Coelhos Sangrentos, ou Terror na Páscoa

Os coelhos são animais adoráveis, tão fofos, tão simpáticos escondendo ovos coloridos para as crianças encontrarem na Páscoa. Pois. Venham vê-los à solta e maldispostos
Por Rui Monteiro |
Publicidade

Aviso: todos estes filmes são tão incrivelmente maus, como bizarramente divertidos. A surpresa é existirem tantos cineastas que escolheram coelhos, ou alguém vestido de coelho para vilão. Sete exemplos para ver na Páscoa.

Coelhos Sangrentos, ou Terror na Páscoa

Camera

Night of the Lepus (1972)

A mania do controlo é má conselheira. E foi o que foi para este rancheiro do Arizona que contratou um especialista universitário para controlar a praga de coelhos que lhe devastava as colheitas. No filme de William F. Claxton, com Stuart Whitman, Janet Leigh (pois, essa) e Rory Calhoun, o tal doutor começa a injectar hormonas e a manipular geneticamente os animais e, pronto, a coisa dá para o torto, os bichos ficam gigantes, e é um banho de sangue.

Camera

Peter Rottentail (2004)

Os realizadores John Polonia e Mark Polonia procuraram a razão para a violência descabelada e gratuita que injectaram no seu filme em motivo mais psicológico. Como tal, a sua história (co-escrita com John Oak Dalton e interpretada por Brice Kennedy, Dave Fife e John Polonia) anda à volta de um mágico em sarilhos que ainda fica pior depois de tentar usar magia negra e a coisa acabar em tragédia. Recuperado, melhor, regressado das trevas, dá-lhe – sei lá? – uma travadinha e decide vingar-se de toda a gente. É outro banho de sangue.

Publicidade
Camera

Easter Bunny! Kill! Kill! (2006)

Chad Ferrin escreveu e realizou um dos mais famosos dos filmes maus, e decerto o queridinho de cinéfilos com instintos desviantes e taras adjacentes, ou especiais fervores anti-pascais. Com Timothy Muskatell, Ricardo Gray e Charlotte Marie (quem?) temos então um maluco de 16 anos (um adolescente perturbado, pronto) que queria que todos os dias fossem Páscoa porque… foi nesse dia que o pai morreu. Estabelecido o tom, vai daí, e depois de a mãe ir dar uma volta com mais um namorado, o rapaz entra numa fúria matadora e com a sua máscara de coelho atira-se e trucida quem lhe aparece à frente. Ou seja: um banho de sangue.

Camera

Kottentail (2007)

É o que dá o amor aos bichos. Senão vejamos: um par de libertadores de animais resgata um coelho de um laboratório e liberta-o na natureza sem saber a que experiência foi sujeito. Como era de esperar, Tony Urban, o realizador e argumentista, não perde muito tempo a pôr o coelhito a mostrar a sua raça e atacar mesmo à má fila um lavrador. Hans Kottentail (Nathan Faudree) sobrevive, mas algo em si está a transformá-lo num coelho sedento de vingança que vai até à cidade e inicia, claro, um banho de sangue. Qualquer comparação com A Mosca não é pura coincidência.

Publicidade
Camera

Easter Bunny Bloodbath (2010)

Décadas atrás, a irmã de Peter McKay (Shayan Bayat) foi decapitada por um lunático vestido de coelho de Páscoa. Naturalmente o rapaz evitou o mais possível a festividade, mas o tempo amoleceu a memória e, agora, no filme de Richard Mogg, para gozar as férias da Páscoa lá vai ele com os amigos passar uns dias numa cabana obviamente isolada e sem comunicações algures no meio de bosque. Sexo, drogas e rock’n’roll é o objectivo, mas no meio da floresta umas criaturas peludas e amorosas congeminam (o que havia de ser) um banho de sangue. 

Camera

Easter Casket (2013)

Dustin Mills escolheu um diferente caminho cinematográfico e narrativo, que, se não faz o filme melhor que os outros, sempre o torna menos previsível, com a vantagem da premissa do enredo ser de origem exclusivamente pascal. Acontece que a igreja católica local resolveu cortar com todos os rituais não directamente relacionados com a ressurreição de Cristo. O que deixa Peter Cottontail (também conhecido por Coelho de Páscoa) pior que uma barata, quer dizer, um coelho enraivecido pronto para a matança antes do padre Asher impedir o obrigatório banho de sangue.

Publicidade
Camera

The Bunnyman Massacre (2014)

Embora uma sequela de Bunnyman, um filme de 2009, The Bunnyman Massacre, de Carl Lindbergh, é muito mais interessante e praticamente porno-terror. O que não quer dizer melhor ou mais bem interpretado, pois David Scott, Joshua Lang e Julianne Dowler são um autêntico desastre. Aí está o factor de atracção. Como toda a gente pára e empata o trânsito para ver um desastre, aqui fica-se até ao fim pela mesma razão: voyeurismo. Pois a incoerência da realização e o destempero de um argumento em que Bunnyman, sem aparente razão, mas na verdade para fornecer matéria-prima a um fabricante e vendedor de carne seca, começa a matar indiscriminadamente provocando mais um banho de sangue cinematográfico.

Desejamos-lhe uma Páscoa cheia de filmes

Jesus Christ Superstar (1973)
Photograph: Courtesy Universal Pictures
Filmes

Páscoa, ou a paixão de Cristo em sete filmes

Há muitas maneiras de filmar a Páscoa. A principal, a praticada pela maioria dos cineastas, é seguir o roteiro imposto pelo Novo Testamento. E se a maioria é basicamente conservadora e respeitadora do cânone, também há excepções entre estes sete filmes. 

Filmes

A Páscoa em sete filmes nada bíblicos

Entre as variadas maneiras de filmar a Páscoa, não há muitas excepções à corrente dominante. Mas que as há, há. Umas aproveitam-se da época e usam as reuniões familiares como pretexto. Outras pura e simplesmente ajavardam a coisa. Para saber como, é ver estes sete filmes. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com