A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Oficina Impossível
Fotografia: Inês Félix

A nova galeria de Lisboa é uma Oficina Impossível

Por Raquel Dias da Silva
Publicidade

Abriu no ano passado na Calçada Marquês de Abrantes, mas ganhou agora vida nova. A Oficina Impossível já não é uma loja de arte e peças vintage, livros e vinis. O espaço, que inclui um cowork, passou a ser “uma galeria viva com artistas e artesãos lá dentro”. A primeira exposição promete um colectivo improvável.

Antes de ser o que é hoje, foi uma mercearia, um atelier de arquitectura e até uma biblioteca genealógica. No número 102 da Calçada Marquês de Abrantes, em Santos-o-Velho, vive agora a Oficina Impossível, onde os sonhos de artistas e artesãos se concretizam à medida das suas vontades. E, apesar de estar de portas abertas desde 2019, a loja de Catarina Pombo Nabais está prestes a ganhar vida como galeria. "12+1: A primeira vez", que se estreia esta sexta-feira, às 18.00, é a primeira exposição. 

Encostada a uma parede, uma pintura abstracta, numa tela de três metros por dois, contrasta com o ambiente ainda meio despido, meio desordenado, de uma casa em renovação. É de David Reis Pinto e far-se-á acompanhar dos trabalhos de Air_Billy, Clo Bourgard, Black Mendes, Dedo Mau, Jacky Cavallari, Joana Pimenta Oliveira, Lourenço Lomelino, Rolando Marcolini Jr, Patrícia Mesquita, Rita Dias e Zandlou. “São apenas 12 artistas, mas um deles era suposto apresentar uma colaboração, daí termos pensado em brincar com a ideia do 12+1”, esclarece Catarina. “O nome ficou, mas o +1 será o público.”

Oficina Impossível
Catarina Pombo Nabais e a pintura de David Reis Pinto
Fotografia: Inês Félix

Este é um “projecto de amor”, confessa. Formada em Filosofia e História da Arte, Catarina tem “várias vidas”. Quando não está na Oficina Impossível, orienta teses de doutoramento e faz investigação no Laboratório de Ciência, Arte e Filosofia da Faculdade de Ciências de Lisboa. “Tenho também por isso experiência em curadoria. Fui uma das responsáveis, por exemplo, pela exposição 'O Mais Profundo é a Pele', nomeada pela Time Out em 2017 como uma das melhores do ano”, recorda. “Gosto de escrever e ler, gosto de dar aulas e estar com os alunos, mas também adoro trabalhar com artistas e portanto vou agarrando o tempo que a vida me dá.

As horas de sono são poucas, mas a paixão é manifesta. “Lembro-me de ficar deslumbrada com estas prateleiras”, revela, com um brilho no olhar. “Tenho imensos livros e fazia todo o sentido ter livros cá, termos um recanto com a chaise longue, para conversas com escritores e sessões de poesia. Entretanto é um desafio.” É que, com vontade de assumir o “espaço expositivo”, Catarina ainda não decidiu se as prateleiras vão ficar todas ou não. Embora tenha uma certeza: “Esta não é uma galeria só para o clube dos coleccionadores.”

Fotografia: Inês Félix

Entre as obras “mais artísticas, também haverá espaço para as mais comerciais”. O compromisso é o de não faltar diversidade: aqui há espaço para ilustração, cerâmica e bordado, e também marchetaria, instalações e peças feitas com poliéster, plástico e fios eléctricos. A pintura, a serigrafia e a fotografia também não ficam de fora. As formas e as técnicas vão, de resto, cruzando-se. “Os preços variam entre os 40€ e os dez mil, mas a arte é para todos.”

Na porta ao lado, há um espaço de cowork com uma zona comum para conviver, onde saltam à vista os azulejos pombalinos. Tem capacidade para cerca de dez criativos, mas actualmente acomoda apenas três – uma designer, que também faz bordados; uma artista plástica, que também é fotógrafa; e um arquitecto, que também é artista plástico. “É o David Reis Pinto, estes quadros são todos dele”, diz, apontando para as telas coloridas, entre as quais se encontram retratos de celebridades como Charles Chaplin. “Há salas para os sujos e salas para os limpos”, acrescenta em jeito de brincadeira.

Oficina Impossível
Pinturas de David Reis Pinto
Fotografia: Inês Félix

"12+1: A primeira vez" fica até 8 de Fevereiro. Nessa altura, o ritmo de vida na galeria promete acelerar: o espaço será utilizado para residências artísticas. “O público poderá falar directamente com os artistas e artesãos, conhecer e acompanhar a sua arte em primeira mão, enquanto trabalham, em tempo real.” Mais tarde, receberá também eventos culturais, porventura cursos de filosofia, lança Catarina, enumerando desejos em voz alta.

Oficina Impossível. Calçada Marquês de Abrantes 102 (Santos). Qua-Sáb 15.00-19.00.

+ Exposições em Lisboa para visitar este fim-de-semana

Últimas notícias

    Publicidade