A Time Out na sua caixa de entrada

Campanha “Neste chão não brinca o seu cão”
Fotografia: Manuel Manso Campanha “Neste chão não brinca o seu cão”

Carnide declara guerra ao cocó

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

A Junta de Freguesia de Carnide anda a surpreender os fregueses com grandes esculturas que simulam poias caninas. A iniciativa é itinerante e chama-se “Neste chão não brinca só o seu cão”.

Há uma semana que o cocó saiu à rua em Carnide, freguesia que trava uma luta contra os dejectos caninos espalhados pelo espaço público. Esta é a primeira fase da iniciativa chamada “Neste chão não brinca o seu cão” e funciona mais ou menos assim: as esculturas são colocadas durante alguns dias num espaço verde de Carnide e, terminada a missão, são mudadas misteriosamente de local durante a noite para irem pregar para outra localização surpresa da freguesia. A ideia é que rodem por todos os jardins e além das esculturas há também umas bandeirolas de alerta que assinalam zonas perigosas, como se de um campo de minas se tratasse.

Largo Francisco Smith
Fotografia: Manuel Manso

As esculturas foram primeiro instaladas, na semana passada, num espaço verde junto à saída de metro de Carnide e esta sexta-feira foi o Largo Francisco Smith que acordou com estas belas peças no jardim. “Este é um problema que se sente em Carnide e queríamos pegar no assunto e pôr as pessoas a falar sobre isso”, diz à Time Out o presidente da Junta de Freguesia de Carnide, Fábio Sousa. “De repente está tudo em Carnide a falar de cocó”, continua.

Largo Francisco Smith
Fotografia: Manuel Manso

A iniciativa vai andar na rua durante dois meses e depois os materiais serão disponibilizados a outras Juntas de Freguesia que enfrentem o mesmo problema ou mesmo à Câmara Municipal de Lisboa. Mas a campanha não irá terminar aí, estando a ser desenhadas outras iniciativas, como o alargamento da rede de sacos para dejectos caninos ou a oferta de sacos aos moradores que forem registar os seus animais de estimação. “Temos mais capítulos do projecto, mas esta é a parte mais inovadora”, conclui Fábio Sousa.

+ Manifesto contra telemóveis ocupa paredes de Lisboa

+ No Adamastor só as grades são novas

Últimas notícias

    Publicidade