A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Avenida da Liberdade
Fotografia: Gabriell VieiraAvenida da Liberdade (2021)

Cinco salas de espectáculo contra uma Avenida da Liberdade pedonal aos domingos

Coliseu, Tivoli, Politeama, Maria Vitória e Capitólio emitiram um comunicado conjunto, onde se posicionam contra o encerramento da Avenida da Liberdade aos domingos. Conheça os motivos.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

Teatro Tivoli BBVA, Teatro Maria Vitória, Capitólio, Coliseu dos Recreios e Teatro Politeama emitiram um comunicado conjunto onde contestam a decisão da maioria do executivo camarário de aprovar uma proposta da vereação do partido Livre que, entre outras medidas, prevê o encerramento da Avenida da Liberdade aos domingos e feriados. Esta é uma “situação que afecta em muito o funcionamento de todos os equipamentos culturais”, segundo os signatários do documento. 

Os responsáveis por estas salas defendem que “os domingos e feriados representam oportunidades privilegiadas para a deslocação a Lisboa de muitos espectadores provenientes de todo o país, frequentemente organizados em excursões, o que contribui decisivamente para a viabilidade económica destes equipamentos culturais e para a dinamização da economia local existente ao seu redor, com evidente destaque para o comércio, hotelaria e restauração.” Sublinham ainda que “muito do seu público habitual é composto por pessoas com mobilidade reduzida e por público idoso, que naturalmente será incapaz de percorrer a pé a distância necessária para chegar aos teatros.”

Outro problema identificado por estas salas de espectáculo é mais técnico. A montagem e desmontagem de espectáculos, por razões económicas, tanto ao nível de custos como de encaixe na agenda das tournées dos artistas e companhias, realiza-se no próprio dia dos espectáculos, pelo que in extremis as salas podem ser privadas de operarem em 66 dias por ano (soma dos domingos e feriados) o que significaria o seu encerramento por falta de viabilidade económica.

Os representantes destas salas de espectáculo dizem ainda já ter transmitido o seu descontentamento ao presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, numa reunião conjunta realizada quarta-feira passada nos Paços do Concelho, e adiantam que irão pedir “audiências aos vereadores da oposição para manifestarem também as suas preocupações.” Esta sexta-feira, no final da apresentação da programação das Festas de Lisboa, Carlos Moedas revelou que irá solicitar uma consulta pública sobre esta medida aprovada em reunião de Câmara e ainda pedir estudos aos impactos económicos e ambientais que poderá gerar.

+ Lisboa baixa limites de velocidade e tira carros da Avenida da Liberdade aos domingos

+ Modere a velocidade: a 1 de Junho começam a funcionar 21 radares

Últimas notícias

    Publicidade