A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Quinta do Bicho da Seda
Ricardo Lopes

Antes Quintalão, agora Quinta do Bicho da Seda: Algés ganhou um novo espaço verde

Do lado direito da margem da Ribeira de Algés há, desde o fim de Março, hortas urbanas, fontes e árvores de fruto.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

Cenouras, rabanetes, feijão, alho francês, rúcula e tomate. Manuela Ferreira, 36 anos, não tem de fazer escolhas quanto ao que semear no talhão que tem na Quinta do Bicho da Seda, em Algés. Há espaço para tudo isto e mais. "Já sei da existência destas hortas há muitos anos e no concelho de Cascais já me tinha inscrito, mas nunca tinha tido a sorte”, conta à Time Out. “Quando vim morar para aqui inscrevi-me na Câmara, estava atenta, segui as obras e tive a sorte de me calhar um talhão. Estou super contente”, diz, até porque "serve para conhecer os vizinhos, que de outra forma não conhecia ninguém”. 

Manuela é uma das moradoras da união de freguesias de Algés, Linda-a-Velha e Cruz Quebrada-Dafundo a quem, via concurso público, foi designado um dos 12 talhões no novo espaço verde que nasceu junto à Avenida dos Bombeiros Voluntários no final de Março. O direito de ocupação dos espaços de cultivo, com áreas que variam entre 33,11 metros quadrados e 42,1 metros quadrados, é de um ano e renovável até ao limite de cinco anos. 

As hortas urbanas são apenas parte do lugar inicialmente designado como “Quintalão” — é, aliás, esse o nome que consta na placa de colocação da primeira pedra, em Junho de 2021 — e que hoje é oficialmente apelidado de “Quinta do Bicho da Seda”. A área de 3500 metros quadrados inclui zonas de lazer, fontes e um troço da ribeira de Algés. O investimento é da Câmara Municipal de Oeiras (CMO) e ronda os 995 mil euros. 

Hortas urbanas
Ricardo Lopes

Do outro lado do núcleo agrícola, há bancos de jardim e várias árvores de fruto, como macieiras, marmeleiros, amendoeiras, aveleiras ou cerejeiras. Há ainda duas fontes, que, no dia da visita da Time Out, não estavam em funcionamento, com a água visivelmente parada há vários dias. “A respetiva manutenção requer que, pontualmente, seja feito o seu esvaziamento, para limpeza e posterior reenchimento”, justifica a CMO, por e-mail. 

Actualmente, o quintalão tem um horário de funcionamento, “de forma a minimizar situações de vandalismo em período noturno”, explica também a autarquia. Os portões estão abertos das 08.00 às 20.00 (de Outubro a Março o encerramento é às 18.00). 

Quinta do Bicho da Seda
Ricardo Lopes

A criação da Quinta do Bicho da Seda faz parte de uma intervenção de maior dimensão naquele que será o futuro Parque Urbano de Algés, com 17000 metros quadrados, e uma área que inclui a UDRA — União Desportiva e Recreativa de Algés, e respectivo campo de futebol. Esse Parque Urbano “ainda não tem área de intervenção nem programa estabilizados”, adianta a CMO à Time Out. “A próxima intervenção prevista diz respeito à Regularização Fluvial no Troço a Céu Aberto da Ribeira de Algés, pelo valor de €520.000”, que “será em moldes equivalentes ao do pequeno troço projecto já executado”, sendo “a valência principal da obra a questão hidráulica, de regularização de caudais de cheia neste troço bastante confinado, complementada por com intervenções de sementeiras e plantações nas margens”. 

Quinta do Bicho da Seda (Algés). Seg-Dom. 08.00-20.00

+ Fechado há sete meses, “O Relento está encerrado, mas não morreu”

+ Raiz: a horta do futuro já existe e está no Beato

Últimas notícias

    Publicidade