Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Jorge Palma celebrou 70 Voltas ao Sol no Castelo de São Jorge [fotogaleria]
70 Voltas ao Sol1/7
©José Frade/EGEACJorge Palma acompanhado por um ensemble clássico e pelo Maestro Cesário Costa
2/7
©José Frade/EGEACJorge Palma e Cristina Branco cantam "Estrela do Mar"
70 Voltas ao Sol3/7
©José Frade/EGEACJorge Palma e Cristina Branco em "Ai Margarida"
70 Voltas ao Sol4/7
©José Frade/EGEACO espectáculo reuniu 22 êxitos de Jorge Palma
70 Voltas ao Sol5/7
©José Frade/EGEACPalma trocou o piano pela guitarra em quatro temas
70 Voltas ao Sol6/7
jose fradeFilipe Melo e Filipe Raposo fizeram os arranjos para a orquestra
70 Voltas ao Sol7/7
jose fradeFernando Medina entrega a Medalha de Mérito Cultural de Lisboa

Jorge Palma celebrou 70 Voltas ao Sol no Castelo de São Jorge [fotogaleria]

Fomos ao concerto comemorativo dos 70 anos de Jorge Palma, que deu música e muita cor ao Castelo de São Jorge.

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Compositor, letrista, cantor e uma das mentes mais brilhantes da música portuguesa contemporânea. Jorge Palma fez 70 anos a 4 de Junho, mas no sábado 12 de Setembro partilhou as suas 70 voltas ao Sol com o público, num concerto ao ar livre chamado precisamente 70 Voltas ao Sol e organizado pela EGEAC no Castelo de São Jorge, no âmbito da programação Cultura na Rua, que decorre até ao final do mês. Foi transmitido ao vivo nas redes sociais e na noite de 1 de Outubro, Dia Mundial da Música, será exibido na RTP1. Spoiler: no final do espectáculo, Jorge Palma recebeu a Medalha de Mérito Cultural de Lisboa.

Passavam poucos minutos da hora marcada (21.30), quando Jorge Palma percorreu as laterais que circundavam uma pequena plateia ao ar livre composta por fãs e convidados, em direcção ao palco. Lá em cima, esperava-o o maestro Cesário Costa com um ensemble clássico de cordas, sopro e percussão, para acompanhar Palma ao longo da noite e dos temas mais emblemáticos do aniversariante. Mas com uma roupagem diferente: os arranjos foram feitos pelos músicos Filipe Melo e Filipe Raposo.

A primeira nota saiu da orquestra, num prelúdio que antecedeu o primeiro tema, “O Meu Amor Existe”, do álbum (1991). Seguiu-se uma série de 12 êxitos que Jorge Palma interpretou ao piano, sempre acompanhado pela orquestra, como “Bairro do Amor”, “Lado Errado da Noite”, “Só” ou “Canção de Lisboa”, uma composição inspirada na Sinfonia Nº 1 de Mahler, como exemplificou a orquestra em palco. E mais dois temas com João Palma ao piano – “Passeio dos Prodígios” e “Valsa de um Homem Carente” – e um terceiro com a convidada especial da noite. Cristina Branco entrou a meio de “Estrela do Mar” e ficou para “Ai Margarida”, um poema de Álvaro de Campos com música de Mário Laginha, que cantaram juntos e com orquestra.

O ensemble juntou-se a Jorge Palma para mais dois temas, “Essa Miúda” e “Portugal Portugal” que fechou a primeira ronda do concerto. Para o encore, o músico levantou-se do piano para abraçar a guitarra, em “Jeremias”, “Terra dos Sonhos” e “A Gente Vai Continuar”, que voltou a unir todos os músicos em palco, para finalizar uma noite em cheio. Em particular para Palma, que no final teve direito a uma surpresa: recebeu a Medalha de Mérito Cultural de Lisboa, entregue por Fernando Medina. Marcelo Rebelo de Sousa, um dos espectadores do concerto, também subiu ao palco para anunciar: “Só falta o Mérito Nacional, mas não podia ser na mesma noite. Vai ser no Palácio de Belém e de dia”.

Recomendado: Concertos em Lisboa em Setembro

Mais música portuguesa

Música, Produtor, David Bruno
©Renato Cruz Santos

David Bruno: “Portugal é uma mina de ouro”

Música

Conhecemos David Bruno sobretudo como produtor (do Conjunto Corona a PZ), mas nos seus discos a solo revelou ser um mirabolante contador de histórias das zonas esquecidas de Portugal. Depois de se debruçar sobre Vila Nova de Gaia, criou um álbum visual sobre a zona raiana da Beira Alta e Trás-os-Montes, mas dedicado a todas as aldeias do Portugal interior.

David Fonseca
© DR

David Fonseca: “A música sempre foi um porto seguro”

Música

David Fonseca já soma 17 anos de carreira a solo, mas nunca lançou um best of. Como é que uma pessoa nada dada a retrospectivas decide, de repente, lançar uma compilação de lados B e raridades? A culpa foi da pandemia, que nos fechou em casa e nos forçou a olhar para dentro.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade