Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez versões clássicas de “Over the Rainbow”
O Feiticeiro de Oz (1939)
©DR O Feiticeiro de Oz de Victor Fleming

Dez versões clássicas de “Over the Rainbow”

A mais célebre canção de “O Feiticeiro de Oz” tem sido transmutada em formas muito diversas pelos feiticeiros do jazz.

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Perturbada pela ameaça de abate que paira sobre o seu cão, Toto, após este ter mordido uma vizinha, Dorothy (Judy Garland) deambula pelo pátio da quinta dos seus tios, no Kansas, e confia a Toto as suas reflexões: “Um lugar onde não haja sarilhos. Achas que existe um lugar assim, Toto? Tem de haver. Não é um lugar onde se possa chegar de barco ou de comboio. Fica muito, muito longe. Para lá da lua, para lá da chuva”. É neste ponto, logo no início do filme O Feiticeiro de Oz (1939), que Dorothy começa a cantar a canção composta por Harold Arlen (música) e E.Y. Harburg (letra).

Tal como aconteceria em 1961 com “Moon River”, “Over the Rainbow” esteve para ser suprimida da montagem por um dos produtores – neste caso, o poderoso Louis B. Mayer – mas acabou por ficar no filme, ganhar o Oscar para melhor canção original, tornar-se num sucesso e ser adoptada pelos músicos de jazz – no final de 1939 já entrara no repertório de Benny Goodman, Artie Shaw e Glenn Miller.

Recomendado: Dez versões clássicas de “My Favorite Things”

Dez versões clássicas de “Over the Rainbow”

1. Judy Garland

Ano: 1938

A versão cantada por Garland que se ouve em O Feiticeiro de Oz foi gravada em Outubro de 1938 (tinha a actriz 16 anos), com orquestração de Murray Cutter, um arranjador que, trabalhando na sombra dos principais compositores activos em Hollywood, teve dedo nas bandas sonoras de centena e meia de filmes. A 28 de Julho de 1939 – ainda antes da estreia do filme, que teria lugar a 25 de Agosto –, Garland fez nova gravação, desta feita com uma orquestra arranjada e dirigida por Victor Young, a fim de ser editada como single pela Decca. Foi antecedida, em duas semanas, por uma gravação pela orquestra de Glenn Miller, o que sugere que havia ouvidos bem despertos para o potencial comercial da canção ainda antes de o filme se ter convertido num êxito.

A versão de 1939 por Garland acabou por ser incorporada na banda sonora oficial de O Feiticeiro de Oz, ao longo das reedições por que esta foi passando e só em 1956 a versão gravada em 1938 que se ouve no filme passou a estar disponível em disco.

2. Bud Powell

Ano: 1951
Álbum: The Amazing Bud Powell vol. 1 (Blue Note)

A natureza ingénua e onírica de “Over the Rainbow” parece ter despertado o impulso de dois virtuosos do piano jazz das décadas de 1940-50 para a subverter. Um foi Art Tatum (1909-1956), o outro foi o seu “herdeiro” Bud Powell (1924-1966), que a registou em piano solo a 1 de Maio de 1951, numa sessão que, nas restantes faixas, contou com Curly Russell e Max Roach, e que foi editada como LP de 10’’ com o título The Amazing Bud Powell vol. 1.

Como era seu uso, Powell tratou de fragmentar o lirismo da canção com correrias desabridas pelo teclado.

Publicidade

3. Art Tatum

Ano: 1953
Álbum: The Solo Masterpieces (Pablo)

Nas sessões de piano solo que registou em Los Angeles em Dezembro de 1953, Tatum aplicou à canção uma mescla de subversão, imprevisibilidade e virtuosismo similar à de Powell. Acaso Judy Garland tenha ouvido as versões de Powell ou de Tatum, poderia ter repetido a famosa frase “Toto, tenho a sensação de que já não estamos no Kansas”, proferida por Dorothy quando vai parar a Oz. Com efeito, o jazz tem, como o tornado de O Feiticeiro de Oz, o poder de levar as canções pelo ar e de as fazer aterrar numa terra estranha.

4. Stan Kenton

Ano: 1953
Álbum: Sketches on Standards (Capitol)

Ao longo da década de 1940, Stan Kenton dirigiu várias formações orquestrais que acolhiam nas suas fileiras músicos de primeiro plano e obtiveram apreciável sucesso de público e crítica, em parte graças aos inovadores arranjos e composições de Pete Rugolo, que Kenton recrutara em 1945. As dificuldades financeiras vividas pelas big bands na viragem das décadas de 1940-50 levaram a que Kenton dissolvesse e refundasse a sua orquestra várias vezes e que, após gravar os audaciosos Innovations in Modern Music (1950) e New Concepts of Artistry in Rhythm (1952), se visse forçado a fazer “concessões comerciais” com álbuns como Portraits on Standards, Sketches on Standards e Popular Favorites by Stan Kenton (todos gravados em 1953), com programa preenchido por standards bem conhecidos e arranjos que por vezes são estridentes e enfáticos (em Portraits on Standards são, com duas excepções, da autoria de Bill Russo, outro dos colaboradores regulares de Kenton).

Publicidade

5. Teddi King

Ano: 1955
Álbum: Now in Vogue (Vogue)

No final da década de 50, Teddi King tinha conseguido reconhecimento crítico e um modesto sucesso comercial, mas problemas de saúde interromperam-lhe a carreira e só voltaria a gravar em meados dos anos 70. Hoje só os fãs de jazz vocal dos anos 50 se lembram da sua existência, o que é uma grave injustiça para a autora desta versão de “Over the Rainbow”, incluída no seu 2.º álbum e gravada com Nick Travis (trompete), Bob Brookmeyer (trombone), Gene Quill e Sol Schlinger (saxofones), Billy Taylor (piano), Milt Hinton (contrabaixo) e Osie Johnson (bateria).

A versão de King tem a particularidade de incluir os primeiros versos, que são omitidos pela maioria dos cantores: “Quando o mundo parece um sarilho sem remédio/ E gotas de chuva caem por todo o lado/ Quando as nuvens obscurecem o céu/ Há que descobrir a estrada de arco-íris/ Que começa na tua janela”.

6. Sarah Vaughan

Ano: 1955
Álbum: In the Land of Hi-Fi (Mercury)

In the Land of Hi-Fi dá a ouvir a cantora na companhia de uma pequena orquestra de elite, arranjada e dirigida por Ernie Wilkins, e mereceria ser álbum tão conhecido quanto Sarah Vaughan, do ano anterior. A qualidade de som da Mercury, assombrosa para os padrões da época, dá a ouvir todas as nuances e inflexões da opulenta voz de Vaughan.

Publicidade

7. Modern Jazz Quartet

Ano: 1956
Álbum: Fontessa (Atlantic)

O álbum Fontessa foi o 2.º do Modern Jazz Quartet na sua formação “canónica”, ou seja, com o baterista Connie Kay no lugar do original, Kenny Clarke. Porém, Kay não se ouve nesta versão de “Over the Rainbow”, interpretada em duo por John Lewis (piano) e Milt Jackson (vibrafone) e em que o contrabaixista Percy Heath apenas tem discreta intervenção.

8. Dorothy Donegan

Ano: 1957
Álbum: At the Embers (Roulette)

A Dorothy que aqui “canta” “Over the Rainbow” é tão improvável quanto o mundo de Oz. Dorothy Donegan (1922-1998) foi uma das raras mulheres a afirmar-se como instrumentista num meio que apenas lhes admitia o papel de cantoras.

Donegan estreou-se a gravar aos 20 anos, em 1942, e no ano seguinte actuou no Orchestra Hall da Sinfónica de Chicago, um evento que teve a particularidade de ter programa repartido entre repertório erudito – Grieg e Rachmaninov – e jazz e de ter sido a primeira actuação de um afro-americano na prestigiada sala. A primeira gravação como líder desta “protegida” de Art Tatum foi realizada em 1946 e At the Embers capta-a no Embers Night Club, em Nova Iorque, a 23 de Março de 1957, com William Pemberton ou Oscar Pettiford (contrabaixo) e Charles C. Smith (bateria). O piano soa algo estridente na gravação, mas não impede que se constate a originalidade e traquinice da leitura de Donegan.

As qualidades de Donegan como pianista e arranjadora não bastaram para a tirar da obscuridade e só na década de 80 logrou obter algum reconhecimento.

Publicidade

9. Bud Shank

Ano: 1957
Álbum: Plays Tenor (Pacific Jazz)

No início dos anos 50, o saxofonista alto Bud Shank foi um dos esteios da orquestra de Stan Kenton e assinou copiosa discografia em nome próprio ao longo dos anos 50-60, tendo sido pioneiro na fusão do jazz com música brasileira (com Holiday in Brazil, em 1959, três anos antes do seminal Jazz Samba de Stan Getz & Charlie Byrd). Este registo de 1957 com Claude Williamson (piano), Don Prell (contrabaixo) e Chuck Flores (bateria) revela, como o título indica, as suas aptidões num instrumento que não era usualmente o seu: o saxofone tenor.

10. Ella Fitzgerald

Ano: 1960-61
Álbum: Ella Fitzgerald Sings the Harold Arlen Songbook (Verve)

Harold Arlen foi o compositor contemplado no 6.º álbum da série de Song Books que Ella gravou para a Verve e contou com arranjos de Billy May. Ouve-se “Over the Rainbow” e só nos resta pasmar perante a clareza, controlo, elasticidade e precisão do fraseado da cantora.

Mais versões

Música, Jazz, Billie Holiday
@William P. Gottlieb

11 versões de “Summertime”

Música Jazz

É uma das mais populares canções de George Gershwin, tendo sido alvo de milhares de gravações. Ouvi-las todas deixar-lhe-ia pouco tempo para gozar os outros prazeres do Verão, por isso escolhemos 11 que são imperdíveis.

Folhas de Outono
©DR

Dez versões de “Autumn Leaves”

Música

Estas folhas outonais têm ascendência franco-húngara mas só quando o vento as soprou sobre o Atlântico e chegaram aos EUA se tornaram num dos standards favoritos dos músicos de jazz.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade