A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Cacué: comida portuguesa com nome exótico em Picoas

Escrito por
Inês Garcia
Publicidade

Não se deixe enganar pelo nome algo exótico: o Cacué, em Picoas, é um restaurante de cozinha tradicional portuguesa. Depois de uma temporada na Noruega e uma passagem por alguns restaurantes em Lisboa, José Saudade e Silva abriu o seu próprio espaço e o nome é uma homenagem ao pai, que o ensinou a cozinhar.

O Cacué tomou o lugar de uma antiga tasca, muito concorrida na zona, mas com as paredes cobertas de madeira escura e menos lugares. “Tentei manter certos elementos, para os clientes de sempre não se divorciarem do espaço”, conta José, que não quis desvirtuar o lugar mas sim ampliá-lo, dar-lhe mais luz. A madeira mantém-se, mas mais clara, e as mesas e cadeiras também são as mesmas, só que com tampos de madeira. As bonitas arcadas ganharam destaque e, por baixo, há agora um bar com lugares ao balcão (antes começava logo ali a cozinha).

Pataniscas de bacalhau
Fotografia: Manuel Manso

No antigo restaurante havia pratos do dia fixos e José também isso quis manter: ervilhas com ovos escalfados à segunda-feira, pataniscas com arroz de tomate à terça, feijoada à quarta, bacalhau à minhota todas as quintas e pernil assado no forno à sexta. E os clássicos também estão todos aqui: do bacalhau à Brás (8,50€) lagarada de bacalhau (9,50€), arroz de lingueirão (12€) e açorda de gambas (10,50€) às bochechas de porco (8,50€) e ao muito lisboeta bife à Marrare (19,50€).

Espada no pão
Fotografia: Manuel Manso

Como boa casa portuguesa, que serve sem interrupção entre almoço e jantar, são muitos os pratos para petiscar. Além de entradas como os pastéis de massa tenra (1,50€) ou as pataniscas de bacalhau (1,20€), há uma carta só de petiscos onde se encontra, por exemplo, o espada no pão (7,50€). “É um filete de peixe espada à madeirense, servido no pão, numa carcaça. Não gosto muito de reinterpretações, mas aqui acrescentei a maionese e a cebola roxa”, explica o chef. Estão lá também os croquetes de língua (2€), as moelas (5€), o pica-pau do lombo bem tenro e no ponto (17,50€), as amêijoas à Bulhão Pato (12,50€) ou os mais requintados carabineiros (24€ a unidade).

Pica-pau do lombo
Fotografia: Manuel Manso

Guarde estômago para a sobremesa, que aqui a mousse de chocolate (2,50€) é caseira e realmente a fazer lembrar as de família (e numa dose perfeita para partilhar). Prove ainda o arroz doce (1,80€), o pudim Abade de Priscos (4,50€) ou o requeijão com doce de abóbora (2,90€). Se for mais de frutinha para desenjoar, há abacaxi (3€) ou a clássica maçã assada (2,50€).

Mousse de chocolate
Fotografia: Manuel Manso

Quando calha, José faz uns pratos importados de outras nações, como a cachupa, a muamba de galinha, o caril de peixe ou a moqueca de camarão – mas se lhe apetece este exotismo, convém realmente ligar para se certificar que há.

Rua Tomás Ribeiro, 93B (Picoas). 21 608 2990. Seg-Sex 12.00-22.00.


+ Tascas a não perder em Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade