A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Feira do Livro: maior que nunca e com novo horário

Por
Francisca Dias Real
Publicidade

Há 88 anos que a Feira do Livro nos enche de desculpas para rechear as prateleiras lá de casa. O evento regressa ao Parque Eduardo VII já esta sexta-feira, 25, e a cada ano cresce para voltar a ser a maior edição de sempre. Em 2018 são 294 pavilhões, a competir com os 286 do ano passado. 

Uma das novidades deste ano é a mudança da Hora H – a iniciativa que leva muita gente a tentar o melhor negócio por este ou aquele livro. O horário da feira mudou, passando a encerrar uma hora mais cedo de domingo a quinta, às 22.00. Mas descanse, que a Hora H acontece à mesma, agora entre as 21.00 e as 22.00. As regras são simples: de segunda a quinta, pode comprar com o desconto mínimo de 50%, livros lançados há mais de 18 meses. Aderem editoras como a Saída de Emergência, a Leya, a Porto Editora, a Esfera dos Livros, a Guerra e Paz, a Presença, a Tinta da China ou a Presença.  

Em 2017, a Feira recebeu 537 mil visitantes, cerca de 29 mil por dia, e o objectivo deste ano é ultrapassar esse número. 2018 também é o ano em que a Feira do Livro cresce para a zona norte, o que o vai fazer subir mais uns metros se quiser aconchegar o estômago entre as compras porque é lá que estará a zona de restauração. O Grande Auditório que ocupou esse espaço noutras edições fica agora na entrada principal da Feira, junto ao Marquês. Junto ao Auditório, os visitantes podem ver a exposição “88 anos de imagens com história”, uma retrospectiva dos anos anteriores – desde os anos 30, com as primeiras edições do evento no Rossio.

A zona oeste vai ser ocupada pelos showcookings – estão programadas quase 30 sessões, com foco principal na alimentação saudável e estilos de vida alternativa.  

Feira do Livro
A feira cresce para norte com a zona da restauração e o Grande Auditório muda-se para a entrada da Feira
Ilustração: Ricardo Cabral

E para combater o calor que muitas vezes atormenta os lisboetas que sobem e descem infinitamente o Parque Eduardo VII, o director da Feira anunciou ainda que “ as praças vão ter maior ensombramento para melhorar as condições dos visitantes.” Se quiser vestir a sério a camisola de adepto da Feira, também terá à venda chapéus de palha como parte do merchandising, uma novidade desta edição.

Feira dos pequeninos

“Cerca de 12% dos visitantes da Feira levam crianças, portanto as actividades para eles são muito importantes”, refere Pedro Pereira da Silva, director da Feira, durante a conferência de imprensa desta segunda-feira, a propósito do dominó e do tapete de xadrez gigante que prometem entreter famílias inteiras.

E este é mais um ano em que o Acampar com Histórias anima a Feira do Livro. Pela quarta vez, durante os dias 25, 26 e 30 de Maio e 1, 2, 8, 9, e 12 de Junho, os miúdos podem montar a tenda na Estufa Fria e acampar por lá toda a noite. Durante a actividade, os mais pequenos vão ter sessões de leitura e ilustração com autores infantis.

A Rede de Bibliotecas de Lisboa volta a ser uma das grandes parceiras e promotoras das actividades infanto-juvenis que decorrem ao longo de todos os dias da feira. “Numa parceria com o Plano Nacional de Leitura, vamos fazer no dia 13 de Junho uma Arruada da Leitura, para promovermos a importância da leitura nos públicos mais jovens”, refere Susana Silvestre, representante da BLX.

No site oficial da Feira do Livro pode consultar toda a programação, por dias e com respectivos horários.

Parque Eduardo VII. Seg-Qui 12.30-22.00; Sex 12.30-00.00; Sáb 11.00-00.00 e Dom 11.00-22.00. Entrada livre.

+ Coisas para fazer em Lisboa este mês

Últimas notícias

    Publicidade