A Time Out na sua caixa de entrada

No Lapo, a gastronomia dá as mãos à cultura em refeições com espectáculo

Por Raquel Dias da Silva
Publicidade

O Lapo ‒ café-bar, atelier e restaurante ‒ emerge das ruínas de uma antiga fábrica de pão no histórico e boémio bairro da Bica. Como projecto artístico, é uma “marca para pessoas pensantes”, que se desdobra, de fora para dentro, em três espaços diferentes, vocacionados para a cultura e as artes, mas também para a gastronomia portuguesa.

“É um labirinto de subtilezas”, garante António Guerreiro, debruçado sobre uma das mesas da Sala Provador, a última paragem de um roteiro que começa no café do número 28 e se estende até ao interior secreto do atelier do número 26, na Rua Marechal Saldanha. Com a ambição de ser plural, a proposta do criativo e de Bruna Guerreiro, parceira na profissão e no amor, alia os prazeres à mesa à beleza da vida e do espectáculo. Mas, antes de um jantar com concerto, vale a pena recuar no tempo e no espaço.

Lapo
Café Lapo
Fotografia: Bite Shot Studio

Ao final da tarde, uma placa de ardósia na rua convida a subir ao Café Lapo (n.º 28), onde a luz natural faz parte da decoração das salas, repletas de livros, revistas, discos e quadros, e há masseiras recuperadas a servir de mesas. Os pedaços únicos de madeira, outrora usados para amassar pão, servem agora para expôr obras feitas em residência artística, como uma pintura em papel vegetal, mas sobretudo para saborear uma generosa selecção de petiscos, que inclui receitas de família, como o bacalhau amanteigado do tio Artur (5,90€).

Ervilhas com ovo escalfado
Fotografia: Bite Shot Studio

Por uma porta envidraçada, chega-se ao pátio, um recanto bucólico, quase secreto, à sombra de uma oliveira. Entre as essências perfumadas de rosmaninho e alecrim, poderá também aí degustar pratos pensados para partilhar. Há gambas fritas com alho e malagueta (8,50€), ovos mexidos com espargos (8,50€), prego de atum braseado em bolo do caco (9€) ou tábuas de legumes (entre os 3,60€ e os 6,40€), queijos e porco preto (entre os 8€ e os 15€). Para adoçar o palato, há ainda propostas de sobremesas, como bolo de requeijão (5€) ou taça de açaí com morango e banana (7€).

Prego do lombo de vitela (9€)
Bite Shot Studio

Na carta encontra ainda cocktails de assinatura, apresentados como antídotos – por exemplo "contra a violência”, com gin brandy, framboesas, amoras, sumo de limão e clara de ovo. Mas também vinhos portugueses e limonadas caseiras. “Tentamos incentivar as famílias a consumir sumos naturais, em vez de refrigerantes”, conta Fábio, o responsável pelo bar que recomenda os chás frios de manga, pêssego e limão. “No outro dia consegui convencer um casal a trocar os pedidos para os miúdos por opções mais saudáveis.”

cocktails
Antídoto Contra a Violência
Fotografia: Bite Shot Studio

Às sextas-feiras e sábados, a partir das 19.00, é ainda possível desfrutar dos serões melodiosos, ao som da agulha no vinil, do músico residente Melo D. “Esta marca é para pessoas pensantes. O próprio logótipo é uma cara que olha para fora e para dentro”, explica a directora artística Ana Câmara, responsável pela programação cultural, que inclui exposições de pintura e fotografia, concertos, performances, stand-up comedy e spoken word. “Queremos alimentar o corpo, mas também a alma”, acrescenta, antes de nos guiar até ao Atelier Lapo (n.º 26) para uma surpresa.

Atrás de uma porta secreta, a cultura e gastronomia também dão as mãos

“O Lapo foi pensado primeiro como loja de ilustração e depois de se encontrar este edifício histórico fez sentido estender o projecto. O propósito é partilhar ideias, despertar emoções e estimular o pensamento crítico, por exemplo através da sátira a expressões portuguesas, como o ‘Excelentíssimo Senhor Doutor’”, conta Ana por entre esculturas, de Maria Teixeira e Carolina Garfo, e peças exclusivas da marca, desde azulejos (135€-200€) a t-shirts (33€). “As ilustrações a preto e branco são pensadas por Bruna e António, mas o traço é dela.”

No Atelier, onde é promovido um consumo ético e responsável e os sacos são de cartão, existe ainda um provador. Mas não é um provador qualquer. Desde a abertura da loja até ao fecho (de segunda a domingo, das 11.00 às 19.00), prova-se roupa. Na hora do lusco-fusco (excepto às terças-feiras), o espelho onde poderia apreciar o seu novo visual revela-se uma entrada para uma sala secreta – a Sala Provador, onde os antigos fornos da fábrica de pão dão agora lugar a uma cozinha tradicional portuguesa, com suave sotaque alentejano, orientada pelo chef João Pronto.

Sala Provador
Fotografia: Bite Shot Studio

“Não é um mero restaurante, mas um espaço dedicado à intervenção cultural e à liberdade artística”, ressalva a directora artística. “A partir das 22.30, há espectáculo e o menu de degustação é adaptado à programação, que varia consoante o dia da semana.” Às quartas, sobem ao palco projectos experimentais. Às quintas, há teatro. Seguem-se as “sexta-feiras irreverentes” e a Noite Sonora aos sábados, com novos talentos musicais.

À mesa, os produtos são sempre que possível de origem nacional e biológica. Além do couvert (cesta de pão alentejano e broa de Avintes, manteiga de ervas aromáticas dos Açores, azeitonas temperadas com alho e azeite extra-virgem), o menu de degustação (40€) é composto por entrada, dois pratos e uma sobremesa. Se for vegetariano, há alternativas. Mas também pode aparecer pela “Hora do Brinde”, a partir das 22.00, para usufruir apenas do espectáculo (sem o jantar, fica a 10€). Se quiser, poderá pedir à carta, que os petiscos do Café Lapo descem até ao rés-do-chão.

Tábuas
Fotografia: Bite Shot Studio

Aberto há cerca de um mês, o Lapo está pronto para “agitar as águas”. Até quando for à casa-de-banho terá de pensar qual a porta certa – XX ou XY? Aviso à navegação: não há respostas erradas. “Queremos que venham de olhos fechados e se deixem surpreender”, confessa Ana. “Não queremos entreter. Queremos colocar questões e deixar que cada um encontre a sua resposta.” Pode começar já, mas a festa de inauguração está marcada para 28 de Setembro. E promete.

Rua Marechal Saldanha, n.º26-28. Café: Ter-Qua 12.00-00.00 e Qui-Sáb 12.00-02.00. Atelier: Seg-Dom 11.00-19.00. Sala Provador: Qua-Seg 20.00-02.00.

+ Os melhores novos restaurantes em Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade