Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Louis C.K. esgota “sessões intimistas” em Lisboa em menos de uma hora
Notícias / Comédia

Louis C.K. esgota “sessões intimistas” em Lisboa em menos de uma hora

louis ck louie press 2013
© FX

É um dos nomes maiores da comédia, mas um escândalo sexual atirou-o para a lista negra, tornando este regresso aos palcos controverso e pouco consensual. Mesmo assim, Louis C.K. não desiste. Este mês, nos dias 24 e 25, vamos poder vê-lo no Maxime Comedy Club, com quatro “sessões intimistas”. Os bilhetes esgotaram em menos de uma hora.

Há uns anos, o mais provável seria ver Louis C.K. em palcos maiores, como o Coliseu dos Recreios, mas as acusações de assédio sexual por parte de várias mulheres obrigaram-no a uma reclusão. Três anos depois, o humorista tem tentado regressar devagar e os palcos grandes deram lugar a espaços pequenos.

Foi quando rebentou o movimento #MeToo que a vida mudou para Louis C.K., acusado então de comportamentos sexuais abusivos. O humorista foi acusado de se masturbar à frente de várias mulheres, na maior parte das vezes em ambiente laboral. Louie, a sua brilhante série de comédia adorada por todos os críticos, deixou de passar na televisão e o filme que estava para se estrear, I Love You, Daddy voltou para a gaveta. Espectáculos de stand-up estavam fora de questão. E nem a confissão e consequente pedido de desculpas evitaram o afastamento.

Se há quem defenda que é preciso separar o autor da obra, no caso de C.K. torna-se mais difícil pelo seu humor cáustico, quase sempre a pisar o risco. Antes de se saber o que tinha feito, eram várias as piadas do norte-americano sobre masturbação.

Nos Estados Unidos esta é um debate que está a acontecer, depois de C.K. ter também anunciado espectáculos por lá. Já em Setembro do ano passado, quando o humorista apareceu em palco em Nova Iorque foram muitas as pessoas que abandonaram a sala.

Mesmo assim, Louis C.K. não desiste e aos poucos vai regressando, sem perder uma oportunidade para uma boa piada (ainda que dura, negra ou controversa).

Sobre os espectáculos em Lisboa, para maiores de 18 anos, sabe-se ainda pouco. A H2N, que ainda este ano trouxe a Lisboa o britânico Jimmy Carr, é a responsável pela sua vinda a Portugal e promete que este vai ser “o evento do ano”. Os bilhetes foram postos à venda esta terça-feira e esgotaram num ápice.

+ Jimmy Carr: É o público que define os limites do humor

+ Herman José: “É mais difícil ser consensual do que controverso”

Publicidade
Publicidade