Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Black Sheep: o wine bar mais pequeno da cidade
Notícias / Bebida

Black Sheep: o wine bar mais pequeno da cidade

Black Sheep
Manuel Manso

Tem espaço suficiente para caberem mais de 100 referências de vinhos de pequenos produtores nacionais. Fomos conhecer o Black Sheep, a nova ovelha negra do Príncipe Real.

No início de Junho, Lisboa ganhou uma nova ovelha negra. Chama-se Black Sheep e é, segundo o dono, o norte-americano Brian Patterson, “o segundo bar mais pequeno da cidade”. O mais pequeno fica em Alfama, “mas não é wine bar.” O que faz do Black Sheep “o wine bar mais pequeno da cidade”, orgulha-se.

Lá dentro, há espaço para apenas 12 pessoas, mas isso não deverá ser um problema. É que o Black Sheep fica em plena Praça das Flores e os clientes podem levar o copo de vinho para o banco de jardim.

Ao todo, o novo bar tem mais de uma centena de referências de vinhos, todos “100% portugueses” e “que não vai encontrar nas prateleiras de supermercado”, continua Brian. Vinhos de terroir, na sua maioria naturais, orgânicos e biodinâmicos.

O norte-americano da Georgia mudou-se com a mulher, Jennifer, de Seattle para Lisboa há dois anos. “Vivemos aqui no bairro e costumamos dizer que a Cerveteca [na porta ao lado] se tornou uma espécie de extensão da nossa casa”, ri-se. “Agora numa porta há uma grande selecção de cerveja artesanal e na outra uma grande selecção de vinhos. É uma boa combinação.”

Brian, que já trabalhava na área e que inicialmente tinha a ideia de “vender vinhos portugueses nos Estados Unidos”, conhece cada uma das garrafas que estão no seu novo bar. “Tenho uma relação directa com a maioria [dos produtores]”, garante.Todas as semanas há 14 vinhos diferentes a copo (os preços variam entre os 3,50 e os 6,50€) e as garrafas também estão disponíveis para levar para casa. Além disso, há sempre dois cocktails por semana: um fixo, o bastante elogiado Negroni, com um vermute mais intenso, e outro que varia.

Manuel Manso

Brian e a mulher estão sempre por lá para esclarecer qualquer dúvida sobre o vinho. A fazer-lhes companhia, mas menos entendido no assunto, está o cão, Bear, um Leonberger arraçado de Golden Retriever.

Para acompanhar os vinhos dos produtores independentes – ovelhas negras do negócio, chamemos-lhe assim – há petiscos como azeitonas, hummus de feijão branco feito por Brian, uma tábua com queijos e enchidos e um queijo de cabra com marmelada.

Praça das Flores, 62 (Príncipe Real). Qua, Qui e Dom 17.00-00.00, Sex-Sáb 17.00-01.00

Os novos bares em Lisboa que tem mesmo de conhecer

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments