A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Livraria Tema fecha definitivamente no final de Fevereiro

Por Raquel Dias da Silva
Publicidade

Perante uma implacável queda das vendas nos últimos tempos, o proprietário decidiu fechar portas. A loja era lugar de peregrinação, sobretudo para os consumidores de revistas internacionais.

As revistas mais difíceis de encontrar, as capas mais bem desenhadas, os livros de super-heróis americanos, os jornais e revistas de todos os dias convivem há anos na Sunrise Press, uma das livrarias mais completas da cidade. Mas a loja, em tempos e ainda hoje conhecida por Tema, fecha portas no final do mês de Fevereiro.

A Livraria Tema nasceu nos idos de 1980, num espaço do Xénon, um centro comercial decadente no final da Avenida da Liberdade, perto dos Restauradores. Desde o início que a aposta foi no nicho das revistas internacionais, como The New Yorker, Harper’s, Atlantic Monthly, Wired, Cereal, Kinfolk ou The New York Review of Books. Tornou-se lugar de peregrinação pela diversidade da oferta, entre os jornais de todo o mundo, incluindo os títulos russo escritos em cirílico, e as revistas nacionais, francesas e inglesas, de tecnologia, desporto, culinária, música, cinema, moda ou decoração.

Quando o Centro Comercial Colombo abriu, foi aí inaugurada uma segunda loja, mas fechou em 2013. Nessa altura, já a loja da Avenida tinha mudado de nome e estava sob nova gerência. Mas a “nova” Sunrise Press continuou a ser a Tema de sempre, pelo menos para os clientes de longa data. “Quando começou a ficar apertado, optámos por fazer cedência de espaço”, diz à Time Out Tiago Costa, funcionário da loja há mais de três anos. “Noto que, desde 2016, o número de clientes reduziu muito. Há muitos turistas a passar, mas a nós não nos ajuda.”

Actualmente, a Sunrise Press partilha morada com a Lisbon Lovers, que vende souvenirs, como postais e ímanes, e chegou a ter loja própria, uns números acima, até Dezembro do ano passado. Mas o sub-arrendamento do espaço não foi o suficiente. “O movimento na Avenida baixou muito, havia muita gente a morar perto, muita gente a trabalhar, mas desapareceram”, explica Tiago. “Estou triste, já tinha passado por esta situação na loja do Colombo.”

“Agora há menos pessoas”

Odete Pereira, 84 anos, é cliente habitual. Conta que, quando era mais nova, comprava figurinos e a revista espanhola ¡Hola!, mas agora gosta mais “das palavras cruzadas e de conversar”. “Agora há menos pessoas”, acrescenta. “A vida dá muitas voltas.”

Nas redes sociais, por onde o anúncio repentino do fecho abalou os menos atentos, os clientes recordam agora os tempos em que a “Tema chegou a ir a Cascais comprar edições americanas de banda desenhada” em 1992 ou esteve presente na primeira edição dos Encontros de Ficção Científica, também em Cascais, mas uns anos mais tarde, em 1996.

A Lisbon Lovers ficará aberta até ao final de Março. “Vão entrar em negociações com o proprietário”, sublinha Tiago. Quanto à Tema, o que não for vendido será devolvido aos distribuidores, “para ser feito o acerto de contas”.

+ Necrolojia: as lojas tradicionais que fecharam e deixam saudades

Últimas notícias

    Publicidade