Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Glassjaw: "Continuamos irritados, talvez mais do que nunca"

Glassjaw: "Continuamos irritados, talvez mais do que nunca"

Os Glassjaw vão finalmente estrear-se em Lisboa no domingo. Falámos com o vocalista Daryl Palumbo.

Glassjaw
Publicidade

Os Glassjaw foram uma das mais destacadas bandas da cena pós-hardcore dos anos 2000. Mas nunca tinham tocado em Lisboa. Até agora. Domingo sobem ao palco do Lisboa Ao Vivo, e antes quisemos falar com o vocalista Daryl Palumbo sobre o mais recente álbum, Material Control, sobre os discos que vieram antes e sobre a forma como encaram hoje o que escreveram quando eram mais novos, incluindo algumas letras mais misóginas do álbum de estreia, Everything You Ever Wanted to Know About Silence, de 2000.

O vosso terceiro álbum, Material Control, saiu finalmente em 2017, mas vocês andavam a falar nele desde 2007. Estiveram estes anos todos a trabalhar no disco?
Não, de todo. Escrevemos quase tudo pouco antes de começarmos a gravar, há coisa de três anos. As canções foram ganham forma ao longo de uns meses, quando eu e o Justin [Beck, o guitarrista e o único outro membro permanente do grupo] nos encontrávamos para tocar aos fins-de-semana. Não há nada no disco que não tenha aparecido nessa altura.

Não é bem assim. A “Citizen”, por exemplo, é uma canção muito antiga. Lembro-me de vocês a tocarem há mais de 15 anos, quando ainda se chamava "Neo Tokyon".
Tens alguma razão. As letras são as mesmas, se bem que instrumentalmente esta versão é diferente daquela que tocávamos em meados dos anos 2000. É mais directa.

Passaram-se 15 anos entre a edição do Worship and Tribute, em 2002, e a chegada do Material Control. Se não estiveram a trabalho no disco o que andaram fazer?
Gravámos alguns EPs e demos concertos. Como não tínhamos uma editora nem nada disso muitas pessoas não se aperceberam do que andávamos a fazer, porém estivemos sempre ocupados. E também desenvolvemos alguns projectos paralelos.

O vosso primeiro álbum, Everything You Ever Wanted To Know About Silence, era um disco de separação, que vinha na ressaca de uma ou mais relações. O segundo era sobre o 11 de Setembro e as suas consequências imediatas. Qual dirias que é o tema central do Material Control?
Diria que não tem um tema central. Acho que, quando és mais novo, te deixas influenciar muito pelo que se passa à tua volta. Especialmente quando és um tipo criativo, como eu ou o Justin. Talvez por isso, os primeiro discos reflectem mais aquilo por que estávamos a passar na altura em que os gravámos. São quase como um anuário do liceu ou um álbum de fotografias desse período. Mas agora somos mais velhos. Eu tenho 40 anos e o Justin faz 40 este ano, por isso a nossa vida tem outras nuances. Se houver um tema central é capaz de ser precisamente o facto de estarmos mais velhos e mais sensatos. O que não quer dizer que o disco seja menos violento e imediato. Basta ouvi-lo para perceber que continuamos irritados, talvez mais do que nunca.

O que é que te irrita agora?
Ui. Não sei se quero responder a isto. Tenho medo de soar mesquinho, porque na verdade não tenho grandes razões para estar irritado e não quero parecer um velho resmungão como o Woody Allen ou assim. Mas irritam-me as mesmas coisas que irritam toda a gente: a desigualdade, o racismo, o ódio, o preconceito, as guerras sem fim em que estamos envolvidos. Tudo o que o meu presidente faz irrita-me. Sei que isto é tudo um bocado óbvio, no entanto não tenho mesmo uma resposta melhor para te dar. Desculpa.

Quem é que vai aos concertos dos Glassjaw? É o pessoal que vos ouvia há 15 ou 20 anos e cresceu com a banda, ou também há malta mais nova?
Acho que há de tudo, mas não tenho a certeza. Nunca deixámos de tocar, e sempre vi pessoas com um ar jovem nos concertos. Se calhar é pessoal mais velho, mas que ainda parece jovem [risos]. Continuamos a ter muito mosh nos nossos concertos.

Vocês praticamente já não tocam canções do Everything You Ever Wanted To Know About Silence. Porquê?
Porque são velhas. E nós somos mais velhos. Acho que não fazem sentido ao lado do material mais recente. Evoluímos muito musicalmente. E é claro que liricamente essas canções não reflectem aquilo em que acreditamos nem o que defendemos hoje. Dizia coisas muito estúpidas e misóginas. Era tudo meio teatral, e não acreditava verdadeiramente naquilo, mas agora então não me revejo mesmo nas coisas que cantava. Cresci enquanto pessoa e a minha vida mudou. Hoje sou mais maduro, sou um pai. Fico mesmo irritado com misoginia e com o sexismo em geral.

Imagino que tenham muitas fãs femininas que cresceram a ouvir o Everything You Ever Wanted To Know About Silence sem questionarem o quão erradas eram certas letras, e hoje se sintam desconfortáveis com aquilo.
Claro. É como te digo, cantava muitas coisas parvas e imaturas. Hoje eu – e uso a palavra “eu” porque fui eu que escrevi aquelas letras – sei que estava a dizer coisas estúpidas. Muitas das pessoas que me ouviam eram adolescentes, eram ainda muito novas, e talvez não se apercebessem do quão errado aquilo era. Era paleio de rapazinho ignorante, era lixo. Espero que as raparigas que ouviram aquilo, agora que são mais velhas, pensem e digam que eu era um animal. Porque é verdade. Eu mereço isso.

Estou a ver que tu próprio te sentes desconfortável com isto.
Não me sinto desconfortável. Disse aquilo, e tenho de assumi-lo. Só que agora não me identifico com aquele disco e acho que as pessoas não devem falar como eu falava. Nem a brincar. Hoje nunca o faria. Porque não deves falar assim de uma pessoa, não deves dizer coisas horríveis sobre raparigas. Escrevi coisas que hoje nem sequer me consigo imaginar a sentir, contudo a verdade é que as escrevi e partilhei com as pessoas, e elas cresceram a ouvir essas merdas. Nunca pensei no futuro e em como é que isso podia afectá-las mais tarde. Não era muito inteligente. E hoje acho que sou. Ou pelo menos tenho outra noção das coisas.

Conversa fiada

Música

Animal Collective: "Os corais são quase alienígenas"

As canções dos Animal Collective e as filmagens subaquáticas dos Coral Morphologic confluem em Tangerine Reef, um álbum audiovisual com preocupações ambientalistas. Falámos com Brian Weitz, ou Geologist, sobre o novo disco, a ausência temporária de Panda Bear, a política (anti)ambiental do actual governo americano. E recifes de coral.

Anna Calvi
© Maisie Cousins
Música

Anna Calvi: “Estou farta de ver mulheres a serem caçadas”

O novo álbum da cantora britânica Anna Calvi, Hunter, é uma boa surpresa. O registo é assumidamente queer e aborda abertamente questões que, até agora, se encontravam apenas nas entrelinhas do seu trabalho, ou melhor, de algumas canções. E, para ela, “foi natural” que as mesmas questões dominassem o disco.

Publicidade
Panda Bear
Inês Félix
Música

Panda Bear: "Quis fazer um disco mais vazio"

Noah Lennox, vulgo Panda Bear, é um dos mais influentes músicos independentes deste século. A viver em Lisboa há mais de uma década, foi responsável por discos seminais como Person Pitch, de 2007, ou Merriweather Post Pavillion (2009), dos Animal Collective, mas isso não lhe subiu à cabeça. Falámos sobre o novo álbum, Buoys.

Publicidade