A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Dança, Performance, Dias Contados, Elizabete Francisca
©Os FredericosDias Contados de Elizabete Francisca

Elizabete Francisca dança contra a gentrificação no D. Maria II

‘Dias Contados’ é a mais recente criação de Elizabete Francisca, que é agora exibida na sala online do Teatro Nacional D. Maria II. Conversámos com a coreógrafa.

Por Mariana Duarte
Publicidade

Em 2017, Elizabete Francisca recebeu uma carta de despejo, engrossando as estatísticas galopantes dos arrendatários de Lisboa que estavam – e continuam – a ser empurrados para fora das suas casas. A coreógrafa e bailarina decidiu procurar ajuda junto de associações como a Habita! e a Stop Despejos, e não demorou muito a perceber que a crise da habitação era um monstro muito maior do que aparentava ser. “Sabia que este problema estava a acontecer em várias cidades do mundo e que já estava instalado em Lisboa, mas não conhecia os meandros da coisa tão a fundo”, recorda a artista.

O crescimento económico da capital, a movimentação gerada pelo turismo e a abertura de novos negócios e projectos de todo o tipo mascaravam, ao bom jeito do romantismo capitalista, a brutal violação dos direitos humanos que atravessava várias zonas da cidade, bem como a falta de medidas públicas para travar a especulação imobiliária. “Percebi que muita gente estava a ser despejada das suas casas e a passar fome, entre outras problemáticas que aparentemente não eram visíveis nessa paisagem urbana”, diz, apesar de os inúmeros hotéis, hostels e alojamentos locais dificilmente passarem despercebidos.

Os efeitos da gentrificação e da turistificação em massa começaram a afectar directamente o círculo de Elizabete: pessoas entre os 30 e os 35 anos que trabalham, maioritariamente, a recibos verdes e sem contratos de trabalho; no fundo, aquilo a que se chama de precariado urbano. “Os despejos sempre aconteceram nos bairros periféricos de Lisboa, mas agora estavam a atingir os centros e uma outra classe social. Infelizmente, parece que só quando atingem esta outra classe é que se começa a falar mais sobre a questão”, admite a coreógrafa, que nessa altura passou a participar nas lutas, nos protestos e noutras acções contra a crise habitacional.

Todas as inquietações geradas pela situação em que se encontrava levaram-na a criar Dias Contados, peça estreada no festival GUIdance do ano passado, em Guimarães, que agora – com Elizabete a viver “num quarto pequenino” no centro de Lisboa porque, aos 35 anos, “o ordenado não dá para mais” – chega à sala online do Teatro Nacional D. Maria II, onde fica em cena até 5 de Março (bilhetes a 3€). “Aquela situação mexeu com tudo. O não saber para onde se vai viver afecta o trabalho, as nossas relações pessoais e até a nossa memória afectiva: a casa é algo estruturante nas nossas vidas.” A coreógrafa, que é também artista associada da estrutura Rumo do Fumo, nunca tinha feito um espectáculo a partir de “um assunto tão concreto e tão político”. E não foi fácil. “É muito complexo abordar um tema com tantas nuances”, afirma. “A peça não abarca todas as problemáticas, mas o facto de eu me ter envolvido em acções de activismo com associações deixou-me mais à vontade para trabalhar este espectáculo de uma forma mais abstracta.”

Dança, Performance, Dias Contados, Elizabete Francisca
©Os FredericosDias Contados de Elizabete Francisca


Interpretado por Vânia Rovisco e Julia Salem, Dias Contados vive muito da presença dos corpos num cenário asfixiante que é “uma espécie de fortaleza, uma enorme estrutura de metal, fria e cinzenta, como se fosse uma metáfora para uma paisagem desoladora e imensa que se vai destruindo”. A fazer frente a esta “aridez da incerteza e do vazio” estão dois corpos em resistência, “em reivindicação”. “Vimos imagens de vários movimentos sociais ao longo da história e aquilo que resiste acaba sempre por ser o corpo”, assinala Elizabete Francisca. Uma das principais referências para o processo de criação desta peça foi a exposição (e o livro) Uprisings, do filósofo e historiador francês Georges Didi-Huberman, que compila imagens, palavras e gestos de vários movimentos e levantamentos sociais. Além disso, o facto de serem duas mulheres em palco é simbólico: são as mulheres, inclusive mães solteiras, “as mais afectadas pela crise da habitação”, mas também são elas quem “mais dá a cara” nestas lutas e “cria redes de solidariedade”.

A temperatura da peça vai sendo calibrada não só pelos corpos, mas também pela massa sonora de fundo, composta por sons de máquinas e de obras gravados in loco por João Bento. Há um sentimento punk que percorre o som do espectáculo, aponta Elizabete, sublinhado, no final, pela guitarra eléctrica em distorção, com chaves de casa e um berbequim a servirem como instrumentos adjacentes. Para a coreógrafa, “o poder emancipatório” da música punk serve de inspiração para expelir os medos. “Parece que tudo à nossa volta é feito para que as pessoas tenham medo e sejam submissas, e para contrariar isso é preciso deitar o medo cá para fora e ter o poder de nos levantarmos após o desastre.”

E o desastre da crise da habitação continua a decorrer, agravado agora pela situação pandémica. O desemprego aumenta e as rendas não diminuem, o turismo desce a pique e as casas que antes eram alojamento local entram no mercado de arrendamento a preços absurdos (e, muitas vezes, com condições igualmente absurdas, como T0s com uma mini-cozinha à frente da cama, tudo por 500€ ou mais). “Com a pandemia, a questão da habitação tornou-se ainda mais central”, lembra Elizabete. “Muita gente não tem condições em casa para ficar confinada e há também muita gente que não tem o privilégio de estar confinada.” A coreógrafa pensou em adaptar a peça ao presente, mas a falta de tempo não permitiu alterações. Infelizmente, não é grave: Dias Contados continua actual, continua urgente.

+ Peças de teatro para ver esta semana (online)

+ O D. Maria II convida-nos a ouvir quem faz o teatro

Últimas notícias

    Publicidade