Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Cláudia Pascoal: “Cresci imenso nos últimos dois anos”
Cláudia Pascoal
© Manuel Manso Cláudia Pascoal

Cláudia Pascoal: “Cresci imenso nos últimos dois anos”

Cláudia Pascoal acaba de lançar o primeiro álbum a solo, ‘!’ – sim, é um ponto de exclamação. Falámos com a vencedora do Festival da Canção em 2018.

Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

O primeiro disco de Cláudia Pascoal chama-se apenas ! – sim, um ponto de exclamação. Pode parecer estranho, mas quando se fala com a jovem cantora percebe-se que o título é apropriado. Ou pelo menos é um bom reflexo do que ela é, e era essa a intenção. As frases saem-lhe depressa, diz as mais pequenas coisas com grande energia e convicção. Antes da edição do álbum, que chegou às lojas a 27 de Março, trocámos dois dedos de conversa. 

Vou começar com uma pergunta fácil: como se lê aquele título?

Eh pá, não se lê.

Então o que chamo ao disco?

Não sei bem. Ainda estou no processo de perceber como é que vou comunicar isto. Mas não queria mesmo que o título fosse só um nome, uma referência. Queria que fosse um statement e um reflexo de quem sou. E achei que um ponto de exclamação seria exactamente isso.

Os !!! dizem que o nome deles se lê Chk Chk Chk. Podes fazer o mesmo: dizer que o ponto de exclamação quer dizer outra coisa qualquer.

Talvez. Posso pegar no meu bonequinho amarelo… Não sei se sabes do que estou a falar.

Não faço ideia.

Nas redes sociais tenho uma espécie de amigo imaginário que é o blah, um bonequinho amarelo. Aliás, era para ser esse mesmo nome do álbum, mas achei que seria demasiado parvo. Mas agora se calhar vou começar a dizer que o ! se pronuncia “blah”.

Parece-me bem. Quando começaste a trabalhar nestas canções e no disco?

Durante a Eurovisão. Passei muitas noites sozinha no hotel e comecei a escrever algumas canções. Pouco depois a Universal convidou-me para criar um álbum, mas sabia que ainda ia demorar algum tempo, porque não estava habituada a escrever em português e queria criar uma linguagem [musical] própria. Só que não sabia muito bem por onde começar.

O Tiago Bettencourt produziu o disco. Ajudou-te a encontrar essa tal linguagem?

O Tiago foi uma peça fulcral neste processo todo. Até diz meio a gozar que sou a My Fair Lady dele, e tenho noção que cresci imenso nestes últimos dois anos. Acho que criámos uma coisa muito bonita.

Além do Tiago, colaboraste com muita gente no disco: o Samuel Úria, o David Fonseca, a Joana Espadinha, o Luís José Martins, o Pedro da Silva Martins, até o Nuno Markl. Como apareceram eles na tua órbita?

Desde o início que percebi que era impossível fazer um álbum completamente sozinha. Estava ainda a tentar descobrir-me e por isso propus-me a mim mesma escrever metade das músicas e convidar artistas de quem gosto para escreverem o resto. Foi um processo muito natural.

Até que ponto mudaste as canções dos outros compositores? Foste tu que depois decidiste todos os arranjos e a instrumentação?

Sim, sim. Porque eles deram-me as músicas numa forma muito rough. A excepção foi o David Fonseca, que me deu coisas bem estruturadas e já feitas. E mesmo assim estraguei aquilo e mudei completamente tudo [risos]. Eles deram-me canções que eu interpretei de uma forma completamente diferente e tornei minhas.

Imagino que essas alterações de que falavas tenham sido feitas em conjunto com o Tiago.

Sempre. Passávamos muito tempo no estúdio, a perceber o que queríamos fazer. Até porque ele queria distanciar-se do seu trabalho em nome próprio. Portanto estivemos a criar algo que fosse justo à minha imagem, mas também distante da imagem dele.

Um nome que chama a atenção pela ausência é o da Isaura. Não pensaste em pedir-lhe uma canção, depois da colaboração no Festival da Canção?

Isso vai acontecer, tenho a certeza absoluta. Porque temos muito a ver uma com a outra, apesar de ela criar músicas um bocado distantes das minhas. Mas neste momento quis focar-me um pouco em mim, no meu projecto, e criar o meu próprio caminho.

Quando participaste no Festival da Canção eras vocalista de uma banda de jazz, os Morhua, mas separaram-se passado pouco tempo. Porquê?

Porque o Festival da Canção mudou um bocadinho a minha vida e forma de ver a música. Percebi que tinha vontade de escrever em português e de explorar uma nova modelação musical que não o jazz. E eles compreenderam perfeitamente. Crescemos para lados diferentes.

Este disco é muito diferente do que fazias com Morhua, muito mais pop.

Completamente. E agora não me vejo a fazer outra música. Tudo o que componho agora é a pensar num futuro trabalho com esta linguagem. Sinto que finalmente encontrei o meu caminho.

Conversa afinada

Miguel Angelo
Inês Félix

Miguel Angelo: “Não me arrependo de nada”

Música

Miguel Angelo foi um dos artistas mais mediáticos do Portugal dos anos 90. Não só pela popularidade dos discos gravados com a Resistência e os Delfins, como pelos trabalhos que desenvolveu paralelamente na televisão, no teatro, no cinema ou na imprensa. Hoje, está mais recatado, mas nem por isso menos ocupado. Está a celebrar os 35 anos de carreira e lançou em 2019 o mini-disco NOVA (pop). Num destes dias, sentámo-nos numa esplanada sobre o novo disco e tudo o que está para trás. Mas não havia um lugar ao sol.

Panda Bear
Inês Félix

Panda Bear: "Quis fazer um disco mais vazio"

Música

Noah Lennox, o homem que conhecemos como Panda Bear, é um dos mais influentes e inovadores músicos independentes deste século. A viver em Lisboa há mais de uma década, foi responsável por discos seminais como Person Pitch, de 2007, ou Merriweather Post Pavillion (2009), dos Animal Collective, mas isso não lhe subiu à cabeça. Quando nos encontramos para conversar sobre o seu novo álbum, Buoys, está a passar na rádio uma canção dos Oasis e ele está a adorar. “Esta canção é do caraças”, diz, entusiasmado e sem um pingo de ironia.

Publicidade
Pixies
© Simon Foster

Paz Lenchantin: “Sem os Pixies, muitas bandas não seriam o que são hoje”

Música

Os Pixies regressaram em 2004 e desde então nunca mais nos deixaram. Isto apesar de a fundadora Kim Deal ter saído da banda em 2013, sendo temporariamente substituída por Kim Shattuck, antes de a baixista Paz Lenchantin se juntar definitivamente aos Pixies no ano seguinte. Desde então, o quarteto tem tocado por todo o mundo e já lançou três novos discos – a actual baixista gravou dois deles. O mais recente, Beneath the Eyrie, saiu em 2019. Pouco depois do CD chegar às lojas, falámos com Paz Lenchantin.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade