10 obras clássicas para celebrar o Verão

Antes de se ter tornado sinónimo de odor a protector solar, sunset parties e bares de praia a bombar música chill out a volumes sísmicos, o Verão inspirou grandes obras musicais. Eis uma amostra que vai de meados do séc. XVII a meados do séc. XX

©Georges SeuratBathers in Asnières

10 obras clássicas para celebrar o Verão

June, de The Monthes, de Simpson

O inglês Christopher Simpson (c.1602/6-1669), um notável executante de viola da gamba, consagrou toda a sua produção musical conhecida a este instrumento. As suas colecções de Fantasias para viola soprano, duas violas baixo e baixo contínuo com os títulos The Monthes e The Seasons oferecem uma variada paleta de ambientes, embora não sejam música programática no sentido em que As Quatro Estações de Vivaldi o são – a impressão a transmitir é subjectiva, não uma representação musical de eventos específicos.

[Pelo ensemble Sonnerie]

Concerto para violino RV 315 Verão, de As Quatro Estações, de Vivaldi

A fama de As Quatro Estações é justa. Não é que faltem motivos de interesse aos outros oito concertos da colecção Il Cimento dell’Armonia e de l’Inventione (O Certame da Harmonia e da Invenção), publicada em 1725, nem aos outros 210 (!) concertos para violino de Antonio Vivaldi que chegaram aos nossos dias. Mas a componente programática de As Quatro Estações, ou seja, a forma como a música ilustra os eventos meteorológicos e os seus efeitos sobre homens, a fauna e a flora, está admiravelmente conseguida.

Os sonetos que Vivaldi juntou a cada concerto de As Quatro Estações estão longe de ser grande poesia, mas ajudam a apreciar o poder sugestivo da música do compositor veneziano. Reza assim o soneto alusivo ao Verão:

Allegro: “Sob a implacável estação, incendiada pelo Sol/ Languescem o homem e o rebanho e arde o pinheiro/ Solta o cuco o seu canto/ Seguido pela rola e pelo pintassilgo/ Uma doce brisa sopra,/ Mas dá subitamente lugar ao vento Norte/ E aflige-se o pastorinho pelo seu destino/, temendo feroz borrasca”.

Adagio e piano – Presto e forte: “O temor dos relâmpagos e dos terríveis trovões/ Priva de repouso os membros lassos/ Moscas e moscardos zumbem furiosos!”

Presto: “Bem fundados eram os receios,/ Ribombam e relampejam os céus/ E a saraivada de granizo decapita as espigas”.

[Um Presto assolado por ventos ciclónicos, por Giuliano Carmignola (violino) e Orquestra Barroca de Veneza]

Publicidade

Verão, de As Estações, de Haydn

A oratória As Estações (Die Jahreszeiten), estreada em Viena em 1801, tem um libreto, em alemão, de Gottfried van Swieten, traduzido e adaptado de um longo poema publicado em 1730 por James Thomson. Foi uma das derradeiras obras de Joseph Haydn, e a sua composição foi dificultada pelo declínio da saúde do compositor, que o obrigaria a cessar definitivamente actividade dois anos depois. A sua invenção permanecia porém intacta, como atesta este excerto, que dá conta dos efeitos adversos do Verão: o recitativo “Die Mittagssonne Brennet Jetzt in Voller Glut” apresenta “o sol do meio-dia, brilhando com todo o ardor num céu sem nuvens e lançando poderosas torrentes de fogo”; a ária “Dem Druck Erlieget die Natur” revela a natureza sucumbindo sob este fardo: “Flores murchas, prados ressequidos, fontes extintas, tudo acusa os efeitos do calor tórrido, e bestas e homens definham estirados no solo”.

[Recitativo acompanhado “Die Mittagssonne Brennet Jetzt in Voller Glut” e ária “Dem Druck Erlieget die Natur”, pelo tenor Yves Saelens (Lukas) e Octopus Vocal Ensemble & Orchestra, com direcção de Bart Van Reyn, ao vivo no Palais des Beaux Arts, Bruxelas, Junho de 2012]

Les Nuits d’Été, de Berlioz

O ciclo de canções Les Nuits d’Été (1841), sobre poemas de La Comédie de la Mort (1838) de Téophille Gautier, foi concebido para voz e piano e orquestrado em 1843 e 1856. Apesar do título, nenhum dos poemas – “Villanelle”, “Le Spectre de la Rose”, “Sur les Lagunes: Lamento”, “Absence”, “Au Cimitière: Clair de Lune” e “L’Île Inconnue” – alude explicitamente ao Verão, embora aqui e ali pairem indícios de que as noites são mornas.

[“Sur les Lagunes”, por Anne Sofie von Otter e Les Musiciens du Louvre, com direcção de Marc Minkowski, ao vivo em Versailles, 2011]

Publicidade

Abertura de concerto Sonho de uma Noite de Verão, de Mendelssohn

A Abertura de concerto Sonho de uma Noite de Verão op. 21 foi composta em 1826, tinha Felix Mendelssohn 17 anos, mas soa como obra de um compositor maduro. E como não há nela nada susceptível de ser aperfeiçoado, quando, 16 anos depois, Mendelssohn recebeu a encomenda, do rei Frederico Guilherme IV da Prússia, para compor música de cena para a peça homónima de Shakespeare, Mendelssohn anexou à música composta então a abertura de 1826 – e é ela, sem sombra de dúvida, o trecho mais brilhante da música de cena (que recebeu o número de opus 61).

[Pela Orquestra da Gewandhaus de Leipzig (de que Mendelssohn foi director musical entre 1835 e 1847), com direcção de Kurt Masur, ao vivo em 1997]

Verão, de As Estações, de Glazunov

O bailado As Estações, de Aleksandr Glazunov, estreou em 1900, em São Petersburgo. Na verdade, a encomenda fora feita ao seu amigo Riccardo Drigo, director musical da companhia de bailado do teatro Imperial de São Petersburgo, e Glazunov, que, em 1899, fora nomeado professor no Conservatório dessa mesma cidade, deveria ter composto música para o bailado Les Millions d’Arlequin. Mas como cada um dos compositores sentia maior afinidade pelo tema do outro, trocaram as tarefas.

O II quadro de As Estações tem lugar num campo de trigo, com plantas a murchar na terra escaldante, que as náiades tentam refrescar trazendo água do rio. Há sátiros e faunos a tocar flauta, o que faz suspeitar que o enredo terá ido beber algo a Prélude À l’Après-Midi d’un Faune, de Debussy, que estreara em 1894, e que também tem uma atmosfera estival (mas é obra de sofisticação e originalidade bem superiores).

[Por The Cleveland Orchestra, com direcção de Vladimir Ashkenazy]

Publicidade

Summer, de Bridge

A viragem dos séculos XIX-XX foi fértil em obras evocativas da Natureza e das suas mutações ao longo do ano (quiçá como reacção ao facto de a urbanização e a industrialização galopantes estarem a afastar rapidamente o homem da Natureza). Entre elas está o poema sinfónico Summer, de Frank Bridge (1879-1941), um compositor britânico pouco conhecido do lado de cá do Canal de Mancha (e que, muitas vezes, é apenas mencionado na qualidade de professor de Benjamin Britten).

Bridge era um pacifista convicto e talvez isso o tenha estimulado a compor, em 1915, enquanto a Europa era dilacerada por uma guerra de um brutalidade nunca vista, uma obra tão idílica, luminosa, opulenta e pastoril quanto Summer.

[Pela Bournemouth Sinfonietta, dirigida por Norman Del Mar]

A Song of Summer, de Delius

O britânico (de ascendência germânica) Frederick Delius (1862-1934) parece ter tido algum fascínio pelo Verão, pois além do poema sinfónico A Song of Summer (1931), compôs também In a Summer Garden (1908), inspirada por poemas de Dante Gabriel Rossetti, e uma breve peça para orquestra intitulada Summer Night on the River (1912).

Quando compôs A Song of Summer, Delius, tinha ficado cego, devido à sífilis, mas transmitiu a Eric Fenby, o jovem que lhe serviu de secretário e a quem ditou a música que já não era capaz de registar na partitura, uma vívida imagem do cenário que pretendia evocar com o poema sinfónico: “Imaginemo-nos sentados numa falésia coberta de urze, com vista sobre o mar. As notas sustentadas nas cordas agudas sugerem o céu azul e a quietude da cena [...] a figura nos violinos quando a música ganha animação sugere o suave ondular das vagas, as flautas evocam o planar de uma gaivota”.

[Pela Orquestra Sinfónica de Londres, com direcção de John Barbiroli, 1967]

Publicidade

Knoxville: Summer of 1915, de Barber

O compositor americano Samuel Barber é conhecido quase exclusivamente pelo seu Adagio para cordas, que nem sequer é das suas obras mais inspiradas. Bem superior é Knoxville: Summer of 1915, uma peça para soprano e orquestra sobre texto de James Agee.

O texto de Agee é uma evocação onírica e nostálgica da infância, através dos olhos de um rapaz de seis anos, de Knoxville, Tennessee – a cidade onde Agee nasceu em 1906, o que leva a presumir que o texto se baseia nas suas recordações. Ao fim da tarde de um dia escaldante no Deep South, as pessoas sentam-se nos alpendres, baloiçam nas suas cadeiras e conversam tranquilamente, sobre tudo e sobre nada, na rua passam carruagens, automóveis, um eléctrico; a noite desce, o “ruído seco e exaltado dos gafanhotos, vindo de todos os lados, enfeitiça os meus tímpanos”. E a criança sente-se grata por estar rodeada pelos adultos da sua família, com as suas “vozes suaves e indistintas, como se fossem aves adormecidas”.

[Por Barbara Hendricks (soprano) e a Orquestra Sinfónica de Londres, dirigida por Michael Tilson Thomas]

A Midsummer Night’s Dream, de Britten

A ópera de Benjamin Britten que estreou em Aldeburgh em 1960 é uma das mais deliciosas reinterpretações da peça de Shakespeare. O ambiente é de fantasia barroca, o que é reforçado por Britten ter confiado o papel de Oberon a um contratenor (um registo vocal “fóssil”, que, em 1960, tinha apenas um cultor, o pioneiro Alfred Deller) e o das fadas de Titania a rapazes soprano. A música é, ao mesmo tempo, rica e diáfana, recorrendo a combinações tímbricas invulgares, sendo algumas atribuídas especificamente a certas personagens – por exemplo, a voz de Oberon é acompanhada por uma refulgente articulação de harpa, cravo e celesta.

Britten faz convergir danças barrocas, as misteriosas brumas das florestas wagnerianas, o colorido impressionista de Debussy e Ravel, para criar uma sonoridade originalíssima e digna de um conto de fadas.

[Início do I acto, na versão com Ileana Cotrubas (Titania), James Bowman (Oberon), Curt Appelgren (Bottom) et al. e a Filarmónica de Londres, com direcção de Bernard Haitink e encenação de Peter Hall, ao vivo no Festival de Glyndebourne de 1981 (disponível em DVD Warner/NVC Arts)]

Publicidade

O som do Verão

11 versões de “Summertime”

“Summertime” é um objecto de difícil classificação. É uma ária de ópera, tem raízes nos espirituais negros e no blues, um musicólogo viu nela influências de Dvorák, Wayne Shorter filia-a no acorde de Tristão, de Wagner, e foi entusiasticamente adoptada pelo jazz.

Ler mais
Por José Carlos Fernandes

10 canções pop de Verão

O Verão tem inspirado resmas de músicas e muitas são sobre surf, festas na piscina e “dolls by a palm tree on the sand” (Beach Boys dixit). Mas há canções pop de Verão que não se ficam pelo elogio das “cutest girls in the world” (as californianas, claro).

Ler mais
Por José Carlos Fernandes
Publicidade

10 obras clássicas para celebrar o Verão

Antes de se ter tornado sinónimo de odor a protector solar, sunset parties e bares de praia a bombar música a volumes sísmicos, o Verão inspirou grandes obras musicais. Eis uma amostra que vai de meados do século XVII a meados do século XX.

Ler mais
Por José Carlos Fernandes

Comentários

0 comments