Notícias

À décima loja, a Gleba chega ao Príncipe Real também com café de especialidade

Continua a expansão da marca criada por Diogo Amorim. Até ao final do ano, esperam-se mais aberturas.

Cláudia Lima Carvalho
Gleba Príncipe Real
Francisco Romão Pereira
Publicidade

Começou pelo pão e é no pão que se mantém o foco e pelo qual se distingue, mas é justo dizer que a Gleba é hoje muito mais do que uma padaria. No Príncipe Real, no lugar de uma antiga ourivesaria, nasceu a décima loja com uma oferta que não quer só servir o bairro, mas quem ali passa com várias opções de grab & go (também por isso a aposta no café de especialidade).

Gleba Príncipe Real
Francisco Romão Pereira

O espaço não é muito grande e segue a linha de todas as outras lojas: tons claros, o pão como chamariz. Mas à semelhança do que tem vindo a acontecer, na Gleba a montra é cada vez mais ecléctica. Cresce a oferta de padaria, como cresce a oferta de pastelaria, sendo os baulettos, produzidos todos os dias, uma das mais recentes novidades – não faltam ainda os croissants, os brioches ou os mini panettones. 

Gleba Príncipe Real
Francisco Romão Pereira

Nas opções para pegar e levar, além do café da Sgt. Martinho, há cervejas da Musa e as sodas da Why Not. Para comer, destacam-se as focaccias, aqui disponíveis às metades. Há de azeite e alecrim (1,70€), de cebola caramelizada (1,98€) e de tomate e manjericão (1,98€). E, para levar para casa, mantém-se a venda de produtos que acompanham sempre bem com o pão: os chás da Companhia Portugueza do Chá; os húmus da Epic Hummus; a mozzarella e burratas da Il Bocconcino; os queijos de Azeitão da Queijaria Simões; a charcutaria da Absoluto; os fumados da Hardy; os vinhos escolhidos por Os Goliardos; os azeites e azeitonas da Caixeiro; ou os confitados da Umami.

Gleba Príncipe Real
Francisco Romão Pereira

“Todas as nossas lojas são especiais e a décima não podia ser diferente. À décima, no coração do Príncipe Real, incluímos o café de especialidade na nossa oferta diária e assumimos, como todos os dias, a marca que somos: jovem e cosmopolita, sempre atenta ao que a rodeia enquanto cria o seu caminho; aberta para a cidade, para quem nela vive e para quem a visita”, reage em comunicado Diogo Amorim, avançando “mais aberturas, mais inovação, mais transformação” ainda para este ano.

Rua Dom Pedro V, 9 (Príncipe Real). Seg-Dom 07.00-21.30.

O Fialho, de Évora, muda-se para o JNcQUOI Avenida na próxima semana

+ No Gambrinus, ao balcão, o tempo passa devagar e nunca fora de moda

Últimas notícias

    Publicidade