A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
East Mambo
Ricardo LopesSandes de pernil

Bernardo Agrela quer recuperar “a magia da sanduíche” no West Mambo

Depois de ter fechado por causa da pandemia, o chef voltou a abrir o pequeno restaurante das Avenidas Novas. O nome mudou de latitude e os kebabs deram lugar a sandes que pretendem homenagear a tradição portuguesa.

Escrito por
Cláudia Lima Carvalho
Publicidade

O menu é curto, não tem nada que saber. Há cinco sandes, entre as quais uma vegan, e o preço é igual para todas: 8,50€. Acompanhamentos há três, com preço único também (3,50€). E as sobremesas são duas. Pouco, mas bom e certeiro. Bernardo Agrela voltou ao pequeno restaurante que abriu em 2019, e trocou-lhe as coordenadas. O East Mambo, onde da cozinha só saíam kebabs, chama-se agora West Mambo. “A ideia é ter as melhores sandes de Lisboa.”

As palavras confiantes são de Bernardo Agrela, chef que tem tanto bicho-carpinteiro que a sua pegada vai deixando marca na cidade. Hoje está no Povo, no Cais do Sodré, no Verão acumula a cozinha da Casa do Capitão, no Beato, e faz ainda parte do colectivo gastronómico New Kids On The Block. O East Mambo acabou por ser sol de pouca dura devido à pandemia, mas Agrela nunca deixou o espaço. “A ideia sempre foi manter, era uma questão de tempo. Eu gosto muito deste sítio porque é muito perto de minha casa e é o meu primeiro restaurante. Mesmo que eu faça outras coisas e ganhe dinheiro de outra maneira, este é sempre o meu espaço”, diz à Time Out. “É uma espécie de atelier para experimentar conceitos.”

East Mambo
Ricardo LopesSandes de borrego

Os kebabs foram precisamente fruto disso. A covid até pode ter fechado o East Mambo, mas nem por isso Bernardo Agrela deixou de fazer kebabs. “De facto, isto esteve a trabalhar oito meses e fechou. Mas depois houve dois anos de [Casa do] Capitão onde se venderam quilos de kebabs”, conta, admitindo também por isso algum cansaço. “Agora quis fazer uma cena diferente. O título do rei do kebab já é meu portanto já não há mais luta”, brinca. “Se fico só a fazer uma coisa rotulam-me que só faço uma cena. Fico preso a isso e honestamente já só o cheiro dos kebabs…”

Mesmo assim, há uma sandes no menu a saber a kebab. “É a transição para as pessoas que vêm cá e ficam bué tristes porque já não há kebabs. Pelo menos há uma sandes. É o mais parecido com hambúrguer também”, explica o chef, que quer com o West Mambo recuperar “a magia da sanduíche”. “Tudo se mete dentro de um pão e comecei a ficar triste, com a gentrificação de Lisboa, de ver que isso começa a desaparecer.”

East Mambo
Ricardo LopesSandes de camarão

Em miúdo, lembra-se de chegar ao café em frente à escola e pedir sandes de tudo e mais alguma coisa. Todas as combinações eram possíveis, até mesmo sandes de croquetes ou rissóis. Hoje já não é bem assim. “Ainda não vamos na carcaça porque eu acho que este pão é melhor, mas a ideia é não deixar morrer as sandes.”

O pão a que se refere, feito em casa, é de mandioca. E além da sandes de borrego, há uma de pernil, com a carne desfiada e cozinhada no ponto, outra de frango e uma de camarão que Agrela diz ser uma homenagem à clássica sandes de omelete. A opção vegan, que leva o nome de “pernil vegan”, é feita com jaca.

East Mambo
Ricardo LopesOs três acompanhamentos

E nem os acompanhamentos são óbvios: chips de couve kale, banana pão, e mil folhas de batata (é dizer, batata frita em várias camadas finas). Para petiscar antes das sandes, há um trio de entradas (3,50€), com três dips (espinafre e requeijão; feijão manteiga; e humus de ervilha com pesto de alho francês) e crackers feitas a partir do pão de mandioca. 

East Mambo
Ricardo LopesAs entradas

Na sobremesa, há doces que aqueles que conheciam a casa anteriormente ou que passaram em algum momento pela Casa do Capitão poderão conhecer: o bolo da Sílvia (4,50€), que é um petit gateau de caramelo salgado e que acompanha com gelado; e o John’s Parfait (4,50€), uma junção surpreendente de ruibarbo, aipo, fava tonka e estrelitas – sim, os cereais infantis.

East Mambo
Ricardo LopesAs sobremesas

“Acho que as combinações podem ter de mudar um bocadinho, mas a ideia é ser sempre street food. Isto é um sítio onde comes com as mãos”, atira Agrela, que não está sozinho na cozinha. Da Casa do Capitão trouxe Camila Amaral e é ela que assegura a cozinha a tempo inteiro – se assim não fosse não conseguiria conciliar tudo o que faz. “Isto tem a dinâmica de um restaurante pequenino, aqui tens a liberdade para fazer coisas que num restaurante normal não tens”, afirma. “Aqui não há pressão de facturar, facturar. Tem de facturar, mas a comida está boa? Está-se bem.”

A liberdade é tal que Bernardo Agrela não põe de lado a hipótese de volta e meia poderem voltar os kebabs. “Os kebabs estão só em pausa. Hão-de voltar, não sei bem ainda em que modelo. Agora estamos na temporada West. Às vezes pode ser East. Havemos de rodar.”

Rua Latino Coelho, 87A (São Sebastião). Seg-Sáb 11.30-15.00/19.30-22.00

+ Nem só de choco frito se faz um restaurante em Setúbal

+ O Asiático fechou, o chef Kiko saiu – e o Rosamar nasceu

Últimas notícias

    Publicidade