Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dona Rosa, a app que lhe trata da roupa suja
Dona Rosa
Fotografia: Inês Félix

Dona Rosa, a app que lhe trata da roupa suja

Publicidade

A Dona Rosa é uma profissional virtual da roupa suja e amarrotada. Istalámos a app e chamamos o serviço à redacção da Time Out.

Dois amigos de longa data juntaram-se para poupar tempo aos lisboetas. Rodrigo Ruiz e Tomás Noronha (na fotografia com a jornalista que agora lhe escreve) criaram a aplicação Dona Rosa, uma lavandaria virtual que recolhe e entrega roupa onde o cliente quiser, para já em todo o concelho de Lisboa. Mas há planos para expandir.

Fotografia: Inês Félix

 

Lavar, secar, engomar, dobrar: tratar da roupa, todos sabemos, é talvez a tarefa doméstica com mais etapas, entre meter a roupa suja no saco e estar novamente cheirosa e dobradinha na gaveta. Para poupar trabalho, a Dona Rosa trata de tudo.

Fotografia: Inês Félix

 

Ou quase: inclui os serviços das lavandarias mais completas, com uma vantagem preciosa nos dias que correm – o cliente não precisa de andar de um lado para o outro com a roupa no saco. Basta instalar a aplicação, escolher um ou mais serviços (a encomenda mínima é de 20€) e aguardar pela recolha no local que lhe for mais conveniente, que tanto pode ser a sua casa, como o seu local de trabalho.

Fotografia: Inês Félix

 

Rodrigo e Tomás conheceram-se no infantário e foi em Setembro de 2018 que identificaram uma necessidade que ditaria uma parceria profissional com um futuro cor- -de-rosa. Passado precisamente um ano já estavam a lançar a primeira versão da Dona Rosa, primeiro testada com um público reduzido para afinar a operação. “Tinha muitos bugs no início, o que é normal, falhas na operação. Fomos melhorando até que chegámos a um produto final”, conta Rodrigo. A 29 Janeiro deste ano, a Dona Rosa começou a circular. Mas que Dona Rosa é esta? “Estivemos a pensar em vários nomes, até noutras línguas, mas não fazia sentido. Queríamos um nome que fosse português e que fosse rápido de ser pronunciado em qualquer parte do mundo. O facto de ter cor-de-rosa também é bastante atractivo, é um nome que transmite cheiro e frescura – e é isso tudo o que queremos para o nosso negócio”, explica.

Fotografia: Inês Félix

Mas a história é mais engraçada ainda, conta Rodrigo: “Eu desde cedo que fazia jantares com amigos lá em casa. Mas a minha mãe tem um bocado a mania das limpezas, um OCD leve. Lá em casa é tudo muito limpo e muito simétrico. Então eu tirava fotografias ao antes e depois replicava quando os meus amigos saiam lá de casa. O Tomás uma vez na brincadeira chamou-me Dona Rosa, porque mal acabou o jantar eu já estava a arrumar a casa”.

Fotografia: Inês Félix

Nesta primeira fase, são os próprios fundadores que fazem a recolha e a entrega. “Queremos melhorar e ouvir o que os clientes dizem, estar mais próximos para percebermos tudo aquilo que temos de fazer”, diz Tomás, acrescentando que têm uma rede de lavandarias parceiras escolhidas a dedo. O objectivo é expandir o negócio para todo o país e convidam desde já todos os portugueses a registarem-se na aplicação: “Ao termos esse feedback na nossa base de dados, conseguimos ter uma percepção melhor de onde é que vale a pena ir a seguir”, explica Rodrigo. Para ficar com uma ideia, lavar e engomar um conjunto de cinco camisas (o serviço que testámos) fica por 8,99€, mas um dos serviços com mais saída é um saco que pode encher com a roupa que quiser, para levar, secar e dobrar, que lhe fica por 13,99€. A aplicação está disponível para Android e iOS e a roupa fica pronta em três dias.

+ Apetece-lhe um hambúrguer? O Burger Guy leva-lhe a casa

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade