A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Televisão, Série, I Know This Much Is True (2020)
©HBOI Know This Much Is True

HBO leva Mark Ruffalo às cordas neste combate de um homem só

Por
Hugo Torres
Publicidade

‘I Know This Much Is True’, uma minissérie de seis episódios com Mark Ruffalo em papel duplo, é um poço sem fundo. Ficámos de coração apertado.

Three Rivers, Connecticut. Na passagem de ano de 1950, o nascimento de dois gémeos no hospital local chega às notícias, não porque os seis minutos de diferença entre o parto de um e de outro os fez nascer em anos diferentes, um a 31 de Dezembro de 1949 e outro a 1 de Janeiro de 1950, mas pelo celebrado motivo de serem bebés de Ano Novo. Thomas e Dominick Tempesta, filhos de mãe com ascendência siciliana e pai incógnito, vão ser submetidos a uma vida de provações e tormenta – pelo segredo da mãe, pela severidade do padrasto, pela traumática morte de uma colega de turma, e depois, já na universidade, pela doença psiquiátrica de Thomas, que se precipita e afunda, e pela esquizofrenia paranóide que toma conta da relação entre ambos.

Mark Ruffalo interpreta os dois irmãos, um débil e progressivamente ensimesmado, o outro um ser fervente, encurralado pela própria sorte. A história é a de I Know This Much Is True, romance do norte-americano Wally Lamb que teve como rampa de lançamento a aparição no clube de leitores promovido por Oprah Winfrey e que agora é adaptada ao pequeno ecrã, para a HBO, numa minissérie de seis episódios. O obreiro é Derek Cianfrance, realizador de Blue Valentine – Só Tu e Eu, que abre a narrativa com a impressionante cena em que Thomas corta a mão direita, numa biblioteca pública, como sacrifício para expiar os pecados da América e impedir a Guerra do Golfo (estamos em 1990). A Dominick caberá decidir, logo a seguir, se os médicos devem salvar o membro, como os clínicos o pressionam a fazer, ou se deve respeitar a vontade do irmão, que numa desesperada berraria lhe garante ter tomado esta decisão de forma lúcida.

O que parece ser a decisão mais difícil que Dominick alguma vez terá de tomar revela-se, afinal, apenas a ponta de um icebergue dramático que ultrapassa os limites temporais da sua própria existência. A tragédia deste antigo professor, cujas provações o impediram de continuar na profissão e encontrar na pintura de casas o seu ganha-pão, estende-se uma geração para trás de si – com o avô paterno, um operário egotista que morreu antes do nascimento dos gémeos, cuja história é dada a conhecer numa narrativa paralela, em analepse – e uma geração à sua frente. O centro gravitacional de I Know This Much Is True (o título remete para uma parcela de verdade que é vislumbrada, declaradamente, no final) nunca deixa, todavia, de ser a relação entre os irmãos, a luta de Dominick para retirar Thomas de um centro de internamento de alta segurança, a degeneração deste último e os sentimentos de culpa do primeiro, a sensação de que poderia ter feito mais, quando se começam a descobrir as consequências escondidas que tudo isto tem na sua própria saúde mental.

HBO. Seg.

+ As séries da HBO que tem mesmo de ver

Últimas notícias

    Publicidade