Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As 5 melhores canções dos AC/DC

As 5 melhores canções dos AC/DC

O guitarrista e co-fundador da banda, Malcolm Young, morreu este sábado, aos 64 anos. Recuperamos cinco das melhores canções dos australianos.

malcolm young
DR/ACDC
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Foi com tristeza e múltiplas mensagens de homenagem que o mundo recebeu a notícia da morte de Malcolm Young. Aos 64 anos, o guitarrista e co-fundador dos AC/DC a meias com o seu irmão Angus morreu este sábado, junto da sua família. Foi há três anos que se viu forçado a abandonar a formação, depois de ter sido diagnosticado com demência – a causa da sua morte.

Esteve nos AC/DC desde que estes gatinhavam, motivo para lhe fazer uma digna homenagem. Recuperamos algumas das melhores canções da mítica banda australiana. Viva o rock’n’roll.

Back in Black

Sacada do disco com o mesmo nome, editado em Dezembro de 1980, Back in Black é famoso pelo seu riff de guitarra inicial, que Malcolm criou com Angus e que volta bastantes vezes durante os quatro minutos de canção. Canção feita como homenagem a Bon Scott, ex-vocalista da banda, que morreu nesse mesmo ano devido a excessos alcoólicos.

Thunderstruck

Mais um caso onde o acorde inicial da guitarra faz a papinha toda. Bom, a voz de Brian Johnson também tem culpas no cartório, claro. Mas foram as cordas de Angus e de Malcolm que estabeleceram o ritmo para o “la la la la la”. Uma canção-tempestade, editada em 1990, no disco The Razors Edge. Ainda bem a tempo de se tornar um dos maiores hits da banda.

Publicidade

Highway To Hell

É provavelmente a música mais ouvida dos AC/DC e refere-se a uma realidade que parece ter feito inúmeras vítimas na música internacional: a vida na estrada. Dar um concerto, arrumar a trouxa, autocarro de novo, drogas outra vez. É sobre este inferno que incide Highway To Hell, canção incluída no disco de 1979 com o mesmo nome e que foi o disco com mais sucesso da banda.

You Shook Me All Night Long

Também presente no disco Back in Black, esta é uma canção importante: é a faixa de estreia de Brian Johnson como vocalista, depois da morte de Bon Scott. E, neste caso, fala-se de amor, de um amor que nos transtorna e nos troca as voltas. Sim, que os roqueiros também sofrem com isto.

Publicidade

T.N.T.

Ainda no tempo de Bon Scott, que assina a canção a meias com os irmãos Young, “T.N.T.” faz parte do disco editado em 1975, que na Austrália tinha o mesmo nome mas a nível internacional ficou conhecido como High Voltage. Este é, de resto, o seu primeiro disco fora do seu país natal. Explosão, mais do que certa.

Outras canções...

AT_thebeatlestobowie_nationalportraitgallery_2009press_CREDIT_The Beatles, 1964 copyright Robert Whi
©Robert Whitaker
Música

Sete canções para adormecer

O reino misterioso do sono nunca deixou de atrair os compositores de canções e, entre muitas escolhas possíveis, há neste lote gente conhecida como os Beatles, os Smiths e os Smashing Pumpkins. Estas sete substâncias hipnóticas podem ser tomadas sem receita médica, mas há que ter em atenção que alguns poderão produzir, nas almas mais sensíveis e quando consumidos repetidamente, efeitos secundários imprevisíveis.

Publicidade
Folhas de Outono
©DR
Música

10 versões de “Autumn Leaves”

O rasto destas folhas de outono leva-nos até Budapeste, onde nasceu, em 1905, o autor da música. Chamava-se então József Kosma, mas quando se mudou para Paris em 1933 adoptou um mais pronunciável “Joseph”. A composição nasceu como um trecho instrumental para o bailado Le Rendez-Vous (1945), com enredo de Jacques Prévert e coreografia de Roland Petit, e seria convertida, no ano seguinte, com letra de Prévert e com o título “Les Feuilles Mortes”, numa canção da banda sonora da adaptação cinematográfica do bailado por Marcel Carné, que teve por título Les Portes de la Nuit.

Publicidade