A Time Out na sua caixa de entrada

Jardim Zoológico de Lisboa
Jardim Zoológico de LisboaLeopardos-da-pérsia

Nasceram três crias de leopardo no Zoo e pode dar nome a uma delas

Por Raquel Dias da Silva
Publicidade

O primeiro rugido aconteceu na Primavera deste ano, mas só agora o Jardim Zoológico de Lisboa anunciou o nascimento dos três machos de leopardo-da-pérsia que vieram reforçar esta espécie “em perigo”. E, porque uma boa notícia nunca vem só, vai poder ajudar a escolher o nome de uma das crias.

Elin é a primeira e única fêmea de leopardo-da-pérsia nascida através da técnica de inseminação artificial. Era de madrugada quando os seus filhos nasceram, a 23 de Maio, depois de uma gestação de cerca de três meses. Agora, o Jardim Zoológico de Lisboa, que participa na conservação da espécie desde 2013, partilha o vídeo do acontecimento e desafia os visitantes a participar na atribuição do nome a uma destas crias. ZangezurTalish ou Noah são os nomes nos quais poderá votar. 

Para as restantes crias, os nomes foram seleccionados pelo Jardim Zoológico e pela Mirpuri Foundation, que optaram por Kiamaky, nome de uma montanha da região onde em 2014 se encontrou um dos primeiros registos de reprodução de leopardos, e Amirhossein-Khaleghi, em honra do conservacionista iraniano que dedica a sua vida à conservação da espécie. Quanto ao terceiro macho, já sabe, poderá ajudar a baptizá-lo: Zangezur e Talish são nomes de cadeias montanhosas do Cáucaso; e Noah é uma homenagem ao leopardo que “entre 2004 e 2009 desempenhou um papel fundamental na consciencialização das populações e dos organismos ligados à protecção da vida selvagem naquela região”.

“As crias estão saudáveis e já é possível observá-las a explorar a instalação exterior com Elin, uma excelente progenitora, muito protectora”, comenta José Dias Ferreira, o coordenador do programa europeu de reprodução da Panthera pardus saxicolor, nome científico desta espécie “em perigo”, assim classificada pela União Internacional para Conservação da Natureza.

Entre as razões que levam ao rápido declínio da população de leopardos na natureza, encontram-se a fragmentação do território e a diminuição de recursos alimentares, mas também a caça para a obtenção de troféus e comércio ilegal. Para além destas ameaças, os conflitos armados e a instabilidade política vivida no Cáucaso, o vasto território de onde a espécie é originária, dificultam os trabalhos de conservação, como os realizados pelo Programa Internacional de Reprodução e Reintrodução, apesar deste “ter tido particular sucesso em algumas zonas onde não havia evidência de leopardos residentes”.

Se quiser saber mais sobre os leopardos-da-pérsia, basta consultar o site do Jardim Zoológico de Lisboa, onde poderá descobrir curiosidades sobre os seus hábitos sociais, de caça e reprodução. É ainda possível fazer um apadrinhamento ou oferecer a oportunidade a alguém por um valor de 60€, 70€, 80€ ou 100€.

+ Quintas pedagógicas: leve-os ao campo sem sair da cidade

Últimas notícias

    Publicidade