A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
  1. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  2. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  3. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  4. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  5. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  6. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  7. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  8. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  9. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  10. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  11. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  12. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  13. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  14. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  15. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    Duarte Drago
  16. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    DUARTE DRAGO
  17. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    DUARTE DRAGO
  18. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    DUARTE DRAGO
  19. Carlos do Carmo no Coliseu dos Recreios
    DUARTE DRAGO

O encanto do “príncipe” Carlos do Carmo na hora da despedida [Fotogaleria]

O maior fadista do nosso tempo disse adeus aos palcos neste sábado, com um concerto final no Coliseu dos Recreios. Carlos do Carmo agradeceu, Lisboa condecorou-o.

Escrito por
Hugo Torres
e
Duarte Drago
Publicidade

Ninguém sabe dizer adeus. O Coliseu dos Recreios, cheio e engalanado para o último espectáculo da longuíssima carreira de Carlos do Carmo, voltou a prová-lo neste sábado. O público absteve-se de comoções e euforias; o fadista cumpriu o alinhamento à risca, emprestando à noite a sua inconfundível e ainda pujante voz, gracejando, agradecendo, recordando, mas com uma serenidade contrastante com o momento. Ninguém sabe dizer adeus, ou talvez ninguém esteja convicto de que não voltaremos a ver Carlos do Carmo ao vivo. A chave, quem sabe, está nos primeiros versos que cantou: “Vim para o fado e fiquei.../ Sou corda de uma guitarra/ A que mais geme e soluça”. E por muito que tenha terminado, com um impressionante “Por Morrer Uma Andorinha” sem amplificação, como se estivéssemos numa enorme casa de fados, o pássaro que se apresentou em palco estava longe de se encontrar moribundo, muito menos se vislumbrou um perigo para a Primavera.

Foi difícil ver um fim no concerto deste sábado, embora fosse esse o declarado propósito. E por isso o alinhamento estava impregnado de temas intemporais – como “Lisboa Menina e Moça”, “Gaivota”, “O Cacilheiro”, "Homem das Castanhas" ou “Os Putos” –, com memórias antigas e mais recentes (a colaboração com a Count Basie Orchestra em 2010, o Grammy em 2014), homenagens a parceiros de outrora como José Carlos Ary dos Santos e Bernardo Sassetti, e mensagens em vídeo gravadas por artistas e amigos de Carlos do Carmo. Foi aqui que o Presidente da República declarou o fadista, prestes a fazer 80 anos, como um “príncipe republicano”. Marcelo estava na sala. Ana Moura, Camané, Aldina, Mariza, Jorge Palma, José Cid, Sérgio Godinho, Pedro Abrunhosa, Simone… tantos naqueles vídeos. Todos: apesar de caído em desgraça, Carlos do Carmo não deixou cair o amigo Carlos Cruz, e ele lá estava, na tela.

A devoção a Sinatra não faltou; à mulher, Maria Judite, com quem está casado há 55 anos, quase tantos como os que leva a cantar (57), também não. O ramo de flores foi para ela, chamada a palco por António Costa. O primeiro-ministro juntou-se à ministra da Cultura, Graça Fonseca, para condecorar o fadista com a medalha de mérito cultural. Minutos antes, Fernando Medina tinha entregado a Carlos do Carmo as chaves da cidade de Lisboa. “Ele merece”, alguém gritou da plateia. O público acompanhou-o em alguns dos êxitos, cantado amena e envergonhadamente, e sempre incentivado. Mas Carlos do Carmo não conseguiu terminar a sua carreira de palco sem aplicar a mesma reprimenda que bem lhe conhecemos, quando a audiência se entusiasmou: “O fado é só cantado. Palmas é no folclore”.

No final, quando se chegou à boca de cena para a derradeira ovação, houve um indivíduo que confundiu o último espectáculo do maior fadista vivo por um evento protocolar, e chegou-se à frente para desviar a atenção do protagonista – razão única para toda aquele gente se ter deslocado às Portas de Santo Antão – e avisá-lo de que se tinha esquecido de agradecer a presença do secretário-geral da ONU, António Guterres, que ocupava o camarote frontal com a restante comitiva política. Carlos do Carmo ficou visivelmente transtornado, recusando sair de palco com os restantes músicos (José Manuel Neto, Carlos Manuel Proença, Marino de Freitas e João Santos), revistando atarantado a abertura do pano de boca, já descido, para de lá de trás tirar um microfone e apresentar as suas desculpas. O seu acto final em palco foi um pedido de desculpas. É meramente simbólico, mas não merecia. 

O novo disco, prometido para daqui a poucos meses, com letras de Herberto Helder ou Hélia Correia, terá a função acrescida de nos fazer esquecer este momento. E a julgar pelo inédito que se ouviu no Coliseu, "Mariquinhas.com" (obra de um Vasco Graça Moura "brejeiro"), será bem-sucedido. Voltaremos a ouvi-lo, e talvez nem nos fiquemos por aí.

Mais Carlos do Carmo

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade