As 5 melhores canções dos AC/DC

O guitarrista e co-fundador da banda, Malcolm Young, morreu este sábado, aos 64 anos. Recuperamos cinco das melhores canções dos australianos.

DR/ACDC

Foi com tristeza e múltiplas mensagens de homenagem que o mundo recebeu a notícia da morte de Malcolm Young. Aos 64 anos, o guitarrista e co-fundador dos AC/DC a meias com o seu irmão Angus morreu este sábado, junto da sua família. Foi há três anos que se viu forçado a abandonar a formação, depois de ter sido diagnosticado com demência – a causa da sua morte.

Esteve nos AC/DC desde que estes gatinhavam, motivo para lhe fazer uma digna homenagem. Recuperamos algumas das melhores canções da mítica banda australiana. Viva o rock’n’roll.

Back in Black

Sacada do disco com o mesmo nome, editado em Dezembro de 1980, Back in Black é famoso pelo seu riff de guitarra inicial, que Malcolm criou com Angus e que volta bastantes vezes durante os quatro minutos de canção. Canção feita como homenagem a Bon Scott, ex-vocalista da banda, que morreu nesse mesmo ano devido a excessos alcoólicos.

Thunderstruck

Mais um caso onde o acorde inicial da guitarra faz a papinha toda. Bom, a voz de Brian Johnson também tem culpas no cartório, claro. Mas foram as cordas de Angus e de Malcolm que estabeleceram o ritmo para o “la la la la la”. Uma canção-tempestade, editada em 1990, no disco The Razors Edge. Ainda bem a tempo de se tornar um dos maiores hits da banda.

Publicidade

Highway To Hell

É provavelmente a música mais ouvida dos AC/DC e refere-se a uma realidade que parece ter feito inúmeras vítimas na música internacional: a vida na estrada. Dar um concerto, arrumar a trouxa, autocarro de novo, drogas outra vez. É sobre este inferno que incide Highway To Hell, canção incluída no disco de 1979 com o mesmo nome e que foi o disco com mais sucesso da banda.

You Shook Me All Night Long

Também presente no disco Back in Black, esta é uma canção importante: é a faixa de estreia de Brian Johnson como vocalista, depois da morte de Bon Scott. E, neste caso, fala-se de amor, de um amor que nos transtorna e nos troca as voltas. Sim, que os roqueiros também sofrem com isto.

Publicidade

T.N.T.

Ainda no tempo de Bon Scott, que assina a canção a meias com os irmãos Young, “T.N.T.” faz parte do disco editado em 1975, que na Austrália tinha o mesmo nome mas a nível internacional ficou conhecido como High Voltage. Este é, de resto, o seu primeiro disco fora do seu país natal. Explosão, mais do que certa.

Outras canções...

10 momentos electrizantes ao vivo

A música gravada em estúdio é polida e imaculada. Os músicos podem repetir as takes as vezes que forem precisas, podem recortar e colar cirurgicamente as melhores partes de cada take para construir uma take virtual irrepreensível, podem gastar semanas a burilar pacientemente uma canção de três minutos até a levarem à perfeição. Mas, apesar de todos estes afãs, nem sempre a emoção passa integralmente para o registo final. E é no concerto ao vivo, com todas as inevitáveis imperfeições, que, muitas vezes, a ligação emocional entre quem toca e canta e quem ouve se estabelece em pleno, criando aqueles momentos que deixam toda a plateia com pele de galinha. Os registos vídeo dos concertos ao vivo permitem reviver, ainda que sob forma parcial e atenuada, esses momentos. Aqui ficam 10 que fazem pensar “o que eu teria dado para lá ter estado”.

Ler mais
Por José Carlos Fernandes

Dez álbuns obrigatórios com 20 anos

Conjugação astral ou coincidência, certo é que 1997 foi um grande ano para a música, pois não só nasceram álbuns por quem o tempo não passou (que, essa sim, é a prova de qualidade), como ainda por cima muitas das afirmações e pistas musicais lançadas nessa altura foram adaptadas pela corrente dominante pop. É obra, para 10 álbuns indispensáveis.

Ler mais
Por Rui Monteiro
Publicidade

Comentários

0 comments