Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Nesta casa de pasto em Arroios ninguém passa fome
Nesta casa de pasto em Arroios ninguém passa fome
Melissa Vieira

Nesta casa de pasto em Arroios ninguém passa fome

Publicidade

O novo restaurante junto ao Mercado de Arroios é uma casa de pasto com comida tradicional feita com ingredientes locais. 

Já havia FOME em Arroios e quem conhecia o restaurante não vai, na verdade, notar muitas diferenças na decoração – mantém-se o mural com a pintura do mercado de rua da Madeira e da levada, as redes de pesca e as mesas e cadeiras toscas de madeira. Mas são os pormenores que avisam que este é um restaurante novo: a marca Acepipe está logo à entrada, numa parede, com letras brancas em relevo. O anterior FOME fechou no final de 2019 e o novo tem a mão de Nuno Nobre, consultor de comunicação e curador gastronómico, e de Luís Miguel Rodrigues, chef.

“O Luís nasceu numa tasca. Os pais dele são os donos da Tasquinha do Lagarto, em Campolide. Ele queria ter uma tasca e eu sempre quis ter uma tasca do mar. Juntámos aqui as duas coisas”, resume Nuno Nobre, que debaixo da marca Acepipe tem também alicerçado o pop-up Ouriçaria, no Mercado da Ericeira ou a Bisca dos 3, por altura dos Santos Populares. 

 

Croquetes de atum
Melissa Vieira

 

O FOME apresenta-se agora como uma casa de pasto, com comida e bebida sem pretensiosismos. “As casas de pasto têm sido algo desprezadas. O trabalho que nós temos é de pesquisar, recuperar os produtos, tradições, mas também conceitos alimentares”, diz o consultor e curador, numa das mesas do restaurante onde em vez de jarras com flores há jarros com brócolos, pés de grelos ou favas. E é precisamente por esse motivo que no que toca a bebidas há vinho, cerveja e “cheirinhos”, e nada de “cocktails, que na altura havia só o gin tónico, com gasosa, e pouco mais”. 

 

Pastéis de massa tenra
Melissa Vieira

 

Fábio Abreu, madeirense, é o chef de serviço e já conhece os cantos à casa, afinal era ele o cozinheiro do antigo restaurante. A carta aqui foi trabalhada em conjunto com o chef executivo, Luís Miguel Rodrigues, e será dinâmica, com atenção à sazonalidade de todos os ingredientes. Vai sempre começar com dentinhos, a expressão madeirense para couvert ou amuse-bouche, onde estão as azeitonas e tremoços temperados à maneira da casa, o torresmo puro e duro, à fatia ou às tiras (1,50€), e o pão de Mafra torrado com manteiga de algas (4€). Seguem-se os caldinhos, como a canja de galinha (3,50€) e a sopa à pescador (6€), feita com as cabeças dos camarões, mexilhão e peixe da costa. “Sempre peixe sazonal, porque o robalo há todo o ano mas nem todo o ano está bom, nem mesmo o de mar”, reforça Nuno. 

 

Sandes de espada
Melissa Vieira

 

O terceiro capítulo deste menu são os acepipes, onde se regressa à nobre arte de fazer pastéis de massa tenra, bem recheados (5€) e há uns croquetes de atum, com uma tomatada e picante (6€). “Queremos criar uns fritos com um produto local diferente”, diz, elencando que o rissol de burrié ou de conquilha deverão ser os próximos. Há também um torricado de bacalhau assado (7€), escabeches de peixe ou de coelho à caçador (8€), salada de polvo “sem mariquices” (9€) e uma revolta dos vinagres (8€). “O vinagre, os picles, são sempre acessórios dos pratos e normalmente acabam por ser desperdício. Num bitoque com picles, voltam sempre para atrás. Decidimos valorizar os vinagres e este prato traz picles caseiros, mexilhão, bacalhau ou fígado de bacalhau, tudo em vinagre”, conta. As propostas crescem com duas sandes, o prego à casa, típico de casa de pasto e de cervejaria (8€), e o espada, homenagem à ilha, servido em bola de Mafra com espada preto panado e o molho grego tzatziki, aqui com funcho em vez de pepino, a envolver tudo (7€).

Apesar de ser tudo partilhável e perfeito ora para aquele final de tarde que junta a cerveja ao petisco ou um jantar com amigos, há também três pratos de tacho para consolar o estômago: o arroz de frango na púcara (12€), o xarém com berbigão (13€) e a massada de peixe, por agora com abrótea (14€). Tachinhos perfeitos para dois.

 

Xarém
Melissa Vieira

 

As guloseimas também são das tradicionais e por isso não estranhe o tabuleiro com maçãs assadas na vitrine, terminadas com moscatel e tomilho (3€), o leite creme e abóbora (4€) ou o bolo de chocolate com cheirinho, seja medronho ou bagaço (5€).

O nome FOME pode ser polémico, mas não lhe mudaram o nome propositadamente. “É um tema que pode ser delicado. É verdade, mas estamos a explorá-lo e a criar valor”, diz Nuno, ressalvando que é afiliado, membro e consultor da Organização Mundial do Turismo. "Trabalho muito o turismo sustentável. Um dos objectivos da agenda 20-30 é combater a fome.” Tudo isto entronca na actividade da empresa-chapéu, Nuno Nobre Consultoria. A ideia será, também, desenvolver algum projecto de impacto social com este restaurante. “O Fábio, que é especialista em fermentação, é muito bom na gestão de desperdícios. Nós facilmente pegamos em restos, aquilo que ninguém come, naquela percentagem de comida que se produz na restauração e vai toda para o lixo, e transformamos. Conseguimos criar comida e eventualmente atribuir nesse projecto de impacto”, acrescenta. Uma coisa é certa: aqui não vai passar fome e uma semana não será igual à outra. 

Rua Ângela Pinto, 4 (Arroios). Qua-Dom 16.00-23.00.

+ Os melhores restaurantes no Intendente, Anjos e Arroios

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade