Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Destroyer: “Quanto mais velho fico, mais isolado me sinto”
Destroyer
© Ted Bois Destroyer

Destroyer: “Quanto mais velho fico, mais isolado me sinto”

Os Destroyer acabam de editar um novo disco, "Have We Met". Falámos com o cantor e compositor Dan Bejar

Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Dan Bejar é um dos autores mais idiossincráticos da cena indie. Ao longo dos últimos 25 anos, o canadiano lançou mais de uma dezena de álbuns enquanto Destroyer, além de ter escrito algumas das melhores canções de bandas como The New Pornographers ou Swan Lake, com quem tocou em tempos. E se as suas letras são facilmente reconhecíveis, a sua música é camaleónica, parecendo mudar de disco para disco.

Mesmo assim, o novo opus de Destroyer tem pontos de contacto com o que está para trás. O som quase atmosférico dos sintetizadores e as linhas de guitarra angulares lembram o magnífico Kaputt (2011) – “o Nicolas Bragg tem uma maneira de tocar muito característica”, sugere o cantor. Porém, enquanto o disco de 2011 foi tocado por quase dez músicos, desta feita Dan Bejar trabalhou apenas com o produtor e instrumentista John Collins, que o acompanha desde a década de 90, e com o guitarrista Nicolas Bragg.

As canções soam intimistas e têm uma qualidade quase artesanal que lembra Your Blues, o álbum de 2004 que por sua vez remetia para os primórdios do projecto, quando era só uma pessoa a fazer tudo. “Essa comparação faz sentido”, concorda o autor. “O Your Blues é talvez o disco mais próximo deste. Apesar de o som ser diferente, o método de trabalho foi parecido. Também o gravei apenas com o John e mais uma pessoa, o David Carswell.”

Ao vivo, no entanto, os novos temas serão interpretados por uma banda completa, pelos mesmos sete ou oito músicos que andam em digressão com o cantor e compositor há cerca de dez anos. “Não vai ser fácil traduzir esta música para o palco, mas não estou muito preocupado”, diz. “Os Destroyer em palco e em disco são duas entidades distintas, com motivações muito diferentes, e vivo bem com isso. Não me importa que as pessoas vão ao concerto e oiçam uma canção muito diferente daquilo que está no disco”.

O que não vai mudar, o que nunca muda, são as letras, inconfundíveis e típicas de Dan Bejar. Há temas e imagens transversais à obra do canadiano que se repetem em Have We Met: os rios e os mares que canta, as mulheres e os artistas que observa, os anos e os lugares onde situa os poemas, as referências e frases roubadas a inúmeras canções (dele e de outros músicos). Tudo isto, segundo ele, são “pequenos truques”, maneiras de “ancorar na realidade letras imagísticas e quase surreais”.

Outra coisa que se repete de disco para disco são as alusões apocalípticas. “É algo que se tem tornado ainda mais prevalente na minha música nos últimos dez anos”, considera. “Quanto mais velho fico mais me sinto isolado do mundo, mais tenho tendência para me esconder. É uma reacção natural, dado o estado das coisas. E não devo ser o único a sentir-me assim, porque as representações de um mundo à beira do abismo são cada vez mais populares na nossa cultura.”

No meio disto tudo, uma das coisas mais singulares do novo Have We Met é o grão e a intensidade da voz. “Foi a primeira coisa que gravei, curvado sobre o computador, na mesa da cozinha, quando já estava toda a gente em minha casa a dormir”, recorda Dan Bejar. “Não era suposto o mundo ter ouvido essas gravações, eram só para o produtor ter uma ideia de como eram as canções. Mas, com o tempo, começámos a afeiçoar-nos àquelas prestações vocais. Têm uma urgência que não dá para replicar em estúdio.” E não tentaram replicá-las.

Crítica: Destroyer

"Have We Met" (Dead Oceans/ Popstock)

★★★★☆

Os melhores discos de Destroyer nascem de uma ideia que Dan Bejar desenvolve até se tornar irreconhecível. Em Have We Met o ponto de partida aparentemente foi a música que Björk e os Massive Attack fizeram na primeira metade dos anos 90, no entanto não é isso que se ouve neste disco. De todo. O resultado final está mais próximo de uma síntese entre o AOR sumptuoso de Kaputt e a pop-rock raquítica, ainda que teatral, do álbum Your Blues.

O canto desleixado do canadiano é, como sempre, o principal elemento e a âncora destas canções, que têm tanto de grandiosas como de minimalistas. Todavia, há muito tempo que ele não soava tão livre e despreocupado. E depois de três álbuns em que assumiu com gosto o papel de líder de uma banda, no novo disco volta a aproximar-se do cantor e poeta desbragado que era dantes. É a sua voz que nos guia por entre uma névoa de sintetizadores, caixas de ritmos e guitarras angulosas, como ele faz questão de deixar claro – e não apenas subentendido – na engenhosa e meta-referencial “Cue Synthetizer”. E quando as canções são tão bem escritas como essa, como “Crimson Tide”, como “It Just Doesn’t Happen”, como “University Hill” ou qualquer outra no disco, é um prazer deixarmo-nos levar.

Conversa afinada

Miguel Angelo
Inês Félix

Miguel Angelo: “Não me arrependo de nada”

Música

Miguel Angelo foi um dos artistas mais mediáticos do Portugal dos anos 90. Não só pela popularidade dos discos gravados com a Resistência e os Delfins, como pelos trabalhos que desenvolveu paralelamente na televisão, no teatro, no cinema ou na imprensa. Hoje, está mais recatado, mas nem por isso menos ocupado. Está a celebrar os 35 anos de carreira e lançou em 2019 o mini-disco NOVA (pop). Num destes dias, sentámo-nos numa esplanada sobre o novo disco e tudo o que está para trás. Mas não havia um lugar ao sol.

Panda Bear
Inês Félix

Panda Bear: "Quis fazer um disco mais vazio"

Música

Noah Lennox, o homem que conhecemos como Panda Bear, é um dos mais influentes e inovadores músicos independentes deste século. A viver em Lisboa há mais de uma década, foi responsável por discos seminais como Person Pitch, de 2007, ou Merriweather Post Pavillion (2009), dos Animal Collective, mas isso não lhe subiu à cabeça. Quando nos encontramos para conversar sobre o seu novo álbum, Buoys, está a passar na rádio uma canção dos Oasis e ele está a adorar. “Esta canção é do caraças”, diz, entusiasmado e sem um pingo de ironia.

Publicidade
Pixies
© Simon Foster

Paz Lenchantin: “Sem os Pixies, muitas bandas não seriam o que são hoje”

Música

Os Pixies regressaram em 2004 e desde então nunca mais nos deixaram. Isto apesar de a fundadora Kim Deal ter saído da banda em 2013, sendo temporariamente substituída por Kim Shattuck, antes de a baixista Paz Lenchantin se juntar definitivamente aos Pixies no ano seguinte. Desde então, o quarteto tem tocado por todo o mundo e já lançou três novos discos – a actual baixista gravou dois deles. O mais recente, Beneath the Eyrie, saiu em 2019. Pouco depois do CD chegar às lojas, falámos com Paz Lenchantin.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade