A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Barbie, Love Wins, Aimee Song
©2017 Mattel

A Barbie tem uma namorada?

Era bom. A polémica instalou-se no Twitter, mas afinal o assunto era antigo e a boneca LGBT+ ainda está guardada no armário da Mattel. Contamos-lhe tudo.

Por Clara Silva
Publicidade

A fotografia de uma Barbie com uma T-shirt “Love Wins”, de apoio à comunidade LGBT, criou na semana passada a expectativa de que a Mattel estava prestes a lançar uma Barbie queer. “Acabei de descobrir que a Barbie tem uma namorada”, escrevia uma utilizadora do Twitter, num post que tornaria o assunto viral. Será que 2021 estava prestes a trazer-nos uma versão LGBT+ da mais famosa boneca do planeta?

O jornal britânico The Independent até pegou no tema, escrevendo que a Mattel andava a diversificar opções, com uma “Barbie com burka”, uma “Barbie presidente negra” e uma “Barbie numa cadeira de rodas”. Mas, afinal, o entusiasmo não tinha fundamento. Não está prevista nenhuma Barbie LGBT. Pelo menos que se saiba. A origem da imagem partilhada remonta a 2017, quando foi publicada na página oficial de Instagram Barbie Style (@BarbieStyle), numa iniciativa conjunta com a cantora americana Aimee Song, tendo em vista ajudar o Trevor Project, uma ONG criada para prevenir o suicídio de jovens LGBT+.

A própria cantora, que diz ser “aliada” da comunidade, fez um vídeo em que explicava a história da sua boneca, a “namorada da Barbie”. “Decidi que, se ia ter a minha própria boneca, queria que ela fizesse um statement e vesti-lhe uma T-shirt #LoveWins que desenhámos”. Esta hasthag tornou-se viral em 2015, na altura da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo nos Estados Unidos, e foi em Junho de 2017, mês Pride, usado nas T-shirts das duas bonecas para dar visibilidade à campanha do Trevor Project.

No post de 2017, a Barbie original e a boneca de Aimee Song aparecem de mãos dadas, ao lado de um cão. “Orgulhosa de usar esta T-shirt ‘Love Wins’”, lia-se na altura na página oficial da Barbie. “Uma iniciativa tão inspiradora e dias fabulosos que passei com a Aimee, ela é uma boneca!”

A cantora contou à Vogue que, na altura da escolha da roupa, pensou que a Mattel ia dizer que não. “A Barbie ainda não se tinha pronunciado sobre o casamento gay ou sobre a comunidade LGBT+. Eles concordaram totalmente.” Aimee Song afirmou que “ver a boneca nas tendências do Twitter agora, e de uma forma tão positiva e normalizada, é apenas uma reafirmação de todo o trabalho e progresso que fizemos na comunidade LGBTQ+”.

O site Pink News, de notícias LGBT+, sublinha que “infelizmente a Barbie ainda não tem uma namorada nem faz parte (que nós saibamos) da comunidade LGBT”. No entanto, são grandes progressos. Em 2019, a Mattel lançava bonecas gender-neutral, a pedido de várias famílias. “Algumas crianças ‘creative-gender’ disseram-nos que temiam o dia de Natal porque sabiam que o que quer que estivesse debaixo da árvore de Natal, não era feito para eles”, dizia na altura à Time Monica Dreger, da Mattel. “Esta é a primeira boneca debaixo da árvore que podes perceber que é para eles, porque pode ser para qualquer pessoa.”

No ano passado, a Barbie também apoiou o movimento Black Lives Matter, com vídeos sobre racismo no seu canal de YouTube. Neste momento há Barbies com 22 cores de pele diferentes, 76 tipos de cabelo, 94 cores de cabelo e 13 cores de olhos. Talvez a Barbie Pride esteja para breve, mas para já a Mattel ainda não se pronunciou.

+ Tika, um ícone gay improvável

+ Leia a edição desta semana da Time Out Portugal

Últimas notícias

    Publicidade