Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Comida tradicional e carnes maturadas à mesa no Bovine
Notícias / Comida

Comida tradicional e carnes maturadas à mesa no Bovine

Bovine
©Inês Félix

Carnes maturadas, pratos tradicionais e vinho. O Bovine junta os três, num restaurante que aposta na simplicidade e familiaridade dos sabores.

À entrada, a imponente garrafeira na parede prende o olhar. Mais à frente, a cozinha aberta desvia a atenção. O novo Bovine, na Rua do Corpo Santo, parece um restaurante de carnes maturadas, mas é muito mais do que isso. O novo espaço de Paula e Rui Rocha tem atrás do fogão o chef Telmo Frias e o subchef Diogo Carvalho, que elaboraram uma carta onde os cortes bovinos predominam, mas os pratos de tacho e de forno são uma alternativa de conforto para quem procura sabores tradicionais. E depois há o queijo, os enchidos e, claro, o vinho.

 

A vazia maturada
Inês Félix

 

“Trabalhamos em torno de bons cortes de carne. Cortes grandes como o T-bone, que dá para dois, ou o chuléton”, descreve o chef à Time Out, antes de descer para a cozinha onde irá preparar o arroz de bacalhau (14€) e os croquetes  de rabo de boi com mostarda de coentros (4€), em que a carne é desfiada e cozida durante várias horas. 

Paula e Rui abriram o primeiro restaurante há 40 anos. Desde então que se desdobram entre vários negócios, que vão do imobiliário à hotelaria. Apesar de (ou devido à?) muita experiência na área, os donos querem distanciar-se das reservas por turnos e dos preços excessivamente altos, que acabam por prejudicar a experiência de quem se senta à mesa. As entradas, como os tacos de chichos de vitela (8€) ou a alheira de caça (8€), podem ser pedidas como petiscos, exemplo desta preocupação com a conta. A garrafeira, com 700 exemplares, também inclui algumas sugestões interessantes a preços acessíveis, como o Mélange à 3 da Quinta dos Carvalhais. 

 

O aroz de bacalhau
Inês Félix

 

No Bovine, os produtos  nacionais são a grande aposta. De outra forma, afirmam Telmo Frias e Diogo Carvalho, estariam a desperdiçar matéria-prima de alta qualidade. A picanha do Uruguai é dos poucos produtos que vem de fora (15€). 

Se quiser fugir aos cortes, há alternativas como a barriga de leitão (12€) e as bochechas de porco bísaro (14€), que acompanha com arroz de grelos e salpicão. O empratamento é sempre cuidado, mas a cozinha nunca deixa de ser tradicional, com sabores familiares e fáceis de reconhecer. 

Rua do Corpo Santo, 2-4 (Cais do Sodré). 21 589 0487. Seg-Qui 17.00-00.00. Sex-Sáb 12.00-15.00/ 18.00-00.00

+ Onde comer carne maturada em Lisboa 

Publicidade
Publicidade