A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
O Balão da Hora
©Gabriell VieiraO Balão da Hora

Há um balão que dá horas na Ribeira das Naus – e é a hora legal

Todos os dias, há um balão que sobe e uma sirene de navio que ecoa à uma da tarde, frente ao Arsenal. Fique a saber porquê.

Por Helena Galvão Soares
Publicidade

Todos os dias, pontualmente, faça chuva ou faça sol, à uma da tarde, ou mais precisamente às 13:00:00, já que é de precisão cronológica que falamos, ouve-se uma sirene na Ribeira das Naus. Não fora o Tejo estar ali mesmo ao lado e não se avistar navio algum, acharíamos que tínhamos ouvido uma sirene de navio. Mas não, a resposta não está no rio, está em terra.

Mesmo junto à Doca Seca, foi instalado em 2018 um memorial ao Balão da Hora ou Balão do Arsenal, um engenho do Observatório Astronómico da Marinha que, entre 9 de Novembro de 1858 e 31 de Dezembro de 1915, diariamente emitia um sinal horário a marcar a hora legal, o que permitia não só que os lisboetas acertassem os seus relógios, mas, sobretudo, que os navios da marinha de guerra e mercante ancorados no Tejo aferissem com precisão os seus cronómetros antes de partirem.

E poderá saber-se o porquê desta obsessão com a pontualidade?, perguntará o leitor menos versado em lides náuticas e já esquecido de que nem sempre existiram satélites e GPS. Pois, só com um relógio acertado pela hora legal é possível determinar com precisão a longitude e assim traçar e manter um rumo em alto mar, onde não existem referências de terra.

O Balão da Hora
Gabriell VieiraO Balão da Hora


Era esta a função do Balão da Hora, num ritual que se cumpria todos os dias. Tal como os seus dois antecessores, este novo aparelho é constituído por uma torre onde se encontra um globo que começa a subir até meia haste 15 minutos antes das 13 horas, acompanhado de um curto toque de sirene. Cinco minutos antes da hora, novo toque a avisar que o momento se aproxima, enquanto o balão ascende ao topo. Às 13 horas em ponto, acompanhado de um derradeiro toque, o balão deveria despenhar-se até ao ponto de partida. Deveria... mas manteve-se lá no topo. Inquirimos um marinheiro que passava. "Devia, devia... mas está inop", esclareceu ele.

Fazemos votos de uma rápida recuperação do Balão da Hora. Gostaríamos de voltar a ver todo o ritual, mas com o seu desfecho catártico.

+ O Pátio das Antigas: Um cinema dentro de outro

Últimas notícias

    Publicidade