A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
colecção museu bordalo pinheiro
museu bordalo pinheiro

Museu Bordalo Pinheiro: colecção com mais de 13 mil peças está online para toda a gente ver

Por
Francisca Dias Real
Publicidade

De portas fechadas mas não de braços cruzados – é assim que o Museu Bordalo Pinheiro se apresenta. Dada impossibilidade de receber visitantes, foram reforçadas as actividades online e a mais recente é um catálogo com mais de 13 mil ojectos.

A colecção do Museu Bordalo Pinheiro já está disponível para ser vista online. A disponibilização digital do acervo do museu do Campo Grande “visa constituir um instrumento de referência para consulta, estudo e difusão pública da obra de Rafael Bordalo Pinheiro e de outros artistas e autores que a colecção contempla”, refere-se em comunicado. “A multiplicidade de conteúdos e de significações associadas à sua obra confere-lhe um duplo estatuto de objecto de arte e de documento”.

O projecto surge a partir da colecção de Cruz Magalhães, fundador do museu, cujo acervo tem vindo a crescer exponencialmente no último século. Além disso, o espólio vai sendo complementado pelo desenho humorístico, fotografia, documentação da família do artista ou até mesmo com cerâmicas das Caldas da Rainha. 

Os mais de 13 mil objectos estão catalogados e divididos por categorias como Azulejaria, Cerâmica, Desenho, Equipamentos e Utensílios, Escultura, Documentação, Fotografia, Gravura, Mobiliário, Pintura, Têxteis e Jornais. 

colecção museu bordalo pinheiro
museu bordalo pinheiro

Os visitantes podem criar um login de acesso à página, sendo possível partilhar imagens, enviá-las por email e seleccionar um conjunto de obras e criar uma colecção pessoal em “A Minha Colecção”, reunindo as peças favoritas, por exemplo.

Quando for possível, haverá uma apresentação pública deste projecto com a Sistemas do Futuro, a entidade parceira que fez a magia acontecer.

O Museu Bordalo Pinheiro reabre ao público no dia 18 de Maio, e poderá voltar a mostrar a exposição “Pé d’Orelha”, que põe em diálogo obras de Bordalo Pinheiro e Querubim Lapa, e “O dia em que perdi o pé”, de Anabela Soares, inaugurada um dia antes de o museu encerrar em Março.

Mesmo com a reabertura a aposta no online continua firme e aqui pode encontrar todas as actividades que o museu vai pondo à disposição virtualmente.

+ Leia aqui gratuitamente a Time In desta semana

+ Festival Monstra traz-nos curtas para ver em casa

Últimas notícias

    Publicidade