A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Flynpadão
Pietro Erthal

Flynpadão: o empadão carioca chegou a Lisboa

Serviço de entregas foi lançado em Março. O objectivo é disponibilizar produtos cariocas que antes não se encontravam na cidade.

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Esta é a história de três amigos que se juntaram por um bem em falta na capital portuguesa: o empadão. Mas desengane-se se pensa que este produto é idêntico ao empadão a que estamos habituados e que, durante anos a fio, nos era servido nas cantinas da escola. Este é feito com sabedoria carioca e eleva-o a um prato que “tanto pode ser comido ao pequeno-almoço, almoço ou ao jantar”, explica Rafael Agos, um dos sócios do Flynpadão, projecto de entrega ao domicílio de especialidades brasileiras lançado em Março. A versão brasileira é “uma espécie de empada que cresceu mais um pouco”, muito diferente da portuguesa, que no Brasil é conhecida como escondidinho ou bolo de batata.

Joel Queiroga e Bárbara Albuquerque são os restantes elementos da trupe que entrega rangos cariocas no conforto do lar das casas portuguesas. E o que são rangos, pergunta-se o leitor. Todo o tipo de comida ou refeições, respondendo de forma simples e em gíria carioca. No Rio de Janeiro, "verme" é tudo o que "é muito bom", explica Rafael. Aqui, o empadão é a estrela. Há-o de frango creme (8€), de palmito (8€) e de camarão morgado (12€). Cada dose tem aproximadamente 900g e dá, em média, para três refeições substanciais ou para seis mais comedidas. Chegam-lhe a casa já pré-assados e congelados. É só pôr no forno durante 45 minutos e fica pronto.

Mas também há strogonoff (6€). Desta vez, as diferenças para a versão portuguesa não são tantas. Levas as natas, acompanha com o arroz branco, batata palha, mas o toque especial está na adição de um molho inglês de qualidade. Para não falar que ao domingo é dia moqueca baiana (10€), com peixe, camarão, farofa de dendé e arroz soltinho. O açaí (15€/ pote) também se encontra na carta e é feito de forma especial. Juntam uma parte de açaí orgânico e outro mais convencional com Guaraná, fruta à escolha e trituram tudo. O importante, ressalva Rafael, é que as pessoas entendem que o açaí não é uma sobremesa e que deve ser encarado como uma refeição.

As encomendas podem ser feitas através do Instagram ou do WhatsApp – de preferência com 24 horas de antecedência– e são entregues em Lisboa, Amadora, Oeiras, Cascais, Odivelas e Sintra (a taxa de deslocação varia entre os dois e os quatro euros). Mas se preferir, existem três lojas parceiras espalhadas por Lisboa (na Mercadim, em Picoas), em Cascais (na taproom Na Medida) e em Carcavelos (na loja de produtos estrangeiros Glood) onde consegue comprar o empadão sem encomenda prévia.

+ O reino da coxinha fica em Alcântara

+ Leia grátis a Time Out desta semana e aprenda a ser turista na própria cidade

Últimas notícias

    Publicidade