Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right António Zambujo: “Os discos são o reflexo daquilo que vivemos”

António Zambujo: “Os discos são o reflexo daquilo que vivemos”

O popular cantor português acaba de lançar um novo álbum, "Do Avesso"

antónio zambujo
Fotografia: Arlindo Camacho
Publicidade

António Zambujo é um dos mais populares músicos portugueses da actualidade. Poucos têm tantos fãs e enchem salas com a mesma facilidade, mas o sucesso não lhe parece ter subido à cabeça. Continua a ser fácil falar com ele, parece humilde, exprime-se com calma e ouve o que lhe dizem com atenção. A conversa começou pelo novo disco, Do Avesso, mas não tardou em descarrilar.

 

Rodeaste-te de pessoas novas neste disco: o Filipe Melo, o Nuno Rafael e o João Moreira. Como é que correu?

Foi bastante diferente. Até porque os meus discos anteriores tinham sido todos feitos da mesma forma, com a mesma equipa, com o Ricardo Cruz a produzir. Era uma coisa que estava bem oleada, não havia grandes surpresas. Desta vez tivemos de começar de novo. Apesar de os conhecer há algum tempo, e de o João Moreira já trabalhar comigo há uns anos, estar com as pessoas no estúdio é diferente. Teve de haver uma adaptação aos novos métodos de trabalho. Mas foi fantástico. Temos todos mentes abertas.

Porque é que decidiste mudar tanto e tantas coisas?

Não sei. Apeteceu-me mudar. Os discos têm um bocado a ver com aquilo que nós vivemos entre eles. São o reflexo disso. Neste caso, aquilo que vivi entre o do Chico Buarque, Até Pensei Que Fosse Minha, e este. Houve uma série de coisas que me levaram à escolha dos produtores e a toda esta envolvência de músicos. Muitos discos escutados, muita partilha de ideias...

Que discos é que ouviram?

Tantos. Ouvimos muito o Tom Waits, o Cavalo do Rodrigo Amarante, sei lá... Muita coisa dos Beatles, o Sgt. Pepper’s [Lonely Hearts Club Band], o White Album. Os Beach Boys.

Pois, nota-se. Este disco parece menos ligado às nossas músicas tradicionais e ao Brasil. É mais anglo-saxónico.

Completamente. Lá está, o disco é o reflexo daquilo que ouvimos. De todas essas influências.

O fado, por exemplo, parece-me completamente ausente do álbum. Ainda encontras algo do fado na tua música?

Ainda encontro algumas coisas na minha forma de cantar, na minha interpretação, que vêm do fado. A parte da dicção, o cuidado com as palavras e isso tudo. Foram coisas que aprendi no meio do fado.

Mas em termos musicais...

Nada.

E a tua relação com o Brasil como é que está?

Neste momento é uma relação de surpresa. Achava que já conhecia alguma coisa e de repente… Sabes quando estás a andar na rua e há um tipo qualquer que te empurra pelas costas e tu não dás por isso e cais? Isso deixa-te surpreso, porque é estranho e inesperado. Aconteceu-me mais ou menos o mesmo com o Brasil.

Estás a falar do Bolsonaro.

Óbvio.

Não estavas à espera?

A determinada altura percebi que a situação era mais grave do que inicialmente as pessoas pensavam. Aconteceu mais ou menos o mesmo com o Trump. Primeiro é motivo de risota e toda a gente diz que é impossível aquilo acontecer. E à medida que te vais aproximando da hora da decisão vais percebendo que aquilo afinal, infelizmente, tem uma dimensão maior. Obviamente que na altura da eleição já previa que ele ganhasse, mas há sempre uma pequena esperança de que as sondagens sejam uma treta.

Não eram.

Pois não. Mas eu acho que a culpa não é só dele. A culpa é das pessoas que estão do lado certo, ou que têm as políticas certas, e da sua falta de competência. Isso leva a população a uma situação de desespero. Não acredito que toda a gente que votou no Bolsonaro seja de extrema-direita. Muitas pessoas votaram sobretudo contra o PT e aquilo que o PT fez nos últimos anos.

Claro. Estas coisas acontecem quando os partidos tradicionais não dão às pessoas aquilo que elas querem.

E aqui em Portugal vai acontecer a mesma coisa.

Achas mesmo?

Tenho a certeza. Isto vai estender-se. As pessoas estão cansadas desta incompetência e da falta de soluções. Acho que em Portugal ainda está longe, mas não está tão longe como imaginamos.

Não concordo. Apesar de todos os problemas que o país continua a ter, não estás numa situação tão extrema e propícia a esse tipo de discurso como estavas em 2011, por exemplo.

Não estás. Mas de um momento para o outro podes passar a estar. São coisas que não estão garantidas. É claro que espero que isso não aconteça, mas...

Esta conversa está cada vez mais deprimente. Vamos mudar de assunto.

Não fiques deprimido, por favor.

Quando é que vais começar a apresentar o disco novo?

Início de Fevereiro, por aí.

Até lá não vais dar nenhum concerto?

Vou dar concertos referentes aos discos anteriores. Já estavam marcados, então resolvemos dar estes concertos agora e no próximo ano começar a fazer um novo espectáculo completamente diferente. Já com as novas canções.

Como é que vai ser para tocar as novas canções ao vivo? O Filipe Melo, o Nuno Rafael e o João Moreira vão tocar contigo ou vais ser acompanhado pelos músicos do costume?

Vai ser a banda do costume, mais o Filipe e o Rafa.

Em todos os concertos?

Claro.

E como é que achas que as pessoas vão reagir nestes últimos concertos do ano? Tu vais ter um disco novo nas lojas, mas o alinhamento vai estar repleto de canções antigas.

Espero que as pessoas contestem imenso e que fiquem muito irritadas comigo, por eu não tocar as músicas novas. É sinal de que já as ouviram, que já compraram o disco e que já as conhecem. Espero que isso aconteça, mas que depois me desculpem e que vão assistir aos nossos concertos para o ano.

Conversa fiada

Márcia
Manuel Manso
Música

Márcia: "A música é o meu divã"

Márcia tem aquele talento – mais raro do que se supõe – de partir da sua intimidade para criar objectos de valor universal. E ao quarto álbum, a escritora de canções expõe-se mais do que o costume.

José Mário Branco
Arlindo Camacho
Música

José Mário Branco: "Ainda é só inquietação, inquietação"

A comemoração dos 50 anos de carreira já valeu um álbum de inéditos, a reedição integral da sua discografia e uma nova colectânea. Aqui, pouco se fala disso. Fala-se sobretudo da inquietação que não passa. Eis José Mário Branco, 76 anos, do Porto, muito mais vivo que morto.

Publicidade
antónio zambujo
Fotografia: Arlindo Camacho
Música

António Zambujo: “Os discos são o reflexo daquilo que vivemos”

António Zambujo é um dos mais populares músicos portugueses da actualidade. Poucos têm tantos fãs e enchem salas com a mesma facilidade, mas o sucesso não lhe parece ter subido à cabeça. Continua a ser fácil falar com ele, parece humilde, exprime-se com calma e ouve o que lhe dizem com atenção. A conversa começou pelo novo disco, Do Avesso, mas não tardou em descarrilar. 

Publicidade