A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Estação de Arroios
©Metropolitano de LisboaA futura Estação de Arroios

Greves no Metro de Lisboa podem afectar festas e festivais de Verão

Há várias greves previstas até Junho. E, a continuarem, poderão vir a afectar o regresso a casa durante eventos como os Santos Populares e o Rock in Rio Lisboa.

Raquel Dias da Silva
Escrito por
Raquel Dias da Silva
Publicidade

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa têm greve parcial prevista para esta sexta-feira, 29. Entre as 06.30 e as 09.00, não haverá circulação de comboios e, uma vez que o Tribunal Arbitral decidiu não decretar serviços mínimos, as estações só vão abrir a partir das 09.30. O pré-aviso, assinado por todos os sindicatos, inclui também o dia 4 de Maio. A continuarem, estas paralisações poderão vir a afectar a circulação, em especial o regresso a casa, durante as habituais festas e festivais de Verão, como os Santos Populares e o Rock in Rio Lisboa.

As paralisações de curta duração, que deverão continuar a ocorrer com frequência semanal, visam contestar o não cumprimento do Acordo de Empresa por parte da Direcção Operacional do Metro. À semelhança do que tem acontecido nos últimos quatro anos, o Tribunal Arbitral continua sem decretar serviços mínimos, justificando a decisão com o facto de se tratarem de greves parciais e de não existirem outras greves de transportes em Lisboa na mesma altura.

Além das greves parciais, está também prevista greve às horas extraordinárias e aos eventos especiais, como é o caso do Rock in Rio Lisboa, previsto realizar-se entre os dias 18 e 26 de Junho, e os Santos Populares, em meados do mesmo mês, que costumam levar à prorrogação da circulação de comboios e do metro até de madrugada. Sem acordo, em vez de funcionarem até às 03.00 ou às 04.00, os transportes funcionam apenas até à 01.00, como acontece habitualmente.

As últimas greves dos trabalhadores do metro aconteceram a 14 e a 22 de Abril, também parciais. Em comunicado da FECTRANS (Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações), denunciava-se o facto do caderno reivindicativo dos trabalhadores da D.O. (Direcção de Operações do ML – Metropolitano de Lisboa) continuar a ser ignorado pela administração do Metropolitano de Lisboa e pelo Ministério do Ambiente, que tutela a empresa, “não restando aos trabalhadores outra alternativa, que tomarem nas suas mãos a defesa das suas reivindicações”.

+ Marchas, arraiais e casamentos devem voltar em pleno para o Santo António

+ Leia já, grátis, a edição digital da Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade