Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Capicua: “A música é um megafone para as minhas causas”
capicua
©Pedro Geraldes

Capicua: “A música é um megafone para as minhas causas”

Capicua regressa com 'Madrepérola', um disco que coincidiu com a sua primeira gravidez. Falámos com ela

Por Ana Patrícia Silva
Publicidade

Madrepérola começou a ser composto antes da gravidez do primeiro filho e acabou de gravar quando já o embalava nos braços. Regressou ao trabalho para se reencontrar. Quis procurar “um lado mais solar”, deixando-se levar por uma forte influência da música brasileira. Num meio onde a mulher é resumida a uma função decorativa e coisificada, colou os cacos e transformou as mais variadas dores em arte.

 

Há uma música em que dizes para aproveitarmos este disco porque pode ser o último.

Isso tem a ver com o facto de os discos estarem a morrer. É ingrato fazer maratonas de dois ou três anos de trabalho para serem consumidos na voragem da novidade. Tens que competir no meio do ruído das redes sociais, numa arena de vaidades, com o que te é mais especial e precioso. Vês muitos músicos com problemas de depressão e suicídio porque tens que “vender” a tua arte num mercado em que se vende de tudo. É um bocado perverso, parece que tens de perder a privacidade para ganhar a atenção das pessoas.

Achas que a tua carreira tem tido o reconhecimento devido?

Por um lado sim, por outro não sei. Dentro do hip-hop houve momentos em que não tive esse reconhecimento. Há uma parte do público e dos meus pares que não se identifica comigo nem com o estilo de rap que eu faço, mais poético, mais político-social. Quanto mais eu cheguei longe, menos próxima estive desse reconhecimento. Por outro lado, há muita gente que percebe que andei a mostrar que é possível uma mulher ter uma carreira longeva no hip-hop.

Além de haver poucas mulheres a fazer rap em Portugal, são poucas as que conseguem resistir no tempo.

Porque é difícil, de facto. Tens que quebrar a barreira da falta de auto-estima. Para uma mulher é mais pesado, culturalmente, ter a segurança de dizer que o meu trabalho é válido, que vale a pena mostrá-lo ao mundo. É preciso contrariar uma socialização que nos atira para o auto-boicote permanente.

O que é que a maternidade te ensinou sobre o empoderamento feminino?

Aprendi que é importante conectarmo-nos com o nosso lado biológico. Quando conseguimos comandar o nosso próprio processo reprodutivo, sentimo-nos empoderadas e invencíveis. Ser mãe é muito exigente em termos de entrega, de cansaço, de falta de liberdade. Mas ao mesmo tempo é lindo, é poético, é a coisa mais intensa que podemos experimentar.

Assusta-te trazer um filho a este mundo?

Se não consegues fazer um mundo melhor para os teus filhos, faz filhos melhores. Do ponto de vista ecológico, de facto somos muitos e não devíamos ter mais filhos. Mas, se nos deixarmos dominar pelo medo, deixamos de viver.

Alguma vez te prejudicou assumires que és feminista?

Em termos estratégicos, é sempre melhor quando os músicos são antissépticos, quando não opinam sobre as coisas e fingem que está tudo bem para não chatear ninguém e vender o máximo possível. Essa nunca foi a minha postura, eu sempre encarei a música como um megafone para as minhas causas e as minhas preocupações. Um artista, no verdadeiro sentido do termo, é muitas vezes incómodo, mesmo que isso custe uns concertos a menos. Todas as pessoas que têm um microfone na mão têm uma responsabilidade. Há que viver com isso, sem que se torne demasiado pesado ao ponto de não termos liberdade de criar.

A propósito do que aconteceu com o Valete [a música e o vídeo de “BFF” foram acusados de normalizar a violência contra a mulher], até que ponto é que a liberdade de expressão e a liberdade artística podem servir como escudo?

Desde que não entrem na difamação, no discurso de ódio, em coisas que estão prescritas na lei como limites, os artistas são completamente livres. Eu sou livre de criar e as pessoas são tão livres quanto eu de comentar e criticar. Às vezes temos a oportunidade de ter discussões interessantes sobre essas questões da liberdade criativa, do politicamente correcto no bom sentido do termo, da importância do simbólico, da forma como as minorias têm que ser protegidas e de criarmos uma cidadania mais inclusiva e justa. Mas depois entramos nestas espirais em que uns se ofendem com tudo e não há conversa possível.

Crítica: Capicua

"Madrepérola (Universal)

★★★★☆

Uma das mais importantes vozes autorais do aqui e do agora, Capicua meteu o machismo num museu e centrou o eu feminino no seu universo. Descobriu a poesia que brota do corpo de uma mulher e a sua sabedoria ancestral. Fez das tripas coração e mostrou que uma mulher ferida é uma fera feroz. Capicua escreve como quem respira, de forma emotiva e engajada. No terceiro disco a solo, influenciado pela maternidade, a luta continua.

Erguendo pontes transatlânticas, Madrepérola tem espaço para dois portentos do fado (Camané e Ricardo Ribeiro) e uma celebração da lusofonia com Rael, Emicida e Rincon Sapiência. Com Mallu Magalhães desenha as constelações do amor e com Karol Conká presta homenagem a outras mulheres que abriram caminho no meio do mato masculino. Catarina Salinas suspira um poema de Sophia de Mello Breyner e Lena d'Água serpenteia o seu canto de sereia. Os instrumentais de Stereossauro, DJ Ride, Virtus, D-One e Branko equilibram a fibra digital com o calor orgânico dos instrumentos.

Madrepérola é um disco que fala ao âmago de muitas mulheres e que por isso deveria ser ouvido por muitos homens. Mesmo que a queiram descreditar, Capicua reafirma o seu lugar no hip-hop nacional e incentiva outras mulheres para, como ela, serem mais livres.

 

Conversa afinada

antónio zambujo
Fotografia: Arlindo Camacho

António Zambujo: “Os discos são o reflexo daquilo que vivemos”

Música

António Zambujo é um dos mais populares músicos portugueses da actualidade. Poucos têm tantos fãs e enchem salas com a mesma facilidade, mas o sucesso não lhe parece ter subido à cabeça. Continua a ser fácil falar com ele, parece humilde, exprime-se com calma e ouve o que lhe dizem com atenção. A conversa começou pelo seu mais recente disco, Do Avesso, mas não tardou em descarrilar.

Martinho da Vila
©Leo Aversa

Martinho da Vila: “A música tem poder transformador”

Música

Ouvir Martinho da Vila é mergulhar a fundo nas múltiplas identidades que compõem o mosaico cultural brasileiro. A sua música é do povo, é grande por ser simples e por querer entrar na vida das pessoas. A sua sabedoria octogenária já passou por muito, ao longo das últimas décadas. A ditadura quis silenciá-lo, mas ele resistiu. Com a bonita cadência do seu samba, enfrentou a pressão da censura e ensinou que a alegria também faz parte da resistência. O Brasil é a sua inspiração. 

Publicidade
Milton Nascimento
©DR

Milton Nascimento: “Nos dias de hoje, só a música salva”

Música

A história de Milton Nascimento é uma síntese da beleza, do sofrimento e da diversidade do povo brasileiro. A sua carreira começou a projectar-se internacionalmente quando o saxofonista americano Wayne Shorter, colega de Miles Davis, o convidou a gravar um disco em 1975. Mas antes disso já tinha editado alguns álbuns a solo e participou numa das mais belas obras do património da música brasileira, o Clube da Esquina.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade