Paul Thomas Anderson: "O Reino Unido é um lugar cinemático"

O realizador Paul Thomas Anderson fala sobre o último papel de Daniel Day-Lewis, o protagonista de 'Linha Fantasma'

Photo : Laurie Sparham / Focus FeaturesPaul Thomas Anderson

Linha Fantasma é mais uma pérola de Paul Thomas Anderson, com Daniel Day-Lewis no papel de Reynolds Woodcock, um costureiro controlador e vaidoso. Enquanto bebia um chá verde, numa suíte de hotel, o realizador californiano contou-nos a história por detrás deste filme estranho e engenhoso.

 

Este é o teu primeiro filme rodado ou passado fora da Califórnia. O que surgiu primeiro: a ideia ou a localização?

Há tempos que andava activamente à procura de algo que fazer no Reino Unido. É um lugar inerentemente cinemático, sobretudo para uma história de época. Originalmente tinha pensado filmar em Cornwall, mas não se concretizou.

Linha Fantasma parece uma carta de amor à cidade, mas estranhamente não tem muitos monumentos reconhecíveis.

O filme existe num plano efabulado que se encontra para lá do real. A realidade teria sido um pouco mais escura, um pouco mais suja, um pouco mais bombardeada.

A Vicky Krieps foi uma descoberta incrível. Tem uma presença e energia muito invulgares.

Ela tem um bom olhar. Consegue neutralizar a cara de maneira a que nunca saibas bem com o que contar.

O Daniel está incrível no filme. Quando saiu a notícia de que se tinha reformado, alguém escreveu no Twitter que ele se estava a preparar para interpretar um actor reformado.

(Risos) Que ele estava a estudar para o papel?

Exacto. As pessoas têm uma ideia errada dele?

Aposto que aquilo que as pessoas não vêem é o quão engraçado ele consegue ser. Ele não tem essa reputação, mas é mesmo engraçado. É muito astuto e isso percebe-se pela sua interpretação.

Eu parti-me a rir durante a cena do pequeno-almoço, mas depois fiquei a pensar se era suposto rir-me.

Sim. Acho que se te deixas levar pelo filme, e sentes que és parte da casa do Woodcock, não tens a certeza se podes fazer barulho ou não. [O Reynolds] estabelece tão cedo que tem de haver silêncio ao pequeno-almoço, que deixa o público desconfortável. É tão exageradamente sério que chega a ser engraçado.

Tens quatro filhos. Suponho que o pequeno-almoço não seja um ritual silencioso.

Não teria sido óptimo que os tivesse treinado para ficarem completamente calados ao pequeno-almoço? Mas não, é exactamente o contrário. É um caos, que é como eu gosto.

Homens e mulheres estão a reagir ao filme de forma diferentes?

Completamente. Identificas-te sempre com certas pessoas, e acho que muita gente gosta de se rever nos hábitos de pequeno-almoço de um personagem. De uma maneira geral, a coisa parece dividir-se em duas categorias: as pessoas silenciosas e as pessoas barulhentas. Por exemplo, a minha irmã… se há barulho ao pequeno-almoço, passa-se.

Muita gente falou sobre a masculinidade tóxica do Reynolds. Aquela ideia do homem poderoso que abusa do seu poder.

Isso é sequer masculinidade? É mais infantil, é atrofiado. A masculinidade tóxica é uma frase muito moderna, parece-me, e podes aplicá-la a este caso, mas isto é mais uma questão de bloqueio de desenvolvimento. A mãe tratou-o como um menino de ouro, mas o que acontece quando o rapaz cresce e ainda se comporta como uma criança? Há 300 mulheres nesta casa, a tratarem dele, a garantir que não vai tudo a baixo, e a relação dele com essa intimidade… É complicado.

O Daniel disse que a vossa colaboração foi tão intensa que a dada altura estavam a trocar mensagens com ideias para o nome do personagem. Mas quando começaram a filmar tornou-se um pouco triste.

Sim, eu sei ao que ele se refere. Quando olhas para trás, as brigas que tens com alguém sobre o facto de servirem espargos ao jantar podem ser muito engraçadas – e na manhã seguinte dás por ti a pensar no que passou – mas na altura não têm graça nenhuma. Passámos muito tempo envoltos nas cenas combativas entre eles os dois, apesar de também ter havido muitas gargalhadas.

Tenho de perguntar: o Daniel usa emojis?

Não. Ele tem um telefone dos antigos. Ele sabe o que isso é, mas nunca esteve perto de um emoji na vida. Ele ainda tem de passar por três letras, “J-K-L”, antes de chegar ao “L”.

É só paleio

Richard Linklater: "Dei por mim a pensar na guerra"

Ao longo dos anos, em clássicos como Slacker, Juventude Inconsciente ou Boyhood – Momentos de Uma Vida, o realizador e argumentista Richard Linklater aprimorou um estilo de cinema descontraído e dialogante, revelando verdades escondidas nos momentos mais subtis. O último filme de Linklater, um drama de câmara íntimo sobre um trio de veteranos da Guerra do Vietname – interpretados por Bryan Cranston, Laurence Fishburne e Steve Carell – adapta um romance de Darryl Ponicsan de 2005.

Ler mais
Por Joshua Rothkopf

Rian Johnson: “Star Wars é sinónimo de diversão”

Há quem já considere Rian Johnson o novo George Lucas, apesar de Star Wars: Os Últimos Jedi – ou o Episódio VIII para quem ainda não parou de contar – ainda nem se ter estreado. Quando nos sentamos com ele, em Los Angeles, o novo filme ainda não se estreou, no entanto o realizador já sabe o que o futuro guarda: deram-lhe as chaves de toda a galáxia e vai realizar mais três capítulos de Star Wars. Mas antes, promete ele, Star Wars: Os Últimos Jedi vai ter momentos muito intensos.

Ler mais
Por Joshua Rothkopf
Publicidade

Joe Wright: "Churchill teve de cometer muitos erros"

Joe Wright é conhecido sobretudo por filmes retintamente britânicos, como Orgulho e Preconceito, de 2005, ou Expiação, de 2007. Depois do fracasso de Pan – Viagem à Terra do Nunca, de 2015, regressou agora à sua terra de origem com A Hora Mais Negra, uma exploração intimista da decisão de Winston Churchill enfrentar Hitler, com um Gary Oldman em plena forma, que desaparece no papel do primeiro-ministro britânico.

Ler mais
Por Alex Godfrey

Comentários

0 comments