita de ervas 

Diogo Lopes 
Confit beterraba e lima, figos pingo de mel grelhados, creme e óleo de folha de figueira
Bolo de milho, milho assado com noisette, namelaka, crocante de milho e paprika fumada

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade