A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Fire Shut Up in My Bones
DRFire Shut Up in My Bones

A Metropolitan Opera regressa ao ecrã da Gulbenkian em Outubro

Depois de um ano e meio de interrupção, volta a ser possível ver a Met Opera Live em HD. ‘Fire Shut Up in My Bones’ de Terence Blanchard é a primeira ópera da temporada.

Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Como tantas outras salas de espectáculos, a Metropolitan Opera House de Nova Iorque foi forçada pela pandemia de Covid-19 a fechar as portas, em Março de 2020. Reabriu finalmente em Setembro deste ano, e a partir de 23 de Outubro volta a transmitir as suas óperas para todo o mundo em HD. Em Portugal, é mais uma vez possível vê-las na Fundação Gulbenkian, às 18.00 do mesmo dia.

A primeira transmissão da temporada 2021/2022 da Met Opera Live em HD é Fire Shut Up in My Bones. Composta por Terence Blanchard, um trompetista premiado com Grammys e nomeado para dois Óscares e um Globo de Ouro pelas suas colaborações com Spike Lee, é uma ópera infectada pelo jazz e a primeira criação de um compositor negro apresentada pela companhia desde a sua fundação, em 1883.

O libreto de Kasi Lemmons é baseado em Fire Shut Up In My Bones, livro de memórias de Charles M. Blow, colunista do The New York Times, que cresceu com dificuldades no estado do Louisiana, no sul dos EUA. O espectáculo é dirigido pelo maestro Yannick Nézet-Séguin e conta com as sopranos Latonia Moore, Angel Blue e o barítono Will Liverman.

Segue-se, a 20 de Novembro, Boris Godunov. Baseada na peça homónima de Alexander Pushkin, a ópera de Modest Mussorgsky acompanha um período conturbado na história do império russo, quando Boris Godunov toma o poder, na sequência da morte de Ivan IV, o Terrível. O alemão René Pape interpreta o ambicioso czar, enquanto o compatriota Sebastian Weigle dirige a orquestra.

Por fim, a 4 de Dezembro, Eurydice encerra o ano, mas não este ciclo – há mais Met Opera Live em HD para ver em 2022. Composta por Matthew Aucoin, com libreto de Sarah Ruhl, baseado na peça homónima da autora, a versão de Eurydice que agora a Metropolitan Opera transmite foi estreada em Fevereiro de 2020, em Los Angeles, pouco antes da pandemia ter virado o mundo do avesso. Yannick Nézet-Séguin é o maestro e a soprano Erin Morley interpreta o papel principal.

Desde 2010 que as transmissões da Met Opera Live em HD no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian são um dos pontos altos das Temporadas Gulbenkian Música. Ao longo do último ano e meio, o público que costuma esgotar a lotação da sala sentiu a sua falta. Os bilhetes custam 25€.

+ Sete razões para se apaixonar pela ópera romântica russa

+ Leia a edição digital da Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade